Play by Forum
Seja bem vindo ao Play by Forum!

Nova: School for Superpowerful Kids

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Dom Jun 28, 2015 2:30 am







Em um mundo em que somos obrigados a viver em sociedade, onde os problemas excedem as soluções; é normal desejarmos ter superpoderes. Na televisão e no cinema vemos pessoas com habilidades sobre-humanas e sobrenaturais, mas nos convencem de que tudo é pura e mera ficção. Mas... E se eu te dissesse que existem, de verdade, pessoas com habilidades incríveis e capacidades superdotadas?!! Um supermutante chamado Edson, ao descobrir ter poderes acreditou em si mesmo e treinou sozinho, usou seus poderes para o bem; e apesar de ser humilhado por algumas pessoas -por ser diferente- foi mais longe: não só acreditou nisso, como sonhou em reunir todos aqueles que tivessem habilidades como a dele formando uma grande equipe, mas primeiro precisaria treiná-los. E por que não começar pelas crianças, se elas são o futuro deste mundo... Eu estou dentro e você?



Nossas Regras:

.Sem propagandas que não tenham a ver com a história

.GL/BL permitido

.Se houver brigas,ou discussão entre docetes (o que eu acho que não) vamos por favor,resolver isso pacificamente, mas se quiserem fazer UFC mode, sem problemas, mas não ocupem o espaço que poderia ser aproveitado por turnos,ok?!

.Nada de fazer seu personagem ser invencível, o maioral, se fosse não estaria aqui né?!Claro que ele pode ser poderoso, mas destaque seus limites Wink

.Se desaparecer por mais de 2 semanas, sem dar uma desculpa plausível, seu personagem será dado como expulso,desaparecido ou até morto.Por favor tentem ao máximo ser leais ao RPG, é muito chato quando abandonam um, esta é a regra mais importante.

.Divirtam-se (sim,isto é uma regra^^)


Docete:@
Nome do personagem:
Idade:
Poderes:
História:
Personalidade:
Aparência:
De onde veio?
Algo a mais:
Imagem:

explicação da ficha:

Docete: @
Nome do personagem:(coloque nome e sobrenome)
Idade:(entre 9 e 25 anos)
Poderes:(descreva as habilidades de seu personagem, nada de ser invencível)
História:(descreva a história do personagem até entrar na escola ou até ser encontrado pelo Edson.Diga também de onde ele veio, sua origem é importante^^ - calma véi, é só o nome do lugar lol)
Personalidade:(descreva o que gosta e o que não gosta, inclua também o estado psicológico do personagem)
Algo a mais:(Opcional, se desejar descrever algo a mais do personagem, como alergia)
Imagem:(Humana)

Locais:

Escadaria:

[b]Cozinha:


Diversão:



Sala:

Sala de descanso:

Cobertura:

Suítes/Dormitórios:

Banheiro:

Parte externa:

[/b]



Em breve :p

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Qua Mar 01, 2017 2:44 pm


Rapaz, nem lembrava q tinha feito td isso kkkk

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Turno- 1 parte

Mensagem  @Parisse em Qua Mar 01, 2017 4:03 pm

*Bucareste é a capital da Romênia Wink
Romênia, séc.XIX

Turno pt-1

 
Isaiah Connor/29
Eu e Akita, junto com nossos outros dois irmãos, conseguimos matar a ruiva com um golpe em seu coração. Seguimos adiante com nossos cavalos por 300 metros.

Tivemos de deixar nossos cavalos no pé de uma ladeira por ser muito íngreme e fomos subindo. No meio da ladeira, foi ocorrendo nossa transformação em personagens. Ah, que legal... Akita, estamos virando desenho Disse olhando para meus braços. Por sermos mais adultos e acostumados à essas atividades por conta da nossa criação, chegamos uns 10 minutos antes dos alunos e tivemos de esperá-los. Oficialmente, tínhamos à nossa frente o grande Castelo de Bran da Transilvania.

Antes ele aparecia o tempo todo, mas após um incêndio que o destruiu, ele passou a aparecer apenas pela noite. Olhar aqueles jovens subirr me fez lembrar Alicia. Ela devia estar lá, no meu quarto, presa naquela jaula por agora... Eu me sentia mal por ter feito aquilo com ela, mas era o correto a se fazer. Eu fiz com ela o que não pude fazer com Akita. Eu sempre fui muito protetor... Ficava alerta com meus irmãos mais novos e quando podia ajudava o mais velho. Eu podia estar em outro lugar agora... Residindo em um dos novos prédios do Oeste da Europa ou ter uma mansão na Rússia... Ah sim... Como tive sorte neste país.  Os russos gostavam de mim e eu me dei muito bem com eles. Eu lhes dei conhecimento e eles me deram vodka. Conheci uma linda garota, que aturou muito de mim... A bebedeira, as traições... Se eu não fosse tão burro e tão jovem, não teria desperdiçado tantas oportunidades... E mesmo me amando, Naaden não quis se casar comigo. E o pior é que eu gostava dela... 


Derrotado eu voltei para casa sem dinheiro e sem onde cair vivo... Quando cheguei em casa eu até que tentei fazer parecer que eu ainda era o maioral, mas os meses foram se passando e minha mãe foi percebendo que eu não tinha dinheiro, nem para onde ir e que por isso iria ficar ali por um bom tempo. Eu lhes contei a verdade cabisbaixo e humilhado. Eles me acolheram sem problema até que eu arranjasse algo novamente. Mas depois que meu pai morreu, eu passei a beber mais e mais, saí da cidade para achar coisa melhor mas só me afundei em mais dívidas. Quando meu pai fez o pedido à Akita, no início achei ser brincadeira e achava que o mesmo não iria levar à sério, pelos delírios que meu pai vinha tendo desde que ela o atacou. Mas eu não sabia que Akita já compartilhava aquele desejo há anos. Quando eu vi que não tinha mais chances voltei para casa dos meus pais en South Oprantis e foi conversando com minha mãe, na hora do almoço que descobri sobre o projeto de Akita. Ao qual ela apoiava com muito gosto.
|Flashback on:
_Então ele quer mesmo ir à fundo disso? De todo os nossos irmãos, eu sempre achei Akita o mais prudente. Mas devo dizer que ele está sendo louco! Ele nunca terá a força necessária para matar esta mulher. Bati os talheres no prato

 _Mãe... Eu li livros de muitos lugares do mundo... Falei com vários magos e feitceiros. Sabe quantas pessoas sabiam da existência dela? TODAS! E eles sempre me diziam a mesma coisa: "O melhor é não mexer com ela". Muito me impressiona a senhora deixá-lo seguir com esta ideia doida! _Seu irmão está numa missão de vida. Eu não irei impedi-lo! Além disso, ele está buscando a honra que perdeu com aquela vadia sanguessuga. 
_Sim... E o que aconteceu com eles? perguntei voltando a comer
 Não sei nem quero saber... Só sei que Akita não fala mais nela, e nem ela vem mais aqui. Algo muito ruim com certeza... Mas às vezes é necessário o mal para eliminar outro mal. Ela disse comendo também   Eu não concordo com o que Akitw está fazendo... Porém respeito. Mas prefiro não fazer parte disso...  Disse terminando  Está com medo Isaiah? Fivou frouxo depois que voltou? Vá a luta! Este empreendimento do seu irmão sua chance de recomeçar sua ccarreir! Duvido que encontre algo melhor Disse ela um pouco brava, mede deixando pensativo. Por dois meses procurei por escolas para ensinar ou grupos de magia para particpar. O único emprego que achei foi o de caixa num mercado. E eu não iria me sujeitar a tal coisa. A única coisa que me restava era Akita...  ...Achei que achasse essa ideia "uma loucura". Disse ele sem camisa, tendo ela amarrada em sua cintura, carregando um bloco de cimento o encaixando no que futuramente se completaria uma parede. Akita usou suas economias para comprar um velho terreno de uma igreja, imensa mas que era tão antiga que nem estava mais em uso. Como ele não tinha dinheiro o suficiente para a reforma, decidiu fazer ele mesmo._Sim, eu acho uma loucura.  Mas... Eu quero te ajudar. Qual é, nós dois sabemos que não pode fazer isso sozinho. Falava me movendo de um lado a outro, ele não parava quieto _Mas não estou sozinho. Terei os alunos ué... É mas, precisa de alguém experiente... Não pode treinar todos sozinhos. Ele pega mais um bloco e depois se move até a parede. Quase não me olhava É... Tem razão...  E você quer vir me ajudar... Só para me ajudar? Certeza que não é porque se deu mal no Oeste? O que? Akita, como pode pensar isso do seu próprio irmão? Disse tocando em mim
 
Eu te conheço Isaiah, você sempre detestou a minha ideia e só viria para cá se fosse a última opção que lhe restasse. Disse carregando outro bloco. Ia tentar desmentir, dizer somente queria ajudá-lo, que queria protegê-lo ou fazer um draminha básico, mas do que adiantaria? Só iria desgastar as coisas Ah tanto faz, é isso mesmo! Eu me dei mal, estou falido! Não tenho onde cair morto! O mendingo da esquina tem mais posses que eu! Meus únicos bens são as dívidas. Ele parou, respirando um pouco ofegante me observando com as mãos na cintura _Uau... Eu sinto muito irmão. Não sabia que a situação estava tão preta assim Disse e voltou ao trabalho Pois é, está... E é por isso que preciso deste emprego, pois sua academia é a única que pode me salvar, já que não há nenhuma escola que preste na Romênia e eu não posso ensinar na universidade pois não teria dinheiro para me manter na capital. Entendo... E aí?! Vai me ajudar ou não? Eu não sei... Digo... Eu preciso de pessoas que acreditem e defendam a causa, entende?! E você com certeza não a defende... Pelos deuses, fala sério... Disse apertando a cabeça
 
 É que voce vê isso apenas como um projeto,  só que é muito mais,  se trata também da promessa que fiz a pai. Quando você disse "eu prometo" achei que fosse apenas por dizer... Foi a última coisa que me pediu antes de morrer. Ele merece ter seu último desejo atendido Isaiah. Mesmo que isso custe a sua vida Eu me importo com ele   Fala como se fosse o único a sentir a morte dele. Mas ele também era o meu pai! Só que ele não batia bem da cabeça Akita! Não se trata de estar quando ele morreu e sim quando estava vivo! Você nos abandonou Isaiah, não nos mandou mais cartas nem lembranças... Foi obrigado a voltar quando parou no fundo do poço! Se fosse bem de vida como caminhava, duvido que estaria aqui agora neste momento! E se nosso pai estivesse vivo hoje, ele ainda te aceitaria de braços abertos, sabe porque? Porque ele é diferente de você... O escutei calado e assenti com a cabeça. Realmente eu havia os deixado. Eu não estava lá para protegê-los na hora que precisaram. Tem razão... Enfim, acho melhor eu ir andando, está ficando tarde... disse me virando e indo embora quando ele me chama Ei! Espere... Me viro e ele para finalmente, me olhando e pondo as mãos na cintura De qualquer forma, ainda preciso de alguém para me ajudar na construção pois falta muita coisa para instalar e não posso pagar a alguém. Se me ajudar nisso e seguir minhas regras, está contratado. Tá... Se for só só isso que tem que fazer, eu faço. Vou ganhar por isso isso, não vou? ele revira os olhos Vai sim, Isaiah, te remunerarei como um professor normal... Então  fechou. Disse com um simples sorriso dando de ombros e apertando sua mão Seja oficialmente bem-vindo à academia Connor, professor... |Flashback off
Sendo meu irmão mais novo, Akita me estendeu a mão quando precisei, ainda que segundo seus termos. Por isso não posso negá-lo tal batalha, não se trata apenas de obrigação e/ou remuneração pela tarefa. Pus a mão no ombro do mesmo que observei também estar pensativo. Ele sorri pondo sua mão em cima da minha. Ao ver os meninos o aviso Akita, chegaram...

 Depois de muita luta, Kash e Serj conseguem imobilizar a ruiva de cabelos cacheados e assim eu e Isaiah damos o golpe de misericórdia bem em seu coração. A soltamos respirando ofegante e a largando no chão Acho melhor esta merda de floresta não me aparecer com mais nenhum mosntrengo, já estou ficando impaciente! Sorrio Calma, Serj... Só 300 metros até o castelo. Se formos mais rápidos que os monstros, não pegaremos mais nenhum deles. Se dependesse de nós, talvez até chegaríamos, mas os seus alunos tartarugas nunca vão deixar isso acontecer Olhei para trás e vi o urso derrubado. Fiquei impressionado, achava que havia pegado pesado com eles. Mas é isso aí, eles são os meus alunos.  São mais rápidos do que você pensa Sorri o olhando e chamei os meninos Pessoal, só faltam 300 metros! Vamos lá, vamos lá! Então cavalgamos rápido até o castelo, mas como a subida para a entrada era muito íngreme, teríamos que completar àqueles 10 metros à pé. Gente... Aqui é onde nos despedimos de nossos cavalos. Até a volta pelo menos. É agora que aquele grupo de alunos que eu pedi que formassem entre si será importante. Prendam os cavalos nesta cerca... Disse e prendi o meu Me deseje sorte Todd... Falei o acariciando e então segui para o castelo. Era uma subida de incomodar as panturrilhas, mas tudo aquio valeria a pena pois o sofrimento maior acabaria naquela noite. E eu estava confiante. Nisso, nos transformamos em personagens e depois de mais alguns minutos, chegamos em fim na frente do castelo.
 
Nós professores que estávamos na frente alcançamos primeiro que os alunos que estavam atrás e por isso tivemos de espera-los. Nesse meio-tempo Isaiah põe a mão em meu ombro Akita... Está mesmo certo de que quer entrar aí de novo? Olhei para baixo e lembrei da última vez que vim ao castelo antes da minha primeira invasão...

|Flashback on: Acordo em minha cama, na casa de minha mãe, suado e ofegante. Olho para mim mesmo e percebo que estou vivo, o que era estranho pois lembro que até alguns minutos atrás, a bruxa tinha virado o meu pescoço. Me levanto e vou até a sala, olho a data que estamos, estava tudo certo, mas havia algo estranho... Agitado, ponho apenas um chapéu e saio de casa,  provocando dúvidas em minha mãe. Vou para a floresta com um cavalo e ao chegar ao castelo, a porta estava aberta.

Entro procurando Sarah e encontro um bilhete em cima da mesa de centro da sala, no local onde demos nosso primeiro beijo, escrito “Akita”. Pego a carta e começo a ler...
carta de despedida:
Akita,
Creio que deves estar se perguntando um turbilhão de coisas. Mas deves saber que agora não vos responderei vossos questionamentos como antes. Porém posso esclarecer-lhe uma última coisa: Tu estás vivo. Não há dúvidas. Eu poupei tua vida, mas infelizmente nosso filho não teve a mesma sorte. Vos escrevo esta carta para oficializar o fim da nossa história. Pois tu e eu nunca daremos certo...
[b][b] Suspirei abaixando a carta ao ler aquilo. Eu não conseguia acreditar, ou melhor, não queria acreditar... Passei a mão pela cabeça e me sentei no sofá. Havia um ponto molhado após esta frase. Ela devia estar chorando... Eu nunca tinha visto Sarah chorar... [/b][/b]
[b][b]
continuação:
“... Por esta razão, não me procures mais, aliás nem penses em mim, esqueça-me! Pois assim será melhor para ti. Viva tua vida como tens que viver, faças o que sempre quis fazer, pois é assim que deves ser. Eu vos dei uma chance que deveras aproveitar. E assim te alerto que não venhas atrás de minha mãe, pois se assim o fizer Akita, eu mesmo vos matarei... Eu a prometi e cumpro minhas promessas. Há uma coisa que não sabes... Antes de morrer teu pai me fez fazer uma promessa. Peço-te que por favor, não me deixe quebrá-la.
Adeus;
Sarah Koustopoulos Tepes, Bran – Romênia, 5 de Dezembro de 1804
 
Eu estava perplexo... Eu não queria deixá-la,  eu a queria comigo e naquele momento eu queria muito mais isso que viver. Se fosse para viver voltando à minha vida normal, então eu preferia ter continuado morto. Me acanhei no sofá e chorei por alguns poucos minutos. Nunca havia chorado com tanta tristeza, nem com a morte de meu pai. Minha mãe nem podia imaginar aquilo. Fiquei com a cabeça baixa por aqueles minutos e quando levantei, olhei para ao castelo com raiva, eu não deixaria aquilo barato, se ela sacrificou nosso filho por mim eu iria vingá-lo mas não poderia fazer isso sozinho... Eu precisava de um exército.  Fui até a sala em que costumava estudar e me sentei na mesa. Articulei um plano para matar aquela bruxa de vez, doa a quem doer, ainda que demorasse anos. Espero que Sarah um dia reconheça que sua mãe precisa ser morta, para um dia nos juntarmos à essa caçada. Foram três noites sem dormir, mas numa manhã de quarta-feira, eu finalmente tinha em mãos o plano que imaginei desde menino. Pus os papéis em meu bolso e fui até a sala de alquimia onde faziam feitiços. Fiz uma mistura proibida e deixei no fogo.
 
Corri para a porta e fiquei a olhar o castelo onde chorei por mais uma vez.

Me afastei de frente para o mesmo sem tirar os olhos dali e o vi explodir.
 O fogo era feroz e incontrolável. Eu fiquei ali assistindo o símbolo do poder dos Tepes ruir e quando tudo virou cinzas, preguei um telegrama na estaca de pau que ainda se sustentava. 
[/b][/b]
[b][b]
 
Voltei para casa e queimei tudo o que nos pertencia, mas com o tempo eu descobri aue as coisas que estavam dentro do baú mágico e o próprio baú que ela me presenteou não podiam ser destruídos, voltando para mim intactos sempre que terminava de destroçá-los. Minha mãe não entendia minha agitação e ficou preocupada comigo quando o incêndio no castelo virou notícia.  Eu disse à ela que já havia saído quando pegou fogo. Não contei que fui o autor. Tempos depois,   o castelo foi reconstruído, porém à luz do dia, tornou-se invisível. No quintal de casa, com as coisas queimando, a fumaça subia.  Eu ficava apenas observando o fogo se livrar dos objetos Akita! O que está acontecendo?  Você some por tres dias e ainda me volta com essa cara de quem está doente! Eu exijo explicações! [b]Eu mandei uma carta para o Instituto de *Bucareste...  E irei fazer a prova daqui há dois dias. Se passar, irei para lá estudar.
Que bom... Mas filho, não temos como pagar... Não se preocupe, eu mesmo pago... Ainda me sobrou certa quantia na conta...  Entendo... E nesses dias que ficará aqui, espero que nao se importe com a nossa falta de classe, somos humildes... Disse ela irônica,  eu sorri _Até parece mãe, sabe que não me importo com essas coisas. Só vestia aquelas roupas roupas porque aquilo a agradava e...  Eu precisava ter "classe" Disse debochando _A senhora sabe que odeio ternos. Ela sorri e então observa as coisas queimando Mas e esse fogo, o que significa? Significa um recomeço , mãe ... O início de uma nova era... Disse tombando minha cabeça para o lado, deitando-a em seu ombro. Como ela é mais alta que eu, pôs sua mão em meu ombro e ficamos juntos observando o fogo queimar.
|Flashback off
Perdido em meus flashbacks, Isaiah
me cutuca Akita, chegaram... olhei para os alunos e a última que chegou foi Brunna Finalmente! Achei que nunca ia chegar... Ela disse ofegante.
Okay, alunos atenção...Antes de entrarem no castelo, todos vocês acendam suas tochas e se preparem para jogá-las nos móveis , isso mesmo que ouviram, joguem nos objetos, pois quero tudo destruído! Os funcionários estavam dando à cada um uma tocha e assim com um forte chute eu arrombei a grande porta da entrada e entrei. A entrada desse castelo era idêntica ao primeiro, mas a parte de dentro, não. Por isso, realizei aquela primeira expedição com os alunos há meses atrás; para conhecer o novo castelo. Somos recebidos por dois homens que apenas nos olham. Os ignorei Vão! Vasculhem e queimem tudo!  Os alunos me obedecem e se espalham pela sala mas quando tentam adentrar pela casa, uma mulher pelada e de cabelos de cobra sai por detrás daqueles dois homens, dançando em nossa frente.
 
Quando a vejo, arregalo os olhos logo a conhecendo.  Meus irmãos viram o rosto Meninos, cuidado! Nao olhem nos olhos dela ou se transformarão em pedra!  Ela é a medusa! Disse e tapei meus olhos. Eles se prepararam para nos receber, chamaram reforços! Mas como souberam?

Sarah Kostoupoulos/560 anos
No espelho, me arrumava para aquela noite. Eu podia sentir os pulsos da tropa que se aproximava pulando e fervendo como um vulcão em erupção.
 
E dentre eles o sangue mais especial que já provei, o de Akita. Ele avisou que viria e está cumprindo com o prometido.... |Flashback on: Minha mãe ia trazer Akita de volta à vida como o combinado e como último pedido,  pedi à ela que me deixasse levá-lo em sua casa. Ela deixou na condição de ir junto. Entramos pela janela como eu fazia antigamente,  no tempo em que ele ainda me rejeitava. O pus na cama com cuidado, olhei seu rosto sem vida querendo dar-lhe um último beijo mas com minha mãe ali,  eu jamais poderia, então passei minha mão em seu peito e fui me afastando sem tirar os olhos do mesmo. Ao lado dela, vejo-a proferir as palavras que o ressucitaria e então ela faz com que nós duas evaporemos dali. Só pude dizer num sussurro em latim
Te amo antes que ele acordasse. Para não haver riscos, minha mãe decidiu me levar embora da Romênia, deixando o castelo abandonado.  Como aquela ainda era a nossa casa, deixamos ali muitos objetos ligados à nós que depois de alguns dias sentimos que estavam sendo destruídos. Voltamos ao castelo, eu, minha mãe e os meus irmãos, para entender o que estava havendo, mas não havia mais castelo, só cinzas.

De pé, apenas uma estaca de pau com um bilhete pregado,  escrito com letras grandes "Para os Tepes". A bruxa não tinha mais esse sobrenome já que não é mais casada com o Conde, porém sabíamos que o remetente estava se referindo à todos nós. Minha mãe o pegou e nós ficamos em volta dela a escutando ler e olhando para a carta cujo a escrita era conhecida por mim
Carta de aviso:
"Não irei aqui usar formalidades para aqueles que considero aberrações. Não são aberrações pelo o que são, mas pelo o que fazem. Vocês tiraram de mim algo que nem pude conhecer.  Me torturaram de quase todas as formas conhecidas,  aterrorizam minha cidade e pensam que irão sair impunes... Mas aqui nesta carta lhes digo que irão pagar por cada gota de sangue que derramaram por tpdos esses anos. E sou eu mesmo que irá matá-los. Portanto gravem essas palavras, pois elas serão ditas quando a hora chegar.
Dissestes adeus Sarah, eu porém lhes digo até breve.
Akita Neun Connor, Bran-Romênia, 8 de Dezembro de 1804.
"

Meus irmãos e minha mãe riram, eu fitei o chão, séria e um pouco envergonhada. Akita tinha acabado de assinar a sua sentença de morte. Foi mais cedo do que imaginávamos... Você sabe o que fazer. Ela disse me entregando a carta e olhando as cinzas da casa Mas o desgraçado queimou tudo...  Pobrezinho, ele não sabe que eu posso refazer... Ela tentou reconstruir e não conseguiu. Ficamos sem entender até que nos aproximamos das cinzas e sentimos o cheiro de enxofre. Ele havia usado um feitiço explosivo. Isso provocou a ira da minha mãe que me olhou feio e desapareceu, junto com os outros. Segurei a carta contra meu ventre, pondo uma mão em cima da outra e disse Eu te avisei... e então sumi dali. Daí em diante, eu e ele nos tornamos inimigos. Como eu não queria matá-lo, tentei sempre destruir o que ele tramava, mas ele soube disfarçar muito bem; tanto que quando descobri que ele tinha posto seu plano em prática, ele já estava com seus alunos batendo na nossa porta.|Flashback off 
[/b][/b][/b]
[b][b]Sorri ao lembrar da carta,  que por sinal eu ainda tinha.  Abri a gaveta da penteadeira, pegando-a Sempre soube que foras um homem de palavra... mordi o labio e então senti minhas pupilas dilatarem, deixando deixando cair no chão a carta ao ouvir passos no andar de baixo. Eles estavam aqui. Está na hora....

Ramses Nasser/18 anos/CCA:chaco
Quando me aproximo da mesma, ela diz que sabe se cuidar Não estou dizendo que não sabe, e sim que é perigoso ir só. Disse a olhando próximo de seu cavalo. Ela pergunta porque a tratam como princesinha, reviro os olhos e a ajudo descer do cavalo. Ainda segurando sua mão, digo Às vezes quando protegemos muito uma pessoa, não quer dizer que duvidemos de suas capacidades, muitas vezes quer dizer que ela é amada. Continuei olhando em seus olhos e então soltei sua mão Voce é uma princesinha, mas não nesse sentido que pensa... Então a mesma depois fala que não iria perder outra invasão. A olho suspirando e cruzo os braços. De fato, ela tinha esse direito. De repente ela se assusta com algo e eu me viro para trás para ver o que era, ainda de braços cruzados. Era apenas um coelhinho. Viro para a mesma novmente com uma expressão tediosa. Ela corre para dentro e volta.  Espere, espere! Disse na frente de seu cavalo, com as mãos para o alto. Está certa... Tens o direito de fazer isso. Mas para prevenir, acho melhor eu ir junto,  você sabe, para garantir... Disse e mesmo resmungando a mesma permitiu. Me espera um pouco... Fui pegar  dois candeeiros para iluminar o caminho e então voltei, prendendo os dois em cada lado do cavalo. Subi no cavalo e ela também, ela me segura e eu dou um tapa relativamente forte para fazê-lo correr Rai! O cavalo vai rápido e eu fico bem atencioso observando o caminho. Segura firme Alícia! Hehehe Disse brincando, ainda cavalgando. Depois de uns dez minutos cavalgando, fico um pouco mais sério e lhe digo  sabia Espero conseguir alcançar os outros... Já devem estar no castelo a essa altura. E vou te confessar, eu tenho medo daquela floresta... Sabe que mesmo estando presente, vai perder pontos pelo atraso, não sabe?! Virei um pouco o rosto para trás, vendo-a de relance. Ainda cavalgando começo a sentir uma coceirinha na barriga e quando dou por mim, não sou mais humano Ô loco meu... Olha só como eu estou, você também se transformou, Alicia? Perguntei sem olhá-la. Após uns 35 minutos mais ou menos chegamos ao rio, diminuo a velociade do cavalo É aqui... Até aqui eu conheço o caminho certo, porque já vim muito por aqui com meu pai... Depois daqui já não tenho tanta certeza... Você tem algum mapa ou algo? Eu lembro de alguns pontos da última vez, mas tenho medo de errar e acabar voltando para o Egito Disse irônico. Mesmo morando em South Oprantis por anos, eu não me atrevia a adentrar naquela floresta. De repente o verde da floresta foi ficando azul, ou melhor, a mata dali transformou-se no lago e ficamos ihados, sendo a única parte de terra o lugar onde estávamos Que merda... O que está acontecendo? Ou estou doidão ou o rio transbordou... Isso é possível? Uma mulher ruiva emerge do rio com corpo de mulher e pernas de peixe, ou melhor uma cauda.... Isso é uma sereia? Disse franzindo o cenho. A mulher aparentemente não gostou E tens dúvida disso? Tudo bem... Mostrar-lhe-ei algo para comprovar-te... Ela fez aparecer no lago vários crocodilos famintos que cercaram nossos cavalos. Meu coração começou a bater mais rápido e eu a respirar ofegante Alicia... Eu te disse... Devíamos ter ficado na escola... Disse tenso e totalmente parado olhando para os crocodilos.

Yumi Kawasaki/16 anos
Fael e Rafa avançam para cima do urso, sorrio esperta os olhando. Estávamos em hora de morte e os escuto dizer que estavam entediados. Vocês tem uma ideia de tédio bem diferente das usuais... Falei os observando e estranhando suas reações. Com a minha katana mais as dos gêmeos,  conseguimos fazer um estrago legal no urso, mas não foi o suficiente para matá-lo. Droga. ..  Esse bicho não morre! Resmunguei batendo os braços no ar com as mãos em forma de punho. Do nada, três flechas acertam o urso e o faz rugir alto e depois cair. Olhei para trás de onde elas vieram e tive uma surpresa Brunna?! De onde surgiu?! Por causa da perfeita mira, achava qie tivesse sido a própria ruiva que tivesse feito isso Não importa...  Você disse que se fosse para atrapalhar era melhor que eu sumisse...  Pois agora estou aqui e ajudei   E eu percebi... C-como fez isso? Costumava caçar animais selvagens na floresta com meu pai. Pelo menos alguma coisa eu tenho que saber fazer né... Quem diria qie a patricinha saía para caçar  Legal... Diria até que estou impressionada... A vejo sorrir Êê! Mas não vou dizer. Ela fica triste.  Aah... O diretor e seus irmãos terminam com a ruiva e nos chamam. Assento com a cabeça e quando ela se aproxima, ponho rapidamente a mão em seu ombro e tiro, dando um leve sorriso Estou brincando, foi bem legal o que fez lá... Falo caminhando a seu lado. Ela sorri e diz Eu sei, né... rebato Só não se acha... Continuo caminhando e com a cabeça chamo os gêmeos, que logo se juntam à nós...  Rafa joga Fael em cima do meu cavalo defunto deixando-o sujo de sangue Liga não, faz parte da guerra. Disse indo em direção ao urso.

Ele diz que nunca viu Akita ferrar ninguém no colégio Isso mesmo, porque você nunca viu... Mas quando isso acontecer você não vai querer ver. Olha essa bruxa, por exemplo. Ele fica tirando onda de herói dizendo que quer matar a bruxa para “salvar a cidade” Disse debochando Mas quer saber a real história? A real é que a filha dela namorava ele. Ela deu um pé na bunda dele e ele ficou tão puto que quer matar a mãe dela e ainda levar todos vocês juntos, se ligou? Tudo isso é para ferrar com a ex-dele. Ele é um egoísta e só vai parar quando estiver debaixo do chão. Disse ainda em cima do cavalo.  Fico mais sério quando ele volta a falar do assunto de ser lobo. Diz que não se importa Quando começar a depender disso, vai se importar... E por favor, podemos parar de falar disso? Eu não gosto muito de falar sobre isso, tá?! Falei um pouco agitado. Logo a transformação começa Tarde demais... Viro desenho e fico me olhando Nunca vou deixar de achar isso sinistro... Então a índia chega, Fillip duvida de sua feminilidade É claro que é uma mulher, olha aqueles peitos! Disse apontando  E o que? Só porque luta bem? As pepecas mandam, meu bem. Disse e sorri, mas depois me estressei com os índios e virei lobisomem, vi Fillip lutar muito bem e sem piedade, lançando-me até mesmo um coração, o que fez meus sentidos aguçarem. Tive muito desejo de pegar, mas rebati e o coração, caiu no chão Não Fillip! Eu sou vegetariano! Só como de galinha agora... Fiquei ofegante tentado a comer aquilo, mas não peguei. Fillip desce da árvore e mesmo assim, ainda havia muitos índios  Fillip... Mesmo com suas habilidades de luta e eu sendo metade animal, não podemos acabar com todos eles... Disse novamente me aproximando do mesmo enquanto nos cercavam novamente O que vamos fazer? Perguntei olhando ao redor, aparentemente sem saída."
[/b][/b]

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Qua Mar 01, 2017 5:25 pm

Sacramento, Califórnia, séc.XXI
Turno Pt-2

 
Fritz Pryde Von Doom/17 anos/ “Herr DarkMaster”
Ao chegar em meu quarto, estava com tanta raiva que cheguei a sentir calor. Tirei minha camisa e me joguei na cama, me sentando.Fico pensativo com a mão no queixo, olhando o local, tentando arrumar uma maneira de afastar meu pai de Julieta. Eu percebi como ele estava impressionado com ela por ser um anjo... Mas isso é tão... ERRADO! O único com que ele deve se impressionar é comigo! Ah Julieta... Pondo o meu pai contra mim... Isso não vai ficar assim! Digo e esmurro a cômoda ao lado da cama. Saio do quarto quando ouço sua voz e entro novamente fechando a porta. Olho pelo olho-mágico e vejo o lacaio levá-la à um quarto. “Meu pai deve tê-la hospedado aqui...” Pensei ainda olhando por ali. Quando o mesmo vai embora saio do quarto e vou até o dela batendo na porta. Saio da frente do olho-mágico para que ela não me veja e então ela abre a porta, já entro agitado a empurrando e ela cai no chão. Volto à porta e a tranco. Vou até Julieta e de frente para ela, a puxo pelo cabelo fazendo-a levantar. Sua cabeça vai um pouco para trás, a empurro até a parede, colando nossos corpos, mas sem soltar seu cabelo, puxando para machucar. Em sua orelha sussurro Está tentanto me atingir em meu ponto mais fraco... É mais esperta do que pensei... Brincar com meu pai é covardia e também burrice... Está fazendo de mim seu inimigo número um... Dei um puxão para baixo e soltei, me afastando da mesma. Dou uma volta, suspirando e a olho Confesso que estou surpreso... Sabe, eu não sabia que você podia ser tão sarcástica. Essa era... A MINHA habilidade natural. Talvez tenha ficado tanto tempo comigo que absorveu isso direitinho. Disse ainda a olhando. Ponho os dedos na boca como se estivesse pensando e digo olhando para o teto Engraçado que... O que eu estava te ensinando era manejar os seus poderes, eu nem precisei te ensinar a ser do mal e olhe só... Você está quase me superando! Abro os braços ainda a olhando e como eu estava um pouco agitado, meu foco mudava o tempo todo. Meus olhos encontraram o espelho do quarto e com toda aquela agitação tinha até esquecido que estava sem camisa. Vejo a mim no espelho, minha barriga tanquinho com algumas cicatrizes. Isso me faz dispersar um pouco, mas quando a percebo de aproximar, volto a falar a olhando Eu sinceramente não sei o que está tentando fazer... Se é para se vingar de mim ou tentar me consquistar... Só vou me adiantar e falar que nenhuma dessas coisas vai adiantar! Está brincando com o fogo e vai se queimar! Esses seus poderes de cura aí não serão capazes de te curar. Acho melhor você se afastar e me dizer quais as suas reais intenções com meu pai, ou acabo com você agora mesmo... Falo apontando para ela, a encarando e depois cruzo os braços movimentando minhas pernas. Eu estava bem diferente de como o costume, não parava quieto no lugar nem estava expressivamente sarcástico.
Doutor Brad Oux/26 anos
Escuto Lucas dizer que pode controlar Luka Ótimo então o controle... E não o deixe me dominar! Ele está esperto... Ele me fala para não ficar assustado e então digo Eu vi coisas feias nessa vida bem antes de você nascer, meu jovem... E eu pude ver um pouco enquanto seu pai tomava a frente... Sei mais ou menos com o que estamos lidando. Disse o olhando. Nos aproximamos de Aysha para entrarmos nela. Eu realmente não queria fazer aquilo de novo, mas se era preciso... Então Lucas diz que precisa de mim vivo É... Eu também. Além de Brandon e mais seis pessoas com cirurgias para fazer na semana que vem. Disse irônico, lançando-lhe um olhar mais aguçado. Olhei para as meninas assentindo com a cabeça. Via como Emily parecia preocupada comigo. Sorri para ela Vai ficar tudo bem pisquei para a mesma. Lucas pede para Heisel e uma tal de Gabrielle cuidarem deles Acho que a melhor maneira é se passando de enfermeiros. Eles são muito novos e por terem nascidos pré-maturos talvez fiquem na incubadora. O hospital não vão deixar que fiquem por perto. Mas podemos arranjar trajes para eles. Disse Kim nos olhando séria. Ótimo. Poderia organizar isso o mais rápido possível? Vou falar com Alanis, ela é a chefe dos enfermeiros. Só preciso de uma boa desculpa... Relaxa Lucas, vou ficar de olho nos bebês. Só salve María que eu e Gabie controlamos seus filhos. Disse Heisel, cruzando os braços no final. Lucas pergunta se estou pronto e respondo que sim, assentindo com a cabeça. Consigo entrar em seu corpo e me separar de Luka lá dentro, vendo o mesmo ao meu lado Olá Brad... Ele diz sarcástico me olhando com um sorriso de canto. O olho de lado e viro o rosto meio indignado Olha só Lucas, disse que ia controlá-lo! Disse olhando para Lucas e cruzando os braços um pouco nervoso e sem parar de mexer a perna. O lugar era bem sombrio havia um som de pessoas gritando, como se estivessem sendo torturadas. Então isso é o inferno? Até que a decoração não é tão ruim... Disse olhando lugar.
 
De repente uma das vozes gritantes que ouvimos parecia ser de Aysha. Seguimos sua voz então até encontrá-la. No caminho, Luka não perde tempo para me atazanar Então Brad... Quem diria... Nós dois correndo juntos lado a lado... Devia me soltar mais vezes... Cala a boca... Disse ainda correndo. O som nos levou a uma porta que Lucas abriu e viu um homem torturando uma garota. Olhamos bem para perceber que era Aysha, pois em seu rosto havia tanto sangue que era difícil reconhecer. Dois jovens vem para cima de nós, olho para Luka que é rapidamente sugado para dentro de mim, mas não queria liberá-lo, não queria deixar que ele se apossasse de mim outra vez, então tentei usar os poderes na cara dura. Os demônios nos pegam pelo pescoço e me dariam uma facada, mas Lucas entra na frente...
Hospital: Quando Brad entra no corpo de Aysha, seu corpo cai perdendo os batimentos como sempre. Era estranho como Lucas fazendo o mesmo processo continuava vivo, mas o Doutor não. Levamos seu corpo para uma banheira cheia de gelo para conservá-lo. Tudo secreto já que ninguém podia saber. Pedimos aos outros médios que nos deixassem à sós na sala.
Eu não acredito que estamos fazendo isso... É horrível... Também não gosto Emily, mas meio que estou me acostumando... Disse pondo mais gelo na banheira. Só irei me acostumar quando sairmos todos dessa... Voltamos à sala cirúrgica e já tínhamos mandado chamar a enfermeira. Lucas começa a sangrar, no braço e perna Droga! Estão o machucando! Disse o loiro agitado. Se ele continuar levando essas facadas vai sangrar até morrer! Tenha um pouco de fé, Emily... Disse e peguei alguns esterilizadores simples para os machucados de Lucas.
Inferno: Lucas pede para que eu libere seu pai. Mordo o lábio pensando na ideia. Ele me manda ir atrás de Aysha, suspiro e assento com a cabeça. Okay, você venceu, Luka... Vamos lá. Então o liberei, gritei pela dor que aquilo causava e caí de joelhos. Os chifres foram saindo, as presas também e os olhos ficaram brancos. Já não me controlava mais.
Luka narrando: Me levantei já possuindo o corpo de Brad e lutei com o Diabo, afastando-o de Aysha. Olhei para Lucas, mas ele estava ocupado com os outros dois. O vejo cair no chão, me distraio e o Diabo me faz voar para longe, fazendo quebrar a parede da sala e das várias outras naquele corredor.
Hospital: Lucas cai no chão e volta ao seu corpo no hospital. Agachamos até o mesmo Menino, isso é ariscasdo demais! Talvez seja melhor parar por aqui. Eu entendo que queira salvá-la, mas se continuar fazendo isso vai acabar perdendo a si mesmo. Se Aysha morrer, eles ainda terão você. Se você se for, quem irá controlá-los? Disse o olhando ainda agachada enquanto Emily examinava seus batimentos cardíacos com um estetoscópio. Era necessário sempre preparar o paciente para o pior. Mas Lucas estava disposto a fazer mais para trazê-la de volta. Fui pegar um copo d’água para o mesmo e o loiro ajuda-o a levantar. Dou-lhe a água o que o faz parar de tossir. Suspiramos ao ouvirmos dizer que aquilo estava estressando-o. Outra garota então entra na sala Meu Deus, quem está fazendo a segurança daqui hoje?! Ela e Lucas se entreolham, logo a mesma parecia estar disposta a ajudar também. Olho para Emily que também olha para mim, o loiro por fim nos explica Calma, ela é um demônio também... Nos olhamos fazendo um “Ah, tá explicado...” E a ruiva pergunta ao outro pelo o que ele está esperando Não, não, não... Não pode tocar na paciente com esses germes... Emily, faça as honras... E assim Emily a leva para trocar de roupa e fazer a assepxia correta antes de vir e se juntar a Lucas para entrarem novamente em Aysha Lucas, você tem certeza que quer entrar de novo? Perguntou Emily preocupada, mas ele resistia e entrou com a outra. Logo a enfermeira entra na sala Mandaram me chamar? Ela pergunta e olha para o loiro , levando um susto. Vê  Lucas e a ruiva com as mãos na paciente e fica apavorada O que eles estão fazendo aqui?! Onde está o Doutor Brad?! Alanis, calma... Vamos te explicar... Nem precisam... Estão mancomunadas com estes mutantes! Eles quase destruíram o berçário! Olhe só, estamos num caso de vida ou morte aqui. E não é só da paciente, é um caos global. Esses gêmeos não são normais e o único que pode controla-los agora é este menino. Precisa ajudar este garoto à ficar de olho neles... E como quer que eu faça isso? Faça dele um enfermeiro Eu não acredito no que está acontecendo... Se passar por um médico é crime! Sabiam disso? Vocês podem ser minhas superioras mas não irei fazer nada que me leve à cadeia! Se passar por um médico pode até ser crime, mas se passar por enfermeiro não. Prefere cuidar deles sozinha, então? Vai ajudá-lo ou prefere encarar o caso? Fica a seu critério, Alanis... O loiro vai até ela Ei... Eu só preciso das roupas... Se me pegarem digo que eu roubei... Não vou deixar que leve a culpa, prometo... Ele disse a olhando então eles saíram juntos, com Heisel segurando o bebê.
Inferno: Por conta da força do golpe que o Diabo me deu, demorei a voltar para aquela sala e quando voltei fiquei parado apenas olhando-o continuar o que fazia com ela. Mas não porque não sabia o que fazer e sim porque eu estava instável. Brad estava tentando voltar e eu estava fraco para seguir Não, Brad! Você não vai conseguir derrotá-lo! “Está mais fraco que eu, Luka! Deixe-me tentar...” Ele em minha mente Não! Nego ferozmente até levar um tapa na cabeça. Me viro devagar Está batendo em mim? Não sou Brad, Lucas, sou seu pai. Bate em mim de novo e não precisará se preocupar com eles... apontei para os meus netos que queriam mata-los. Pois eu mesmo te mato. Conclui a frase. Vamos até o Diabo, Lucas bate no mesmo que por estar distraído vai para longe. Ele poderia ter revidado e nos parado há muito tempo se quisesse, mas era como se ele precisasse terminar aquela “sessão” com a menina, ele estava extremamente concentrado e não parava mesmo nos vendo ali. Quando Lucas o afastou, gritei Pegue ela, filho, deixa isso aqui comigo... Fui para cima do rei, Lucas consegue tirá-la e se afastar. O rei me encurrá-la na parede e põe a mão em minha testa, provocando uma energia que me sugava a força e então gritei Filho! Precisa liberar seu demônio!! Faça isso e vá para longe daqui Lucas, agora!
 Ele põe mais força ali e faz o meu sistema parar, caio no chão desacordado.
Diabo narrando:
Vou até Lucas sorrindo vendo sua tentativa ridícula e falhar de salvar Aysha acabar quando me aproximo deles e passo em sua frente. Sorrio, balançando a cabeça negativamente Você realmente... Achou que entraria aqui em MEU reino... E conseguiria sair desta fácil? Me agachei e o levantei, deixando-o de pé, segurando seu queixo Lá na Terra você pode ser um demônio poderoso... Mas aqui embaixo é só mais um dos que eu criei... Disse olhando-o em seus olhos e então sou afastado do garoto pelo outro Sinceramente, já estou ficando cansado de você! Abaixo a mão para invocar os demônios dali do inferno e eles começam a brotar do chão quando ele fala o nome do santíssimo Cristo! Aaahh!! Viro o rosto com uma sensação de queimação, Lucas joga Aysha para ele e o mesmo sai rápido dali. Solto um rangido de raiva e pego uma faca para matar Lucas Só vai doer um pouquinho... E depois um pouco mais.. Disse enquanto ele segurava meu braço, o moleque era forte para um demônio jovem, mas consigo esfaqueá-lo, deixando-o desacordado. Dou um chute em sua cabeça com um sorriso curto e maligno em meu rosto. Volto-me então para a pauta principal. Me concentro novamente invocando a horda de demônios do inferno. Peguem a garota de volta... E prendam aquele demônio de quinta!
 
Os demônio se materializam e pegam espadas e assim começam a caçá-los pelo inferno, mas só quando eles estão na linha entre o Inferno e a saída para a vida terrena, é que consegue encontrá-lo. Vários demônios de milhões de anos, foram para cima dele, dando-lhe murros e outras coisas.
 Pegaram Aysha e a levaram para outro lugar. Saí dali e fui para o meu trono, onde chamei os cavaleiros do inferno. Aquela palhaçada tinha que acabar.
 
Prezados... É o seguinte.... Eu estou muito, muito desapontado com a segurança de vocês... Disse calmo com as mãos para trás. Parece ser verdade o que dizem... Estão deixando qualquer um entrar no inferno hoje em dia. Acham que isso está bonito? Veja o que farei com o amiguinho de vocês... Olhei para um deles e matei apenas com o olhar. Os cavaleiros do inferno são demônios muito fortes criados por mim para destruir o que encontram pela frente. São os superiores de todos os outros demônios e não são destruídos facilmente, a não ser pela Primeira Espada, ou por mim, claro. Eles ficaram sérios e então eu chamei Abaddon... Tem uma delas aqui acabando com Guerra e Fome! Dê um trato nela ou eu darei em você. Disse a olhando. Ela concordou e foi até a ruiva enxerida. À vocês outros... Eu quero que protejam as fronteiras e quando Tyler voltar novamente... Tragam-no até mim! Ordenei e depois, um dos demônios veio me chamar para ver o pai de Lucas. Me deram a ficha completa dele. E então eu olho por dentro de sua cela
 
Ora, ora ora... Um demônio no inferno... Devia ser normal, não é mesmo? Seria se ele não estivesse PRESO! Pelo que estão fazendo, só posso crer que ficaram doidos! Estão tentando se opor à mim?! Logo eu... Que criei vocês... Estou realmente muito, ou melhor, EXTREMAMENTE desapontado. Disse o olhando cínico
 
Sabe como é... Nós criações, nunca sabemos reconhecer nada... Luka... Você era um exemplo de demônio! Até pouco tempo achei que seria líder de um dos meus exércitos! Como pode agora estar ajudando a eles?! Eu também achava... Mas à medida que ficamos mais maduros, nossos planos mudam, não é mesmo? Porque não continuamos essa conversa aí fora?! O mesmo me devolve o sorriso dando a sugestão
 Hahaha! Faz-me rir! Se depender de mim, vais apodrecer nesta cela. Você e o seu filho... Deixe Lucas em paz! Ele diz batendo na grade Sabe de uma coisa, eu sei o que te afrouxou... Você não está sozinho... Se sacrificou para ressucitar aquele médico e deu para ele a vida que podia ser sua... Não seria justo de minha parte, fazer você pagar tudo sozinho, não é mesmo? Estalo os dedos e os separo, deixando os dois juntos na cela.
 
Sorrio no final Isso... Agora sim! Bem rapazes, agora que estão separados como deveriam, vou explicar para você mais ou menos como funciona esse sistema. Com a correria não pude apresentar as devidas formalidades. Sejam bem-vindos ao inferno, que é para onde se vem caso tenha feito algo muito ruim ou operado em meu nome quando em vida. Temos tortura no café-da-manhã, almoço e jantar. Brunch e lanche incluídos. Está vendo este rosto aqui?! Antes que achem que somos íntimos, diferente de vocês eu tenho inúmeras facetas. Nunca verão a minha de verdade. Mas onde eu estava? Ah, sim... Aproveitem a estadia!
Disse, juntando as mãos no final e soltando uma risada maligna  Hahahahaha! Saí dali deixando-os sob vigilância de dois cavaleiros.
Brad narrando: Luka! E agora, o que faremos? Eu não sei por quanto tempo meu corpo conseguirá ficar sem alma... Acho melhor aguentar bastante... Pois não sairemos daqui tão cedo... Ele me diz segurando nas barras.
Hospital: Lucas acorda e o ajudamos a levantar Meu Deus, você está pondo muito sangue para fora! Precisa parar Lucas... Não... Onde está Brad? Porque ele não volta como você faz? Está tudo bem com Brad! Me ajude a chegar até Aysha! Como ainda se dispõe a entrar lá com esses ferimentos? Vai acabar se matando e  levando ela e o Doutor junto! O repreendi séria. Começo a pensar que já interferimos demais! Uma hora ela irá acordar. Senão... Não era para ser, aceite isso Lucas! Não! Bufo séria e então digo   Deixe-me apenas fazer outro curativo em seu estômago... Enquanto trabalha em Lucas, vou ver como Brad está. Pressiono com força o pano ali. Estava saindo muito sangue e era difícil estancar. Passada a hemorragia, ponho gaze para evitar os micróbios. Pronto... Acho que isso vai ajudar um pouco já que vai voltar... Mas Lucas, falo sério... Se tomar outra facada aí ou em qualquer lugar, vai se dar muito mal... Está perdendo litros de sangue. Vocês humanos podem ser poderosos mas são compostos pela mesma coisa que nós humanos. O que nos mata, te mata também... Não se preocupe... Não posso morrer Ele disse sem preocupação. Suspiro  Mas pode ficar doente! Ou fraco, sei lá... De repente Emily dá um grito AAAAAH!!!! O que aconteceu?! Pergunto preocupada enquanto ela vem já derramando algumas lágrimas Brad... Ele está com duas marcas nas mãos... Eu acho que ele está sendo torturado! Ela põe a mão na testa e sinto meu coração gelar quando ela fala isso. Brad poderia morrer ali. Olho para Lucas que se levanta e o ajudamos a voltar para Aysha Cuidado... Digo quando ele põe a mão. O mesmo assente e entra novamente na garota. Olhamos para o monitor que mostrava baixa frequência cardíaca.
Aquela noite estava durando uma eternidade, ao olhar o relógio vejo que ele marca apenas meia-noite.
Inferno:
Cain narrando:
 Quando Lucas chegou, homens com cavalos em forma de espíritos o esperavam em todos os lugares do recinto. Mal pode se mover, foi posto no meio entre várias espadas. Eles iriam matá-lo quando faço um sinal de pare com a mão de olhos fechados. Olho o mesmo e falo
 Você não se cansa mesmo de fugir... Nem na terra, nem no Inferno. Renda-se, meu filho. Já tentei viver como você e acredite eu me dei muito mal, veja onde estou... Me chamo Cain, já deves ter ouvido falar de mim. Se não quiser acabar como eu, pare imediatamente e volte à Terra. Não há nada mais que possa fazer por ela... Disse o olhando, ainda apontando minha espada para o mesmo.
Aysha Striker/16 anos
Depois de tantas barrinhas enfiadas, eu parecia uma zumbi sem forças para fazer absolutamente nada, só gritar quando ele as perfurava. Ainda faltavam 3 espaços na coroa para completar quando Lucas chegou com Brad e Luka. Eu nem reagi. O vi lutar com os gêmeos, o via apanhar enquanto era torturada  Aaaahh!!
Satã não parava com aquilo mesmo com eles ali. Luka é sugado para dentro de Brad que também ataca o Diabo, mas este consegue mandá-lo para longe.  É Aysha... Seus amigos estão agitados hoje... Disse ele sem parar o procedimento. Então quando penso que está tudo perdido, Lucas consegue afastá-lo de mim e com a ajuda de Brad, consegue mantê-lo longe por tempo suficiente para retirar as barras e quebrar a coroa. Quando ele me soltou, meu corpo simplesmente caiu e ele me pegou, me levando para longe. O escuto me chamar de meu amor, mas não tinha mais força para fazer nada. E ele também estava fraco... O maligno se aproxima, mesmo com as intervenções de Brad ele consegue alcançar Lucas que me joga para Brad e briga com o Diabo. Que lhe mete uma faca. Eu vi aquilo mas não pude fazer nada, saí voando com Brad ou Luka, não tinha certeza e apenas derramei uma lágrima involuntariamente. Brad estava indo bem, chegando perto da saída então finalmente achei que acabaria, ou melhor, tinha dúvidas já que na outra vez ele conseguiu me achar, mas agora eu faria de tudo para acordar lá fora, só que eu e Brad não conseguimos chegar lá... O Diabo invocou das profundezas do inferno, almas
 
- que estavam transformadas já em demônios - nos capturarem e então surraram Brad e o levaram para longe dali, não sei para onde e eu fui para um quarto onde acabei desmaiando em cima da cama.
 
Quando acordo, estava bem de novo. Não tinha mais sangue em mim e eu tinha forças para levantar. Me ergui um pouco na cama para me olhar, e quando viro este olhar para o lado, ele estava lá... Engulo seco, arregalando os olhos  Calma! Calma... Eu não irei te machucar... Não mais pelo menos. Ele disse sentado O que aconteceu? Onde está Lucas?! Perguntei irritada me sentando Eu te curei. Afinal eu já fui um anjo, correto? Ainda tenho os poderes de cura.E sobre seu namorado, não sei onde ele está... Porque fez isso?  Perguntei Por que já fiz contigo tudo o que precisava fazer. Agora preciso de você forte para cuidar dos garotos Eu NUNCA vou fazer o que está me pedindo. Eu prefiro MORRER do que criar os seus filhos para você! O tratamento deu mais certo do que imagina. Você está me desafiando. Reviro os olhosEu NUNCA vou fazer o que está me pedindo. Eu prefiro MORRER do que criar os seus filhos para você! Disse me esgueirando e aproximando meu rosto com o do mesmo ainda sentada. Ele sorri Você é linda... Se pudesse, eu mesmo os geraria em você... Mas esse acordo não depende só de mim... Ele disse passando a mão em meu rosto Eu NUNCA faria com você Disse virando meu rosto para baixo Hahaha. Fala como se isso fosse me impedir. Aysha... De repente me passou uma ideia... Porque não ficas aqui comigo, governando e regulando as regras deste mundo?(espiritual no caso) O que? Não está me perguntando isso... Há muito tempo procuro uma rainha... Você pode ser a minha... Meu coração acelera e meus olhos se abrem um pouco mais que o normal o olhando. O empuro fazendo cair da cadeira e saio a correr pelo Inferno.
Posso escutá-lo em minha mente Pobrezinha... Pensas que podes fugir de mim. Nós estamos ligados Aysha... Ligados pelo nossos filhos. Quem você acha que te hipnotizou na noite em que convenceu Lucas a copular contigo? Fui eu... Eu que estava lá... Como um anjinho em teu ombro, ou talvez o diabinho hahahah Este lugar é inteiramente meu, não há lugar aqui que eu não possa te achar... Mas veja pelo lado bom... Pode ser teu também se quiser Sai... Da minha... CABEÇA! Grito batendo na minha cabeça, ouvindo sua voz enquanto corro. Chego numa determinada parte onde vejo homens montados em espíritos de cavalos negros com olhos vermelhos.
E eles tinham espadas apontadas... Apontadas para... Lucas! Gritei o olhando e respirando ofegante. Ele estava preso, não podia sair. Respirei fundo e tentei avançar contra os homens, mas Satanás apareceu do nada e segurou meu braço Onde pensa que vai?! Solta o meu braço! Torno meu braço invisível e assim ele sai das mãos do outro, tento ir à Lucas de novo, ele fala parado no mesmo lugar Pode tentar correr para salvá-lo. Mas estes homens farão o que eu mandar. Eles podem matá-lo no próximo passo que der Aysha. Só uma pessoa poderia vetar a minha ordem... E você sabe quem seria... Ele disse com um sorriso maligno e eu continuo de costas para o mesmo olhando para Lucas, sem saber o que fazer.
Inferno
Abaddon/Cavaleira do Inferno
Depois que o rei me manda acabar com a ruiva, vou diretamente até a mesma. Ela estava pau-a-pau com os gêmeos. Chego na cena e digo Guerra! Fome! Esqueçam a ruiva, vocês têm um trabalho para fazer na Terra agora. Entrem na posição a qual lhes cabe. Os meninos se afastam dela e fecham os olhos, ergendo a cabeça olhando para cima, sumindo dali. Olho para ela com um sorriso Olá, Gabrielle... Me chamo Abbaddon. Grave este nome... Pois será o último que ouvirá em sua vida. Sorri e partimos para a briga. Comecei com os socos, ela usou seus poderes então usei os meus.
 
Comecei a enforca-la apenas com as mãos quando sua imagem começa a falhar no lugar.  Assim ela aparece e desaparece por segundos, quabrando meu efeito sobre ela, me forçando a recomeçar toda vez que volta. Franzi o cenho estranhando O que está fazendo?! Perguntei sem muita paciência ainda a enforcando.
Myusha Strieker/20 anos
Sento com a ruiva e cruzo os braços assistindo TV. Tento engatar uma conversa com ela, mas ela acaba saindo Nossa, esse povo é chato hein... Deve ser de família. Falei revirando os olhos. Começo a ouvir uma algazarra da parte de fora de onde eu estava no hospital Mas que porra é essa? Disse já me levantando e indo olhar. Soltei uma risada abafada quando vi que era um barraco familiar. Com ninguém mais, ninguém menos que Sam Braydon e cia. Cruzei os braços os olhando. Um jovenzinho ruivo e até fofo puxando Ronaldo para fora. EI, EI EI! Chamei a atenção deles Desculpe interromper a briguinha de vocês, mas isso é uma ala hospitalar e não a casa de vocês! Poderiam falar mais baixo?! Ou quem sabe resolver em outro lugar?! Que falta de educação... Depois diz que pobre que é bagunceiro. Falo olhando para os outros que estavam aqui. Me aproximo de Sam e digo Não se passou nem uma hora hein... Arqueio a sobrancelha o olhando com um sorriso e volto a olhar Ronaldo e o ruivo.
                                                       
Saí da sala médica com a enfermeira que anda na minha frente sem olhar para trás. Um outro enfermeiro pega Heisel Júnior e o leva para o berçário. Cuida bem dele... _Pode deixar. Diz o homem sorrindo e o levando. Sorrio fechado e ela me chama sério, já andando Vamos! Somente a sigo indo até uma sala do almoxarifado. Ela me manda entrar primeiro e pega a chave do bolso. Entra, olha aos lados e tranca a porta. Vai até um armário de ferro, o abre com a mesma chave e pega uma roupa de enfermeiro para mim que estava dentro de um saco Toma!  Ela joga e eu agarro num relance rápido Obrigado... Digo a olhando. Fico parado ali meio tímido. Não era um espaço grande e eu precisava me trocar. Não vai vestir? Adianta, se nos pegarem aqui, posso perder meu emprego! Err... Se incomodaria de virar de costas? Está com vergonha de mim? Sou uma enfermeira, não há nada que tenha que eu já não tenha visto. Olhei para ela com um sorriso. Ela era mais velha que eu mas parecia ser bem jovem para uma médica. Devia ter mais ou menos a idade de Brad  Olha só, eu acredito em você mas... Prefiro que se vire... Ahh só veste logo... Disse ela se virando. Soltei uma risada baixa, vestindo a roupa. Ela tinha uma bunda que só... Terminou? E estava bem agitada Quase... Tirei o celular do bolso e tirei uma foto dela de costas. Guardei na calça e então falei  Terminei! Ela se vira e tranca o armário, pegando guardando minhas roupas lá. Tinha um pequeno espelho no alto, onde me olhei depois de vestido Olha só... Pareço até gente! Heisel, o enfermeiro. Heheheh Disse brincando. Ela me vê pelo reflexo do espelho Espera... Olha para mim...  Me viro a olhando, ela se aproxima e fica me encarando Tem algo errado? Sim... Você é muito novo, eles irão desconfiar... Ainda mais com esse seu estilo punk e esse cabelo pintado. O que? Médicos não pintam cabelo? Geralmente pessoas da área de saúde não fazem essas coisas doidas. Deixa eu te ajeitar... Ela se aproxima e fica na ponta do pé para arrumar meu cabelo, passando um gel ou sei lá o que, assim consigo ter uma visão panorâmica de seus peitões meu Deus, que vontade de apertar...  Err... Acho que consigo me virar daqui. Disse a afastando Espera, já estou quase acabando... Não... Está incrível! Disse abrindo bem os olhos, sorrindo e afastando Qual o seu proble... Ela interrompeu sua própria pergunta olhando para a minha parte de baixo. Já entendi... Minhas bochechas ficaram vermelhas por causa da vergonha. Na verdade o rosto inteiro ficou um pimentão É o seguinte... Se perguntarem sobre você, apenas diga que é meu estagiário.  Estagiário, entendi. Disse afirmando com a  cabeça e ebtão ela me manda sair primeiro de novo e daí tranca a porta. Tento me socializar O seu nome é Alanis né... Sem conversa!  Uau... Vejo que está muito grata por eu ter te salvado Ele se vira me forçando a parar Não se trata de ter me salvado, se trata de ser um mutante! Shhh!!! Fecho o cenho, fazendo com as mãos um sinal de “fale baixo”. Desculpe. Mas essa é a questão, eu vi o que fizeram com o Sargento Gölzer, ele era um exemplo nesta cidade e olhe onde ele está agora! Vocês acabaram com a vida dele por ele ter dado à vocês um abrigo! Me desculpe, mas eu não quero acabar assim! Ela voltou a andar e eu me aproximei do seu lado O que aconteceu com ele não foi culpa nossa... Ah, claro que não! Os ataques vieram do outro lado por ocultação de informações! E vocês eram as informações ocultas. Nunca se passou na cabeça de vocês que podiam destruir a carreira de um homem inocente? Chegamos no berçário e ela vai até os bebês. A sigo Ele não é tão inocente quanto pensa! Mas que hipócrita! Está utilizando do mesmo argumento que os coronéis da outra base para incriminá-lo! O homem que te cedeu um lar... Estou dizendo isso por que o conheço! Ela pega uma espécie de carrinho para transportar os bebês e os põe ali dentro Só porque ele ajudou vocês, não quer dizer que o conheçam!  Frank Gölzer é o meu tio! Disse sério a olhando e então ela parou o que fazia, me olhando também Eu não queria que ele fosse deposto. Você está chateada porque o seu exemplo de pessoa está sendo julgada, imagina para alguém que é da família dele! Disse e então me afastei indo à porta. Ela ficou em silêncio e veio com o carrinho até mim e sem parar foi até à sala das incubadoras. Pomos os dois bebês lá e então ficamos os observando. Ela tenta um papo, mas sem tirar os olhos dos bebês Olha só... É verdade mesmo que ele é o seu tio?  Posso comprovar se quiser... Falei também os olhando Não precisa... Por que eles perseguem vocês? Não são ameaçadores como dizem... Eu também não sei... Não Somos tão diferentes... A olhei e ela olha para mim também. Estávamos perto um do outro Na verdade somos iguais à vocês... Mas com algumas habilidades a mais Dei de ombros e ela sorriu Sim... Sim... O que? Perguntei sem entender, sorrindo fraco Me chamo Alanis  Confirmou seu nome e eu sorri O meu é Heisel Heisel... É alemão não é? O sargento Gölzer é alemão também... Eu tenho ascendência de lá, pelo sobrenome, Wagner. O outro é português.  Pis é, a minha mãe é de lá, mas eu sou daqui mesmo, nasci em Los Angeles. Legal a terra da fama... Seus olhos são muito bonitos... Ela disse os olhando Os seus também... Mas ei, isso é para se desculpar pela grosseria? Disse e sorri e a mesma faz o mesmo quando escuto um barulhinho de vidro rachando. Olho para a incubadora dos bebês e vejo o vidro se partindo, a afastei com a mão, levando-a para longe e o vidro explode.
 
 Nos agachamos e depois ela se levanta com o choro dos bebês, mas eu puxo seu pulso Heisel, eles estão chorando!  Espere um pouco... O choro dos bebês faz as outras incubadoras racharem. Ela se solta de mim e vai até eles, quando vejo os vidros quase se explodindo, corro para cima dela Alanis, cuidado! a agarro pela cintura, a segurando e fazendo-a cair em cima de mim e assim todos os vidros da sala explodem. Fechamos os olhos e depois abrimos. Ela se levanta desesperada As incubadoras... Os bebês irão morrer!
 
Calma, calma! Só temos o que... Hmm... 9 bebês contando com os gêmeos. Podemos usar o carrinho e levá-los para outro lugar... Tem outra sala dessa aqui, não tem? Sim, mas não sei se está disponível... Eu vou ligar para os outros enfermeiros... Ela vai até o telefone que era próxima à maquina(gerador) que alimentava as incubadoras Alanis tenha cuidado... Os gêmeos continuavam chorando sem parar e eu tentava acalmá-los sem sucesso. De repente ocorreu um blackout e o hospital inteiro apagou. Alô? Droga! Só faltava essa agora... Ela diz tentando novamente no telefone. A luz volta ela tenta novamente e então percebo uma faísca no gerador. Cuidado! Chego até a mesma Você precisa sair da sala agora e levar os outros bebês juntos com você! Heisel, só me deixa falar com os enfermeiros, já tá chamando!  O gerador pipoca, a empurro para longe e ele explode, me fazendo voar até a parede e inicia-se um pequeno incêndio. Ela corre até mim Você está bem? Leve os outros bebês... Disse ainda meio tonto, prontamente ela os pega e vai colocando no carrinho, era grande e cabia todos. Ela pôs o carro no lado de fora e eu a ajudei a pegá-los. Ela tinha uma excelente habilidade em pegar os bebês, pegava dois de uma vez só e eu malmente sabia carregar um. Quando faltava apenas um bebê, a porta trancou. Droga! Falo puxando a porta, mas não abre. Tento arrombar mas também não vai Porque eles fazem isso? Por que eles são do mal! Disse e segurei na maçaneta a derretendo e assim fazendo a porta abrir Vá, eu cuido deles! Mas Heisel... Ela diz saindo na sala e pondo o último bebê no carro Vai ficar tudo bem, relaxa... Nesse instante a porta se trancou sozinha novamente. Ela bate na porta Heisel! Heisel! As lâmpadas estouram, a sala fica escura e o fogo se alastra, queimando a sala inteira.
Alanis Wagner Silveria/25 anos/Enfermeira
Canso-me de bater na porta, mas Heisel não responde mais. Corro com o carrinho até a outra sala incubadora Por favor alguém me ajude! Disse chegando lá e então os enfermeiros me ajudam a colocar os bebês em ordem e dentro dos recipientes como estavam na outra sala, explico para eles que a queda de energia deu pane no gerador, mas que eu já tinha chamado uma pessoa para consertar, o que era uma mentira. Deixando os bebês ali eu corro para a sala de cirurgia do Doutor Brad que ainda não estava lá. Kim! Emily! Os bebês estão destruíndo com a sala das incubadoras! Estão incontroláveis e se continuarem assim irão destruir o hospital inteiro! Onde está o loiro que te acompanhou? Se não estiver morto, está na sala com eles! Talvez seja melhor chamarmos Lucas...  A loira ia cutucá-lo, quando a asiática impede o movimento de seu braço Não Emily! Ele é a única chance do Doutor sair de lá! Antes de Lucas entrar ele disse que o loiro e essa ruiva iriam cuidar dos bebês. Vamos chamar ela.


Última edição por @Parisse em Qua Mar 01, 2017 6:59 pm, editado 1 vez(es)

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  Donafofis em Qua Mar 01, 2017 5:32 pm

Oi

Donafofis

Feminino
Número de Mensagens : 3
Idade : 17
Localização : Lisboa
Pontos : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 01/03/2017

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  Donafofis em Sex Mar 03, 2017 8:13 pm

Século XXI


Quando entrei dentro de Aysha novamente já fui recebido com vários demônios, resmunguei olhando os demônios me cercando com espadas, Aah.. Que merda! Pensei revirando os olhos estressado, então prontos para me matar eles param, eles não me matam, vejo o cara que me esfaqueou, mas que cínico, ele quase me matou e agora quer me ajudar?! Afinei os olhos escutando o que dizia e acabei debochando do mesmo.. Nossa! Parece muito bem! Mandando em todos aqui! Vai ser uma honra ser igual a você! Um completo idiota! Que machuca pessoas que não tem nada a ver com a gente, nós! Demônios! Disse então eles aproximam a espada um pouco mais perto de min, engoli seco com um pouco de medo, o olhei fixamente quando escuto seu nome.. Cain é!? Foi vocês que fizeram essa palhaçada comigo!? Você quem me deu esse monstro!? Qual o seu problema!? Gritei batendo a mão em uma das espadas que apontavam para meu corpo, serrei os dentes até escutar uma voz conhecida, sorri vendo Aysha... Aysha! Disse animado até ver a guria, arqueei uma sombrancelha confuso de ver sua aparência.. Aysha? Disse a olhando de baixo a cima, ela estava, vamos ver, a última vez que a vi sua cara tava cheia de sangue, eu corpo ferido, toda regaçado, e agora ela está normal? Você está... Bem! Disse meio confuso, então as feridas do meu corpo fora da mente de Aysha cicatrizam, quando ela tenta vir em minha direção o cara a segura pelo braço, nesse mesmo instante ela fica invisível balanço a cabeça negativamente.. Depois de tudo o que fizeram!? Não toca nela desgraçado! Gritei irritado empurrando um dos demônios que me cercavam deixando eles mais atentos aos meus movimentos, mas mesmo assim, se o cara não desse ordem eles não iriam se mexer, quando escutei ele falar para Aysha escolher.. Sai daqui sua retardada! O que está esperando!? Um convite formal!? Cai fora! Eu vou ficar bem! Eu acho.. Anda Aysha! Pode correr! Falava enquanto o tom de voz vai diminuindo quando olhava ao meu redor, sentia que ela se afastava, quando percebi que ela não estava mais ali, sinto Gabie lutar de longe, ela realmente estava se esforçando, e isso estava me deixando... Orgulhoso, eu nunca tinha percebido como ela era bonita, tá, ela tinha uma beleza totalmente diferente de Aysha, mas seu jeito eu apreciava, ainda sorrindo pisco para Cain, fecho os olhos e sai de Aysha, quando volto a sala de cirurgia eles estavam um pouco agitado correndo indo aos lados preocupados, arqueei um sombrancelha e coloquei a mão no ombro de Gabie ela parecia estar bem agitada, também, uma garota lutando contra dois demônios não é para qualquer um, ela sai do corpo de Aysha e me olha, sorri e disse.. Preciso que ache meu pai, tenta entrar em Aysha em uma das alas onde ninguém vai! Meu pai e Brad estão presos em algum lugar! Precisa descobrir aonde! Bom, eu acho que estão! Meu pai não deixaria eles ganhar assim!  Ele estaria lutando comigo, mas ele não está lá! Vou morrer se tentar enfrentar todos sozinho.. Ah! Gabie! Obrigado por me ajudar.. Gabie balança a cabeça positivamente sorrindo fraco e entra em Aysha, fiquei a fitando de longe vendo ela se esforçar, fui andando até as enfermeiras enquanto tirava os curativos que fizeram em min.. Aysha está curada... Tanto por fora quanto por dentro, ela não tinha nenhum machucado quando a vi, ela está fora de risco então vocês... Estava falando quando vi a enfermeira apavorada, parei de falar nesse mesmo momento.. O que está acontecendo!? Pergunto curioso, elas param mr olham eme explicam o que aconteceu, me levam até a porta que tentavam quebrar, mas nem se quer se mechia liberei meu demônio batendo o pé na porta fazendo ela abrir e bater na parede lá dentro, vi o fogo tentar se alastrar para fora do lugar, faço um campo de força envolta das enfermeiras para não machucar nenhuma delas.. Esperem aqui... Não quero que se machuquem.. Disse saindo do campo do força entrando dentro da sala, olho aos lados procurando o guri, estava bastante silencioso, escutava apenas o fogo, o vejo caido no chão, arregalo os olhos vendo os bebês deitados, ele estava sendo torturado, como Aysha foi, serrei os dentes indo na sua direção colocando um campo de força no guri, o puxei para min com a mente o pegando e levando para fora fechei a porta e coloquei o mesmo no chão... Batendo devagar em seu rosto, ele parecia bastante fraco, suspirei, olhei as enfermeiras e disse.. Dê ameixa a ele! Muitas ameixas! Não de soro e coisa assim! Aah... Aconteça o que acontecer! Não tentem entrar na sala, eles vão torturar vocês até morrer! Principamente humanos, por favor! Eu tenho que voltar, se algo acontecer, me balançe que eu vou algo saber! Disse então entrei na sala onde Aysha estava novamente, coloquei a mão na guria voltando ali, quando volto, continuo naquele mesmo lugar com eles me cercando... Desculpa a demora, tava um pouquinho ocupado com meus filhos e suas criações querendo matar meu cunhado, e todos ao redor.. Família doida não é!? Disse sarcástico o olhando fixamente, então ele sorri e aperta o ar, quando olho Aysha se torna visível, ele estava a segurando.. O que está fazendo aqui!? Não disse para correr!? Disse irritado, então ele pega um canivete, balançei a cabeça negativamente um pouco apavorado Não! Não faça isso! Disse então ele a corta levemente no pescoço, sorri apontando um outro lugar, tento me mexer mais eles ainda apontavam as espadas, abaixei rapidamente até o chão e empurrei os demônios com a mente para se afastarem de min, corro até ele rapidamente puxando Aysha afastando a guria do mesmo, coloquei a mão em seu pescoço o olhando o corte, de seu pescoço minha mão sobe até seu rosto então a beijo rápido voltando a atenção ao homem, entro na frente de Aysha vendo os demônios se aproximarem.. Aysha... Tem que sair desse lugar agora! Se não vai morrer! Eu não posso sair é a minha mente! Quando ela disse que a mente era dela, me bateu uma luz, arqueei uma sombrancelha e disse... Mas é claro! Aysha! Essa mente é sua! Se não quer eles aqui tira eles daqui! A mente é sua! Pode fazer o que quiser aqui dentro! Uma mente é bem mais poderosa que nós demônios, expulse eles daqui, agora que está forte, pode pensar por você! Disse a afastando dos demônios que ainda se aproximavam..


Quando um dos sentinelas dele me leva até o quarto olhos aos lados analisando o lugar, respirando fundo um tanto aborrecida, o que eu estava fazendo ali ein!? Pensei então tirei o micro-comunicador do meu peito desligando o mesmo, aperto com os dedos fazendo quebrar e taco pela janela, escuto a porta bater, arqueei uma sombrancelha e abri, nessa mesma hora me encontrei no chão caída, olhei o chão tentando entender como tinha caído, e logo descobri quando senti ser puxada pelo cabelo e ser encostada na parede.. A-Ai! Está me machucando Fritz! Quando o escuto coloco as mãos em seus pulsos tentando me soltar mas por mais que tentava ele era mais forte.. Eu não... Eu não quero te atingir! Por quê eu iria querer isso Herr? Tem algum motivo específico!?   Disse sarcástica, então ele aperta, fecho os olhos com um pouco de dor, então sorri colocando a mão em seu rosto...
Seu inimigo!? Eu Herr!? Que sempre corri atrás de você!? Eu quem quase morreu para salvar sua vida, acha que eu quero você como meu inimigo!? Eu nunca faria algo que te destruísse, eu nunca brincaria com os sentimentos de uma pessoa assim! Disse respirando fundo então ele me solta me sentei no chão ainda encostada na parede.. Coloquei as mãos na cabeça com um pouco de dor então o escuto balanço a cabeça negativamente... Você está ficando louco! Simplesmente maluco! Quando escuto o do mal serro os dentes Ser do " Mal " não é muito aceitável de onde eu venho garoto! Ser do "mal" é algo tão inútil, o que te torna inútil! Quando ele disse que eu estava o superando fechei os punhos e voei rapidamente até ele o tirando do chão e batendo na parede fazendo um barulho alto..
Não me compare a você! Pessoas como você são mortas todos os dias pelo meu povo! Disse séria colocando as mãos em seu pescoço... Mas eu não sou assim, eu não mato pessoas! Eu não as desprezo! Nem as maltrato, principalmente as que eu amo! Disse então me afastei, escutei o que disse e balancei a cabeça negativamente... Eu não preciso disso para conquistar você.. Eu não quero conquistar você dessa maneira! Quando o guri diz que nada iria adiantar sorri e me sentei... Aah Herr... Não seja idiota! Acha que eu não teria formalidade perto do seu pai!? Eu estaria morta uma hora dessas! Se eu quisesse me vingar de algo, eu falaria toda a verdade, falaria pelo que passamos de verdade, mas pelo contrário, eu menti! E menti muito por sinal! Se eu quisesse acabar com você... Acabava...  Mas eu o amo demais para algo assim... Disse séria então respirei fundo...
Parece bem decidido, mas, se estivesse sarcástico, calmo, e não agitado dessa maneira eu acreditaria, eu juro! Disse cruzando os braços, me aproximei e fiquei bem perto.. A porta está trancada! Me mata agora e ninguém vai notar! ACABA COMIGO! Disse respirando fundo esperando com os olhos cheios de lágrimas, abaixei a cabeça o esperando..


Quando meu pai e e Romeu discutiam Myshua se intromete na conversa... Mais barulho que aqueles demônios estão fazendo? Aah... Quando iamos saindo escutei Myshua, então meu pai se vira já percebendo algo ali, arqueei uma sombrancelha.. Não é o que está pensando! Essa garota é apenas uma... Conhecida... Pai.. Não é o que vejo! Está me contrariando!? Não! De jeito algum! Eu apenas queria que soubesse, que não tem o que se preocupar... Perdoe-me... Disse abaixando a cabeça... Qual seu nome senhorita!? Pai! Vamos embora por favor.. Ele se aproxima dela a olhando, e levanta o dedo para min, de um modo de me calar, revirei os olhos, então ela responde, ele sorri e beija sua mão, e olha a mão fixamente querendo morder, reviro os olhos novamente.. Hãm pai... Ela não é humana, por gentileza Vamos voltar para casa... Preciso treinar... A muita coisa que preciso aprender.. Sim... A muita coisa sim... Tenha uma boa tarde, adeus... Ele diz então sai do hospital, seguro o braço de Myshua fortemente.. Não se atreva a se intrometer novamente em minhas conversar, não se atreva a insultá-lo! Ou eu te matarei Myshua! Disse disfarçadamente, e cada vez que falava apertava cada vez mais forte seu braço, quando terminei soltei seu braço já dando um empurrão na guria, sai do hospital, subo no dragão indo até o hotel onde ele tinha parado o carro, descemos até seu carro, ele entra no banco do passageiro, Romeu senta no banco de trás e eu no banco do motorista, ligo o carro saindo dali rapidamente, todo o trajeto de volta ficamos todos em silêncio, eu prestando atenção no caminho, meu pai pensativo esfregando os dedos, e Romeu emburrado no banco de trás, chegando em casa minha mãe corre até min e Romeu que andavamos lado a lado, e nos abraça ao tempo, abaixamos em seu tamanho por ela ser menor, ela se emociona de ver Romeu de volta, entrei em casa e vou direto para meu quarto fechando a porta pego a toalha e tomo um banho quente e prolongado, saio do banheiro com a toalha amarrada na cintura, respiro fundo e me troco, me deito na cama ficando de olhos fechados..


Quando entrei na sala, a mulher começa a me limpar e coloca touca em min, quando estava pronta entrei na sala coloquei as mãos em Aysha e entramos, quando vi aqueles dois demônios, percebia que Lucas quase não retrucava, serrei os dentes e começo a atacar os guris... Eu não tenho medo de vocês! Disse séria então eles me atacavam, peguei os dois pelo pescoço bati suas cabeças uma contra a outra e os lancei longe, mas do nada eles somem,  então uma mulher chega um demônio como eu, escuto o que disse séria, ela sabia meu nome, e diz o dela.. Sorri então ela me ataca, ela era bem mais habilidosa que os filhos de Lucas, tive uma complicação muito maior, ela batia forte, e todos os ataques que defendiam acabava por me machucar um pouco, ela segura meu pescoço então sinto que estava desconcentrada ali, serrei os dentes e sai de lá escutando Lucas e sentindo seus toques, quando estava lá fora entendi então me virei para Aysha tentando me concentrar e entrar em um lugar que aquela mulher não esteja, pensei bem fechando os olhos pensando em um lugar escuro, olhei aos lados quase não vendo, balançei meu cabelo e rasguei um pouco de minha roupa, liberei meu demônio, tudo para parecer como os de lá, olhei de longe uma espécie de trono, fui andando disfarçadamente até lá, quando escuto vozes, olhei mais perto e vi Luka e o médico, eles ainda estavam protegidos me aproximei chamando a atenção deles, bati fortemente nos guardas fazendo eles desmaiarem, rapidamente quebrei a porta os tirando dali.. Você! Médico! Tem de voltar agora! Seu corpo está sofrendo danos eu acho! Luka! Lucas precisa de você! Temos que sair daqui o mais rápido possível! Antes que nos encontrem! Disse saindo dali correndo acompanhada dos dois

[/color]
Século XIX


Quando começamos a cavalgar ele disse para min segurar firme, fiquei vermelha sem nem mesmo perceber, quando escutei sobre a coceira olhei minhas mãos e minha roupa, suspirei e disse Sim... Transformada.. Disse o vendo como desenho, mas isso não nos impediu, continuamos a cavalgar até ele diminuir, olhei aos lados quando ele disse mapa. Não... E quem precisa de mapa! Disse então uma sereia aparece, arqueei uma sombrancelha me assustando um pouco.. Ramses... Do três entendeu!?
Disse baixo para apenas o guri entender, desci toda atrapalhada do cavalo, fui descendo devagar me ajoelhando no chão olhando a sereia fixamente, devagar fui colocando a mão no chão vendo o crocodilo se aproximar de min... Fechei os olhos então disse.. Duratus! Gritei então o rio começa a congelar junto dos crocodilos e elan subi no cavalo.. Eu não sei se vai segurar por muito tempo! Vamos sair daqui, rápido Ramses! Gritei então o cavalo começa a cavalgar no gelo, ele deslizava algumas vezes mas foi bem, chegando em uma "superfície" escuto uma voz baixa e conhecida, arqueei uma sombrancelha..Pare por favor.. Disse então desci olhando em uma direção que parecia vir o som, quando ele foi aumentando vi Fillip lutando, parecia estar perdendo...
Ramses! Ele, ele vai se ferrar! Tenta distrair ela! Disse então me sentei no chão... Vamos Álicia! Não deve ser tão difícil, fechei os olhos apontando com o indicador na direção os índios, da Índia e de um cara que não conhecia.. Disse séria então logo os vejo em cadeias, cadeias igual a que Isaiah me prendeu, me levantei devagar pois fiquei com tontura, nunca tinha usado várias vezes assim, me aproximei olhando Fillip, depois olhei o garoto que estava com ele, ele disse que podia soltá-lo, ele estava do nosso lado, sorri olhando o garoto, deslizei o dedo no ar em uma linha reta de frente com a cadeia fazendo ela se desfazer envolta do guri..
Desculpe por te prender... Eu me chamo Álicia   Disse sorrindo, tão bobinha, sorri para qualquer pessoa sem saber se ela é do bem ou do mal, estendi a mão para comprimentar..


Quando ele me contou a história confesso que fiquei chocado, então o diretor era um completo babaca, logo minha barriga começa a formigar mais forte, olho Nikki que a via virado um desenho, olho minhas mãos vendo que era um desenho, suspirei e me preparei novamente vendo eles se aproximarem, olhei os peitos.. E se isso foi mentira!? Se essa coisa estiver tentando nos enganar!? Eu não acredito!
Disse desviando dos ataques dos índios.. Vi ele jogar o coração.. Ah! Acha que eu não sei que está com vontade!? O que está esperando!? Um convite formal!?
Disse então olhei aos lados estavamos encurralados..Olha só ! Eu não to a fim morrer! Então faz o que tem que fazer! Disse pegando o coração do chão e esfregando na sua boca, no começo ele rejeitou mas depois chegou a morder até minha mão.. Ai! Idiota! Disse estressado, me preparei para lutar quando Ramses aparece ali chamando a atenção deles, arqueei uma sombrancelha e disseLembra quando eu disse que briguei com um cara, e ele limpou tudo sozinho!? O idiota está bem a sua frente.. Disse apontando com os olhos, então aparece cadeias envolta dos índios, olhei Nikki vendo se era ele que estava fazendo isso, mas vejo Álicia, ela prende Nikki..Aah... Não Álicia, ele é meu amigo, pode soltar! Disse sorrindo então vejo Ramses, fiquei sério.. Olha só, vejo que melhorou! É acho que te mahuquei mas do que eu não é! ? Quem te deixar sair seu panaca!? Que eu saiba, o diretor tinha proibido você de ir!
Disse então cruzei os braços.. Obrigado Álicia... Disse sorrindo vendo ela comprimentar Nikki..



Quando pensei em estarmos perdendo a loira aparece e bata o bicho.. Nossa! Mandou bem!
É da pro gasto! Rafael... Disse meio zangando dando um peteleco em sua cabeça Ai! Tá bom!  Mandou bem! Quando ele respondeu certo sorri com sua resposta, continuamos a andar, Akita falou para deixarmos os cavalos então fomos andando mesmo,  guardei a katana por um tempo ainda com um olhar misterioso, olho minhas mãos e já me vejo transformado..

Donafofis

Feminino
Número de Mensagens : 3
Idade : 17
Localização : Lisboa
Pontos : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 01/03/2017

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pt.I

Mensagem  @Parisse em Sab Mar 11, 2017 1:30 am

Romênia, Séc.XXI




Akita Connor
De costas para o monstro começo a tentar pensar numa solução rápida Ótimo! Agora vamos ter que lutar com ela de costas! Akita, o que está acontecendo?! Ela é um monstro ctônico antigo, não sei se poderíamos derrotá-la vendo-a, como espera que façamos sem ver?! Acalmem-se, vocês! O castelo nunca precisou destes monstros para protegê-lo, sempre usavam os guardiões ou personagens de historinhas. Eles mudaram para esta noite... Alguém nos delatou! Akita, se concentra! Deixa isso para depois. Se ninguém fizer nada, irei atacar. Disse Kashmir  Não, é muito perigoso! Ela é muito forte, foi usada de escudo por Zeus para vencer os titãs... Disse ainda de costas O que quer fazer então, Akita, não podemos ficar de costas o tempo inteiro! E eu tenho certeza que se nó não atacarmos, uma hora ela vai.  Eu... Eu não sei... Mas eu sei! Kashmir, não! Kash invocou seu espírito do escorpião e jogou seu poder em Medusa. 



Como eu estava de costas, não conseguia saber se funcionou ou não.
Kash... Funcionou? Ela não fez nada, então acho que sim... Vou me virar Cuidado... Quando ele se virou, um imenso foco de luz brilhou na sala o atingindo, só pude ouvir os seus gritos Aaahh!!!! Kashmiiiiirrr! Gritei apavorado, sem saber o que estava acontecendo. Me virei para o mesmo e a luz o consumia e o fez desaparecer 


Nãaaaoooo!!! O QUE VOCÊ FEZ COM NOSSO IRMÃO, SUA VADIA!? 
 
Perguntou Isaiah irritado e ela respondeu com uma voz bem fonha O mandei para bem longe hahahahahahahahahaha Grr.... Ordinária! Ele tomou impulso para ir em cima dela mas Serj o segurou. Vai com calma Isaiah, já perdemos Kashmir! Isaiah ficou se debatendo com os dentes cerrados. Apesar de ser uma péssima influência, ele sempre foi um irmão muito protetor. Kashmir era o mais novo depois de Nikki então para Isaiah, assistir aquilo sem poder fazer nada era uma tortura. Vamos matá-la primeiro, depois vemos o que aconteceu com Kashmir
 

Assim Isaiah concordou e então perguntou novamente, ainda com raiva
Como vamos derrotá-la? Até que eu finalmente me lembrei de algo Do mesmo jeito que Perseu  fez... O olhar de Medusa mata, mas seu reflexo não. Podemos olhá-la através de um refletor. Um diamante serve. Serj, você é um pirata, tem um diamante não tem?  Óbvio que não! Eu nunca traria meus diamantes para essa missão suicida. Certo, um espelho, deve servir então. Quem traria um espelho, Isaiah?! Eu traria... Disse tirando um do bolso. Okay, eu dou a coordenada para vocês que irão seguir certo? Alunos... Preparem-se! Medusa tentava chamar nossa atenção para que nos virássemos para olhá-la. Chegava perto de nós e ficava nos perturbando. Ela se aproximou de Serj. Sergio, cuidado! Imediatamente, o mesmo se virou, afastando-se e então Rafa veio correndo de frente e de olhos fechados a esfaqueou na barriga. Ainda dançando, a mesma abriu os braços e o jogou para longe, expelindo sua faca e se curando Vocês precisam acertá-la na cabeça! Então os outros correram até ela também de olhos fechados para atacá-la e ela afastou todos eles. Distraída com isso Serj a pegou por trás e lançou um olhar para Fael Fael, corra 5 metros à sua frente e vire a esquerda! Serj, Isaiah cuidado que ela quer atacar! Isaiah se aproximou, a segurando junto com o um irmão mais velho e antes que ela pudesse fazer algo, Fael já estava muito próximo, Serj segurou as cobras em sua cabeça a puxando para baixo e deslizando, Fael passou a faca no pescoço dela, fazendo seu corpo cair. Me virei a os olhando, um pouco mais confiante por termos matado-a.  Morre, desgraça... Disse Serj soltando uma risada maligna. 
 
                    Forma animada                                    X                      Real                                                                                               

Me aproximei dela a olhando para ver se estava mesmo morta. Terminado isso, me virei para falar com os alunos, havia algo realmente sério cujo eu precisava tratar. Antes que pudéssemos cantar vitória, uma fumaça estranha começou a emergir do chão, só que com o assunto superimportante, eu não dei valor...
Eu estou... MUITO decepcionado... EXISTE UM TRAIDOR ENTRE NÓS! Alguém aqui... Nos delatou! Eu estava com muito ódio, fuzilava cada um com os olhos e apontava sem pena... A que preço?? A que preço algum de vocês podem fazer isso?! Pois saibam que colegas de vocês agora estão sendo mortos lá fora por isso! Isaiah põe a mão no meu ombro Akita, podemos resolver isso com magia... Eu descubro o delator... NÃO! Eu quero que a pessoa se entregue... Não vou punir você... Quem quer que seja... Só preciso perguntar porque... Ha! Espera sentado... Alguns alunos começam a tossir e é quando percebo a fumaça. Esta parecia ser tóxica e nos fez tossir, nem pude mandar os alunos tamparem os narizes.  Ia ficando cada vez mais forte e fomos nos encurvando, daí os homens que nos “receberam” na casa vieram nos atacar, Isaiah que estava agachado, conseguiu levantar-se e atacou um deles, então outros começaram a surgir.


 Um com tochas ígneas, outro com uma foice, ratos também. Isaiah se embolou com o da capa preta que o jogou no chão e acabou caindo em um buraco misterioso que se abriu no chão, desaparecendo. Segurando o meu pescoço e tossindo eu fiquei olhando para o lugar onde ele havia desaparecido. Vi os meus alunos desmaiarem e Serj também, até que eu também, após muito resistir, sucumbi. A última coisa que vi antes de fechar os olhos foi uma daquelas criaturas feias se aproximar de mim.


Quando despertei não podia ver, pois estava vendado. Senti meus braços presos por correntes e estava em pé, aparentemente sozinho. Balancei minhas mãos tentando sair, levando meu corpo para frente e para trás. Socorro! Isaiah! Sergio! De repente sinto aquele perfume… Inigualável… Costumava ser exatamente assim quando nos conhecemos. Vós, sempre preso por correntes e eu com o instrumento nas mãos. Não sentis falta deste tempo? Ninguém poderá salvar-vos, Akita. Sarah... Me tire daqui agora! Não tendes mais voz neste castelo Akita. Não podeis dar-me ordens. Porque Sarah... Porque ainda insiste em ficar no lado dela?!! Onde estão os meus alunos?! Exigi me debatendo Pois não deixarei que mateis minha mãe! Vossos discentes estão bem... Por enquanto pelo menos haha Podia estar no meu lado da batalha! Não tendes chances contra minha mãe, nunca tivestes! Contigo ao meu lado eu poderia... Só terá-me ao seu lado para uma coisa, Akita... Ela se aproximou, meu coração palpitou e sinto um corte no peito. Travo os dentes respirando fundo Então é isso?! Vai me torturar como nos velhos tempos?! Dar-vos-ei uma chance de permanecer vivo! Te torturarei até que abandone esta ideia Isto não vai acontecer! É o que vamos ver... Ela me corta mais vezes. Cada corte vai cada vez mais fundo. É inacreditável... Depois de tudo o que passamos... Ela matou o nosso filho e você ainda está no lado dela?!! NÃO OUSEIS A FALAR DELE! Sinto algo quente se aproximar de minhas costas, até senti-la totalmente queimar AHHHHHHHHHHHHHHH! AHHH! AHHH! 


Gritei umas três vezes pois a dor era insuportável, chegar a sair lágrimas. Ela estava me marcando como um boi. E então... Desistis? Respirei fundo com a cabeça baixa antes de responder Não... Você nunca... Irá me impedir... Disse ofegante. Ela bufa de raiva Ai Akita, sua burrice às vezes irrita-me! É bom que saibais que tuas decisões aqui refletirão em ti E nos teus alunos! Deixe-os em paz! Sem mim não conseguirão matá-la... Mas não fostes tu quem os treinaste? Não crês em vossas capacidades? Como sabe que eu os treinei? Aliás ainda quero saber como entrou na minha escola naquele dia... E na vez em que ameaçou Belphegor! O albino surdo? Aquele homem está na minha lista de morte. Entrar em tua academia foi simples, Akita. Depois que descobri o que tramava, me infiltrei em tua escola como aluna. Me conhecias mais como... Rosalyn Bennet Quando ouvi esse nome, meu coração gelou... A vadia tinha me enganado... Direitinho... E eu caí feito um patinho... Puta! Desgraçada! A chutei para longe de mim, me balancei ainda mais nas correntes Não deveria ter entrado em minha escola vai se arrepender! Hahaha Sabeis muito bem que adoro quando me bateis... Então não havia realmente delatores... Foi você própria quem captou o que precisava e por isso reforçou a segurança do castelo... Eu mesma... Quem é o panaca que dizia ser seu irmão? Lestat? Vincent? A bruxa... Nenhum dos três… O ser que conhecêreis como Tyler não é meu parente. Ele se chama Ban e é um homem transformado em personagem pela floresta. Fizemos um trato em que ele deveria matar-vos. Hahaha Não funcionou... Assim como das várias outras vezes que tentou e falhou comigo Disse debochando Acho bom a tortura funcionar... Porque desta vez eu não irei falhar, Akita. Ou desistis de matar minha mãe ou morreis... De qualquer forma alguém precisa... Eu NUNCA vou abandonar essa ideia de matar a sua mãe... Se estamos passando por essa fase novamente é por causa dela... E se eu tiver de ser morto para matá-la, ainda que não faça sentido, então eu irei. Sinto outro ferro quente nas costas AAAAAAHHHHHHHHHHHHHH!!! 
 

Derramei mais algumas lágrimas Perguntarei-vos mais uma vez... Desistis ou não? Ela pergunta, ofegante respiro cada vez mais rápido abaixando a cabeça.

[/center]


@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pt.2

Mensagem  @Parisse em Sab Mar 11, 2017 4:48 pm

Romênia, séc.XIX


Sergio Connor/30 anos/*Forma animada
Depois que matamos Medusa, Akita tenta tirar satisfações com a turma tentando descobrir quem havia sido “o traidor”. Até parece que alguém iria se prontificar apenas com ele perguntando. Ele tinha era que pressionar cada indivíduo para arrancar alguma informação, mas eu não iria me meter nisso. O problema foi que, depois disso, uma fumaça de cheiro forte nos derrubou,além de outros monstrengos aparecerem.

Quando acordei, tossi e me sentei, olhando o lugar. Estava numa espécie de sótão, muito fedido por sinal, junto com meus homens e os alunos de Akita. Fiz uma cara de nojo com o cheiro azedo dali Uuuughh... Eu já estive em navios fedorentos, mas este sótão é podre! Uma verdadeira carniça. Disse torcendo um pouco a boca com nojo. Havia outras pessoas amarradas, mas estas eram presas pelas mãos e estavam pálidas e feias, como se tivessem sido drenadas, o que aliás era bem fácil de se notar já que tinha sangue seco em algumas partes de alguns corpos. Eu podia jurar que tinha alguns ali que estavam na beira da morte e outros que até já estavam mortos. Quando me levantei e tentei andar, não podia, pois uma corrente me prendia pelo tornozelo. Ótimo... Nos pegaram. Onde está Akita? Disse olhando para um dos pirralhos Eu não sei... Mas com certeza não está aqui. Disse uma menina. Me preocupei um pouco, já havíamos perdido Isaiah e Kashmir, agora Akita também?! Com ele fora, não vale mais a pena eu e os outros piratas ficarem aqui. Eu deveria então fazer a retirada? Eu não sabia o certo o que fazer quanto à isso neste momento, mas de uma coisa eu sabia: Nós precisávamos sair dali e precisávamos logo. Onde estamos? Ela perguntou tampando o nariz [color:25a9= greenyellow]Num ninho de vampiros, acredito... Precisamos sair logo. Tentei tirar e depois quebrar as correntes mas não funcionava. Procurei minhas armas, mas não tinha nenhuma, eles levaram todo o meu arsenal. Filhos da p***! Levaram meus apetrechos... Era como eu chamava minhas armas _Os meus também.... Dizia os outros piratas e até alguns alunos O diretor morreu?! Perguntou outra delas. Eu não sei, mas NÓS estamos ... Por enquanto. Mas quando os vampiros voltarem, irão nos torturar até ficar que nem eles... Apontei para os corpos Como vamos sair daqui sem ele?! Revirei os olhos Acho que devem se procupar mais com vocês mesmos que com o diretor, já que foi ele quem pôs vocês nesta enrascada. Disse pegando uma pedra afiada que achei por ali e tentando cortar a corrente.... Sem sucesso. Alguém toca em meu braço.

Era a morena de antes Deixe-me abdicar de seu esforço... Current remissionis! Ela disse em latim, fazendo uma luz verde brilhar em direção às correntes. Mas também não foi possível quebrar O que... Mas como assim... Acho que corrente não aceita nenhum dos dois esforços. Ironizei. Ela segura as correntes e as analisa Elas são protegidas contra feitiços... Ah, mas que merda! Olhei para as correntes para ver o mesmo que ela via e vi o símbolo do pentagrama que impedia a quebra a da corrente por meios mágicos. À nossa frente, havia uma janela, que pouco iluminava a sala com a luz da lua. Como as correntes eram grandes, eu pude andar até o vidro, tentando achar a saída. Andei por entre os corpos que haviam no chão e cheguei lá, mas como eu já esperava, não era algo fácil de se quebrar...
X  
Forma animada X Real
Deixo as marcas do meus dedos na janela e me viro, voltando para onde estava. Olhei para a parede de onde elas saíam e as puxei O único jeito de sair daqui talvez seja quebrando a parede... _E como faremos isso? Todos nossos instrumentos foram roubados!_  Disse um dos piratas Tem alguma ideia melhor?! Perguntei meio impaciente.

Novamente em combate, Fillip ainda duvida do sexo da índia E porque diabos você acha que eles iriam nos enganar com isso?! Vem cá, cê quer transar com ela por acaso?! Disse debochando e dando mais uns murros no índio que vinha. Estava começando a ficar complicado e eu não estava na minha melhor forma. De vez em quando no meio da luta, dava umas olhadas de leve para aquele coração que havia dispensado. Ele pergunta se eu estava esperando um convite formal E NÃO VOU comer isso, Fillip... Consegui ficar sem comer por um bom tempo, se eu pegar agora posso ter uma recaída... Disse e ataquei um bando de indígenas que vinha, me jogando por cima dos mesmos e acabando com seus corpos, sentindo os sangue preto deles na minha boca, o que aumentava meu desejo pelo coração. Não se sabia ao certo porque o sangue deles era daquela cor. Talvez por serem amaldiçoados, talvez por serem apenas personagens ou até mesmo pelos dois, quem sabe. O que eu sabia era que apesar da cor e da textura ser um pouco mais grossa, tinha o mesmo sabor do humano. O ruivo então empurra o órgão contra a minha boca, ainda tento resistir Fillip, não! Mas quando minha saliva sentiu o gosto das veias, da carne viçosa, do sangue... Eu não pude resistir... Meus instintos se afloraram, fazendo minhas presas ficarem mais pontudas e eu quase mordi a mão de Fillip.

Levei minhas mãos a boca segurando o coração e comendo como um verdadeiro animal, fazia tempo que não comia. E aquele era o melhor tipo, fresquinho na hora... Estava com um gostinho de terra, mas com o desejo eu podia relevar. E como era grande... Aqueles indígenas tinham corações enormes! Quando terminei aquele eu fiquei imaginando o dos outros, então os ataquei violenta e sanguinariamente, numa velocidade que eles não podiam acompanhar. Fui comendo o coração deles em quantidade absurda, o que não era bom para alguém que tinha acabado de voltar a comer. Eles começaram a atacar mais Fillip então, deixando a índia livre e quando meus olhos se encontraram com os dela, eles brilharam. Como meu lado animal estava muito aguçado, olhando para ela eu me senti excitado e eu a teria a qualquer custo. Ela não perdeu tempo tentando fugir de mim, ela veio para cima e embolamos no chão. Era boa de briga a desgraçada, mas eu consegui deixá-la por baixo esquecendo totalmente de Fillip que poderia estar precisando da minha ajuda. Como ela usava uma espécie de saia, quando a mesma caiu, a saia subiu um pouco e eu pude ver o que havia embaixo, já que a mesma não usava roupas íntimas. Abaixei minhas calças, levando ainda alguns murros dela, prendi minhas presas em seu peito e rasguei a pele até sua barriga, pois eu ainda queria o coração. Ia sanar minha tentação quando de repente algo chama a atenção dos índios, me viro para olhar e era um garoto negro, minha boca e mãos estavam toda melada de sangue

Eu paro por um tempo, o olhando reagir... Reações humanas... Quando dou por mim novamente, me vejo enjaulado e como um animal, começo a me debater na jaula, raivoso  Grrrrrr!!! cerro os dentes os olhando com raiva até que Fillip diz a loira que eu estava do seu lado. A mesma me solta e livre eu vou voltando aos poucos aos meus sentidos mais humanos. Fillip e o negro começam a discutir. Ainda transformado, e meio confuso tento apartar a discussão Ei! Ei! Ei! Vocês dois! Somos adultos galera, ou pelo menos devíamos parecer ser... estamos no meio de uma floresta perigosa e vocês querer ter uma DR aqui?! O casal pode ir para o quarto quando chegarmos no castelo! Mesmo estando no meio da transformação de animal para humano, minha audição podia escutar com clareza seus corações batendo... Todos eles pareciam muito saudáveis... Tento me controlar e com a doçura da loira, consigo voltar ao normal.

Ramses Nasser/18 anos/CCA:chaco/*forma animada
Quando Alicia se transformou, a olhei de cima a baixo soltando uma risada abafada depois. Ao perguntar se ela tinha um mapa ou algo ela me fez outra pergunta, desta vez, retoricamente Eu só não acho viável nós anadarmos num lugar como esse sem um mapa... Chegamos enfim na sereia que pôs seus crocodilos em ação, fiquei desesperado sem saber o que fazer, faltava pouco para virar comida do réptil. Até que ela desce até o chão e se utiliza de um feitiço, congelando o lago. Fiquei impressionado e então ela rapidamente me chama para irmos É para já... Dou minha mão à mesma para ela subir mais rápido, bati na bunda do cavalo, não muito forte e saimos a correr. Mandou bem, princesinha. Disse enquanto cavalgávamos. O cavalo trepidava um pouco por estar escorregando no gelo , mas conseguimos correr rápido o bastante para chegarmos num lugar em que o feitiço de Ariel não havia alcançado. Ela me pede para parar e então desce.  Algum problema? Perguntei ainda no cavalo, a acompanhando devagar. Ela parecia estar seguindo algum som. A cada vez que chegávamos mais perto, até eu consegui ouvir, parecia estar tendo alguma luta Alicia, cuidado! Daqui a pouco pode ser a Ariel de novo! Disse um pouco preocupado. M as ao atravessarmos os matos, não era a sereia que estava lá e sim Fillip com um outro cara que parecia um... Lobisomem?!  Ela me pede desesperadamente  para ajudá-lo Você pode me achar rude, mas isso é pedir demais... Não moverei UM músculo para ajudá-lo! Disse um tanto truculento, o que acabou por chamar a atenção deles de qualquer forma Merda... Ela senta-se ao chão e os prende similarmente como ela estava no quarto do professor Ela aprendeu o feitiço direitinho... Pensei a olhando. Ela acabou prendendo o lobisomem que depois Fillip disse ser amigo Só você para ser companheiro destes monstros. Disse o olhando e o mesmo  já me vem arranjando confusão

Cala a boca... Disse olhando para o lado um pouco irritado quando ele disse que eu estava melhor Não, acho que nos machucamos de igual para igual, só que eu tive uma recuperação normal, enquanto você usou de meios nefastos e misteriosos! O acusei. Então ele perguntou quem me deixou sair Isso não é da sua conta! Pelo o que eu sei você nem na cidade deveria estar! Não podia ter voltado para a escola mas voltou, acho que deve muitas mais respostas que eu. Ei! Ei! Ei! Vocês dois! Somos adultos galera, ou pelo menos devíamos parecer ser... estamos no meio de uma floresta perigosa e vocês querer ter uma DR aqui?! O casal pode ir para o quarto quando chegarmos no castelo! Ele disse os olhando depois que Alicia havia o soltado. Ela nem conhece o cara e já vai sorrindo o cumprimentando. É um prazer Alicia... Muito obrigado, nos salvou de um grande aperto.

A olho estranhando e depois apenas miro o licantropo que vai voltando à uma forma humana, fazendo minha expressão suspeita mudar para surpresa e curiosa. Acho que te prefiro nesta forma... Acredite, eu também. Disse ele jogando seu cabelo um pouco para o lado. Sou Nikki, é um prazer.  Sou Ramses... Teria mais prazer se fosse num lugar que não esta floresta Disse irônico É novo por aqui? Meio que já estou acostumado com ela. Não, eu moro por aqui já faz um tempo mas... Acho que nunca vou me acostumar... Disse olhando para caima, vendo as grandes árvores que nos cercavam Falar nisso, desculpe te chamá-lo de monstro... Disse coçando a nuca Tudo bem... Sorriu. Parecia bem legal ,diferente de Fillip que me olhava torto. Porque estão na floresta, digo, porque está na floresta Nikki? Há tantas coisas melhores para se fazer... Numa noite de sexta... Na verdade eu não tinha nada especial para fazer hoje, então resolvi acompnhá-lo em sua missão... Ele disse olhandopara Fillip E vocês?! Quase o mesmo que você, mas acompanhando a ela... Apontei para Alicia sem olhá-la Ótimo! Porque não vamos juntos então?! Ele propõe. Olho para Fillip com um suspiro impaciente Escutem, eu sei que vocês não se dão bem... Mas será muito mais seguro para nós quatro irmos juntos. E então...Topam? Ele pergunta, permaneci calado torcindo a boca olhando para o lado e cruzando os braços. Não queria me juntar a Fillip nem a pau...

Sacramento, Califórnia, séc.XXI







Fritz Pryde Von Doom/17 anos/ “Herr DarkMaster”
Enquanto ainda apertava seu cabelo com força e a pressionava contra a parede, ela alegava que não queria me atingir, se havia motivo específico. Puxei o cabelo ainda mais para baixo É você quem tem que me dizer... Tem algum motivo específico?! Falo cerrando os dentes próximo à sua orelha. Ela põe a mão em meu rosto e diz que nunca brincaria com meus sentimentos Então o que quer com meu pai?! Perguntei com raiva e então depois a solto, e a mesma senta-se no chão. Diz que eu estava ficando doido, maluco e outras coisas que não tive paciência de ouvir Me poupe! Disse ainda a olhando. Ela se levanta e diz que ser mal era o que me tornava inútil, dei um tapa em seu rosto, fazendo-a virar para o lado. Com quem... Com que pensas que está falando para me chamar de inútil? Falei encarando-a próximo de seu rosto. Digo que ela estava me superando em maldade e a mesma com raiva, bate-me na parede e segura-me pelo pescoço. A ouvi sendo sufocado, tentando respirar mas ainda demostrando muita raiva. E como eu sou extremamente branco eu fiquei muito vermelho. Logo ela diz que não me conquistaria daquela maneira Dessa ou nenhuma! Você NUNCA vai me conquistar! Perdeu uma chance ÚNICA naquela noite Julieta Master, perdedores tem duas chances, vencedores aproveitam as que têm. Disse e tossi, ainda sendo sufocado pela mesma. Ela finalmente me larga e se senta, ponho a mão no meu pescoço me curvando e tomando fôlego, a olhando. Então ela diz que teria de ter formalidades com meu pai e que mentiu por mim, continuei apenas tomando fôlego ainda curvado. Ouço-a dizer que se quisesse acabar comigo, acabava. Hahahha.... Sorrio me erguendo Então agora está me subestimando... Toco em mim És mais forte que eu... Desde quando?! Só porque é um anjo acha que pode ganhar da escuridão? Acho que esqueceu que eu e meu pai temos um histórico com o pessoal lá de baixo... E que foi graças a eles que você ainda está aqui... Joguei na cara dela que também a havia salvado Mas se eu pudesse, eu desfaria aquele contrato... Disse a olhando com desgosto. Ela fala mais um pouco e pede para que eu a mate. Olho para porta que estava trancada Hahah... Isso é um convite? Cuidado com as palavras... A olho por uns segundos e então lhe dou um murro cruzado (de lado) fazendo-a cair em meus pés., agachada. A olho com desprezo novamente e digo com o pescoço erguido Não valeria a pena... Me viro para sair, ela levanta e grita que eu tinha que acabar com ela. Ainda de costas para ela respiro fundo mirando a porta com raiva, me viro para a mesma novamente e ao me aproximar, puxo seu pulso a trazendo para perto de mim, agarro em sua cintura e a tiro do chão lançando-a para a parede. Ela bate do outro lado e cai, vou até a mesma e me agacho empurro seu corpo deitado para o outro lado do quarto. Me levanto indo novamente até a mesma. Descontrolado, grito perto da janela VOCÊ QUER QUE EU TE MATE? ÓTIMO! FOI A ÚNICA FRASE QUE PRESTOU SAINDO DE SUA BOCA HOJE! Esmurro a janela, tão forte que o vidro quebra em pedacinhos. Corto um pouco minha mão mas não ligo, me agacho pegando um dos cacos e sigo até a mesma, que havia parado em frente ao espelho. A levantando pelo cabelo e fico por trás, encosto a ponta do vidro na sua barriga, pronto para matar quando ela que já esperando o ataque deixa uma lágrima cair e eu consigo ver através do reflexo. Então imagens do passado começam a reaparecer, a primeira vez em que a vi, a vez em que cuidou de mim quando tive febre. Assim, ainda a segurando por trás, afastei o caco de sua barriga. Sinto a mesma suavemente respirar de alívio. Uma voz maligna, no entanto, gritou em minha cabeça “O que está fazendo?! Mate-a! Ela vai tomar seu pai de você, ou pior, tomará o seu trono!” arregalei os olhos ao pensar nisso e então enfiei o caco em sua barriga e cerrei os dentes, empurrando-o mais a fundo, quando me recordo da noite passada, em que estávamos juntos e ela doou sua força para mim, me curando do feito dos militares, dela sentando em mim, do beijo... Paro o vidro suspirando. A voz então grita “Qual o seu problema, Von Doom?! Não consegue matar uma pessoa? Primeiro foi o Sargento e agora ela?! Desde que se misturou com essa menina, não consegue mais matar, entrou naquela enrascada dos militares por causa dela, e agora seu pai tem vergonha de você por causa DELA!” Ao pensar nisso, grito AHHHHHHHH!!! E então empurro com força o vidro a fundo, cerrando os dentes, com uma expressão bem psicopata, até que uma outra voz, doce e diferente da outra gritou

Fritz! O que está fazendo?! Olho para a direção que vinha a voz e vejo o reflexo de minha mãe no espelho Não faça isso, filho... Não faça isso... Paro o vidro na hora Mãe... Solto Julieta imediatamente e vou até o espelho onde o reflexo já havia sumido. Toco ainda no vidro, suspirando, tendo a certeza de que ela não estava mais lá. Então me viro para Julieta caída no chão sangrando e volto a mim, levando as mãos à cabeça O... O que eu estou fazendo?? Corro até a mesma me agachando e com cuidado, retiro o caco dali, o jogando longe. Pego um pano qualquer e pressiono forte contra seu estômago estancando o sangue. Quando o sangue para, deixo o pano bem apertado no lugar da ferida e me levanto, indo ao telefone que havia na mesinha do lado da cama e ligo para a recepção, suando, passando a mão na testa Alô! Socorro! Tem uma garota aqui, acho que ela... Foi esfaqueada, eu não sei, ela está deitada no chão do quarto, sangrando, precisam vir aqui o mais rápido possível! Disse desesperado ao telefone. Bato-o no ganho, volto à mesma me agachando novamente e ofegante digo Eu... Eu não devia ter feito isso... A verdade é que foi um erro... Tudo isso entre nós, sabe... Disse agitado olhando para o lado, vendo quando os paramédicos subiriam. Já era possível ouvir a sirene policial lá embaixo.

Eu e você nunca daríamos certo... Devia saber disso. As pessoas próximas a mim se machucam, seja por mim, pelo meu pai ou pelos homens dele... Nós matamos a quem merece e você não merece isso Julieta... Se não quer se machucar, afaste-se de nós, afaste-se de mim! Disse apontando para mim. Ouvi barulhos de pés e vozes se aproximando Eu sinto muito... Disse e me levantei, saindo correndo pela porta de volta ao meu quarto, trancando a porta. Ela mesmo que meio sem forças, me chama Fritz... Fritz... Eu escuto mas não volto. Encosto meu rosto na madeira da porta, fechando os olhos suspirando. Vejo pelo olho-mágico, os paramédicos chegarem e fazerem com ela os primeiros socorros _Tudo bem senhorita, acalme-se, apenas respire fundo, isso... O sangue foi bem estancado, ainda temos chance de salvá-la, pegue o soro..._ Colocam-na o colar cervical e a põem na maca, a polícia e perícia chegam _Senhorita, o que aconteceu, quem fez isso com você?[/color] Como ela estava meio inconsciente pela perda de sangue, ela apenas continuava chamando por mim e assim eles deduziram que eu era o culpado, ou tinha algo a ver com isso. Fritz... Fritz... Perguntaram ao funcionário que estava ali, quem era Fritz e onde ele estava, o funcionário se prontificou em mostrá-los. Foram em direção ao meu quarto, e quando chegaram, encontraram a porta aberta e o cômodo vazio.






Victor Von Doom /“Doutor Destino”
Ouço batidas na porta e então abro os olhando Se quiserem autógrafo, só mais tarde _Victor Von Doom?_  O próprio _Seu filho, Fritz Pryde Von Doom está foragido da polícia._ O que? Não! Estão atrasados... Eu já resolvi com a polícia daqui que os homens que vieram atrás de Fritz são de Destino, ele está livre para ir. _Perdoe-me o desrespeito, Doutor, mas é o senhor quem está atrasado. O seu filho é acusado de tentativa de homicídio com intenção de matar contra a jovem Julieta Master._ Contra quem?! Perguntei e então associei os nomes. Mas não poderia ser... Julieta, a parceira dele? Porque Fritz faria isso? Como sabem que foi o filho de Destino quem fez isso? _Ela estava o chamando quando chegamos no local_   E daí?! Eles são muito próximos, ela poderia estar pedindo ajuda _Senhor, encontramos sangue do seu filho no carpete do quarto dela. Se ele não foi o executor, foi vítima como ela e pode ter sido sequestrado. Porém testemunhas o viram entrar no quarto e depois sair, o que levanta as chances dele ter sido o executor. Ele não está em seu quarto, então queremos dar uma olhada neste aqui, com a sua permissão. Se negares voltaremos com um mandado._ Fritz não está aqui, podem entrar... Abri mais a porta os deixando passar, indignado. Aquilo era uma vergonha para mim e Fritz sumido duplicaria o vexame, por não voltar à Latvéria ainda em meu feriado cujo eu estava faltando, POR CULPA DELE! _Ele não está aqui. Obrigado senhor e desculpe o incômodo. Tenha uma boa noite._ Boa noite??! Como espera que eu tenha uma boa noite com uma notícia dessas?! _Senhor, faremos o possível para encontrar o seu filho_ Destino não precisa de vocês para encontrar Fritz! Onde está Julieta? _A caminho do hospital_ Saí do quarto e fui em direção à porta do hotel, chamei o lacaio e dei a ele certas ordens:  Eu quero todos os meus homens de volta a Sacramento, e quero que procurem por Fritz na cidade inteira. Vasculhem em cada canto, cada casa, eu quero ele aqui antes de partir amanhã. E caso alguém estiver  por trás do sumiço dele, eu quero esta pessoa VIVA para EU MESMO MATAR!  _Sim, senhor soberano!_ Assim ele vai e eu continuo a descer para a portaria e pego minha limusine alugada, indo direto para o hospital em que estava Julieta. Entro e pergunto na recpção É aqui que está a senhorita Julieta Master?  A mulher procura no computador e me confirma _Sim senhor, aqui mesmo._  Onde ela está? _Na ala de emergência, sala 07_ Saí sem agradecer e chegando na ala da emergência não queriam me deixar entrar _O senhor não pode entrar aí!_ Eu sou o Doutor Destino, faço o que eu quiser!  Então ela chamou os seguranças e eles vieram tentar me pegar, abri minha mão e apontei para eles. Uma luz azul brilhou na armadura, mas não lancei uma rajada neles. Somente ao ver a luz, ficaram com medo e foram e afastando, tomando cautela pondo as mãos um pouco para o alto. Baixei o meu braço e suspendi o outro, abri minha outra mão em direção à porta e lancei uma rajada de energia a destruindo

Entrei na sala, onde os médicos estavam tesos e um pouco assustados.  Como ela está? Assustados, apenas me olharam sem responder. Ergui a mão apontando color=saddlebrown]Terei de perguntar novamente?
  _Não! Ea está bem, estável... Mas está dormindo..._ Respondeu uma enfermeira Saiam da sala, agora! Todos imediatamente saíram, quando ela passou por mim, a chamei Você não! Fica... Apontei para o chão e ela volta. Me aproximei de Julieta e com o barulho ela acorda. Ao me ver, com a voz fraca, diz V-Victor? Bella mia... Desculpe entrar desta forma Disse a olhando. Se ela pudesse ver minhas expressões por trás da armadura, veria que meu olhar continha ternura Eu sinto muito pelo o que aconteceu... Mas tenha certeza que o culpado disso será desmisericordiamente punido! Julieta quero que me diga... Quem fez isso com você... E onde está Fritz... Disse a olhando sério desta vez.


Última edição por @Parisse em Sab Mar 11, 2017 9:25 pm, editado 1 vez(es)

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Sab Mar 11, 2017 9:08 pm

Hospital Geral de Green Islands, Séc.XXI







Doutor Brad Oux/26 anos X Abaddon
Na cela, eu ficava procurando por alguma brecha, algo que pudesse nos tirar dali. E enquanto eu trabalhava, Luka ficava na esbórnia Uma ajuda aqui seria bem-vinda! Disse com sarcasmo o olhando. Está perdendo seu tempo! Não irá achar saída. Se existe uma prisão de segurança máxima no universo, você está nela... Depois vem a bola da morte. Não! Deve haver uma maneira de sair! Aysha vai morrer se não tentarmos! Disse batendo na grade Já tentamos Brad! E olha no que deu. Isto está além de seu alcance. Ainda que fujamos, só eu tenho chance de sair. O olhei sério até que uma ruiva aparece e derruba os guardas, abrindo a cela. Deus ajuda quem cedo madruga Disse quando ela chegou Ainda não cante vitória... Disse ele a olhando desconfiado, então a mesma prova que é ela mesmo e nos manda correr  "Não há como sair." Debochei do mesmo e saí correndo como mandou a ruiva. Indo em direção reta, uma mulher também ruiva surge em nossa frente Aonde pensam que vão? Fiquei cara a cara com ela e então a ruiva que estava do nosso lado a atacou. Eu cuido dela, vão! Não Gabrielle, não vou te deixar sozinha com uma cavaleira... Lucas precisa de você Luka, vai! Olhei para a ruiva e agradeci. Saí correndo deixando as duas e Luka veio atrás de mim.
Abaddon narrando:
Você de novo... Teve uma chance de sair e está aqui... Mas é muita vontade de apanhar mesmo hahaha Ela me ataca, e sou lançada até o outro lado da parede. Caio e volto correndo para ela, a sufoco com a mente e ergo minha mão, levantando-a no ar. A jogo para as paredes, estourando até mesmo um dos canos de água do Inferno.

Puxo minha mão para baixo deixando-a cair. Com ela deitada, a faço se levantar e então dou dois socos, de um lado e depois o outro, uma joelhada e ela cai de joelhos.
 
Hospital: De repente, a ruiva começa a tremer. Meu Deus, o que está acontecendo?! Ela treme tanto que tira as mãos de Aysha e cai no chão, ainda se rebulindo, sem abrir os olhos. Ela está tendo uma convulsão, precisamos tirá-la daí de dentro! Porém, durante a queda, conseguimos segurá-la e deixá-la cair mais lentamente, diminuindo o impacto. A ruiva começa a salivar muito, Emily rapidamente pega um travesseiro, que é colocado debaixo da cabeça dela, e a pomos de lado. Você acha que ela ainda está lá? É claro que sim, isso não vem do nada... Devem estar torturando-a como fizeram com Aysha. E como vamos tiraá-la? Ela caiu e não acordou... Falo isso enquanto tiramos sua blusa.Tentamos fazê-la acordar, batendo de leve no rosto, jogando um pouco de água fria e nada. Ela deve ter baixado o santo, porque não é possível... Disse quase sem saber o que fazer. Me lembrei de algo então peguei uma seringa e apliquei nela, fazendo-a aquietar-se. Os outro enfermeiros nos ajudam a colocá-la na sala ao lado. Emily chega baixinho Existe uma maneira de tirar demônios dentro de outras pessoa, mas não sei se é verdade... Estou aceitando qualquer coisa agora... _Nós podemos exorcizá-la... Mas eu não sei recitar[/i] Então não vai servir, não é Emily?! Davi, me ajudem... Chamei os outros médicos para ajudar naquele caso.
Inferno: Quando estava quase acabando com ela, novamente ela passa a falhar NÃO! Dessa vez você não vai escapar!! Ela já acorda vindo para cima, de alguma forma ela conseguiu uma força naquele momento. Assim, a derrubo, a pego pelo pescoço, a levanto de novo e meus olhos ficam pretos AAHHHHHH!!

Dou um grito e viro seu pescoço o quebrando, assim ela cai no chão.
Hospital: Ao conectarmos seus sinais vitais com os aparelhos, Gabrielle vira o pescoço e faz um barulho como se tivesse o quebrado. Assim perde os sentidos e desmaia _Está tendo um desmaio, pegue os desfibriladores._ Esse barulho não me parece um desmaio... Falei os observando
Inferno: A vejo se mexer um pouquinho, cerro os olhos e penso: “Ela não morreu... Aqueles panacas lá de cima, estão ajudando-a!” Iria dar uma finalização, quando me afasto ao sentir uma pontada na cabeça. Era um aviso do chefe: “Mudança de planos: A ruiva deve partir.” Suspiro brava mais uma vez e faço seu pescoço voltar ao lugar. Logo chega um demônio de baixa patente Leve-a para o portal... Eu quero entender direitinho o porquê de Satã estar liberando essas pessoas... Disse desconfiada. Ela a carrega até o portal e a joga lá dentro.

Olho ao redor e dou um sorriso, vendo que os outros dois não estavam mais ali. Hum... Acham que podem fugir de mim... Coitados... Sorri e voltei a procurá-los.
Brad narrando: Enquanto corríamos, alguns demônios de baixa patente tentaram nos pegar. Luka os destruía usando seu poder e eu somente a minha própria força e alguns objetos pesados que eu achava por lá. A saída já está próxima... Ele disse um pouco distante atrás de mim. Viro meu rosto para olhá-lo Vamos logo, Luka! Então quando viro o rosto para frente novamente, minha cabeça vai para trás e a de Luka também, somos empurrados nos ar, caindo no chão um pouco longe dali.

Era ela.... Então né... Eu avisei. Ela disse e então, ainda do chão onde estávamos, ela nos fez deitar e sentir uma dor profunda dentro de nós Ahh! Grr!  No Inferno não gostamos de fugitivos. Vão se arrepender de terem escapado. Irão conhecer a jaula... Nós... Já conseguimos... Sair uma vez... Ahhh! Era difícil falar, aquilo estava me destruindo ...Vamos... sair outra vez... Você não conhece A Jaula Ela disse com entonação. Não gosto disso... Então um homem meio assustador de barba pontuda e cabelos brancos, veio andando do fim do corredor ou viela, não sabia bem o que era aquilo exatamente, o Inferno era enorme

Abbadon, pare! Ela diz aumentando a intensidade Agora não, Cain... Abaddon! Ela para e o olha meio irritada Não machuque o médico. Ele está liberado. O que?! Mas como assim?!! Ordens de Satã. Ela inspirou fundo com raiva Mas o que ele pensa que está fazendo?! O inferno precisa de almas! Resmungou e com a mente me fez levantar É muita sorte. Se voltar aqui de novo, eu te mato. Não se preocupe quanto a isso, não pretendo voltar tão cedo. Vamos... Disse Cain ao meu lado e eu o acompanhei. Enquanto andava, fiquei com um pouco de medo, mas resolvi me arriscar Então você é Cain... O cara da bíblia? O irmão de Abel, sim, sou eu. Ah... balancei afirmamente a cabeça Aonde estamos indo. Isto está mais para “aonde VOCÊ está indo”. Satã te liberou, você pode voltar ao plano físico.  Meus olhos brilharam ao ouvi-lo, andamos até o portal e eu pulei, voltando ao meu corpo.

Eu abri os olhos e afundei na banheira de gelo. Rapidamente sai, me levantando. Mas havia um problema... Era Luka que me deixava vivo. Sem ele eu não viveria muito tempo. Quando me pus de pé, caí. Não sei por quanto tempo eu suportaria. Quando adentrei a sala de cirurgia, fui logo recebido por um abraço de Emily  Brad! Me desequilibro caindo em seus braços. O que aconteceu? Você está bem? Não muito... Falei tremendo de frio. Vi Lucas e Aysha e então falei Percebo que todos nós conseguimos sair... Mas Lucas, seu pai não conseguiu... Eu nem pude tentar ajudá-lo, estava em desvantagem, me desculpe... Eu não tenho muito tempo... Era Luka quem me deixava vivo... Sem ele eu irei morrer... Disse olhando a todos.  Reparei como Aysha estava acordada e bem Pelo menos tudo isso valeu a pena... Estão todos vivos... Dei um pequeno sorriso e até Kim veio me dar um abraço Sabia que voltaria Disse a mesma sorrindo. Aysha ficou admirando seus bebês e enquanto isso eu e Emily fomos para um canto mais reservado. Me sento e ela me arranja um cobertor e um chocolate quente para me aquecer pois havia passado muitas horas no gelo

Eu fiquei tão preocupada com você... disse me dando o chocolate Pensei que não pudesse voltar. Ou que voltaria como Luka que nem da outra vez  Antes fosse. Sem Luka eu irei morrer Emily... Não sei o que fazer. Você não pode morrer Brad, porque... El foi se aproximando e se abaixou. Eu apenas a olhei segurando a xícara Eu te amo... E então me beijou loucamente, retribuí seu beijo, mas não na mesma intensidade e então virei o rosto O que foi... Não gosta de mim? Ela disse, passando a mão em meu cabelo. Eu ainda sentia um pouco d frio, apertei mais o cobertor em mim mesmo É claro que eu gosto Emily... Mas não dessa maneira... Eu já gosto de outra pessoa... E ela se chama Julieta... Disse logo pensando na mesma. Onde ela deveria estar agora? Pensando bem, seus poderes de cura podiam me fortalecer por um tempo. Emily não aceita muito Entendi... Fala com voz de choro e sai de onde estávamos Emily... A chamo, mas ela não volta. Com dificuldade me levanto e vou ver o que houve com Gabrielle. Descobri seu nome por Luka, Na cama, ela estava ligada à aparelhos, desacordada. O que aconteceu com ela? Foi tudo muito rápido e estranho Brad... Mas eu tinha um mau pressentimento quando Lucas a mandou de volta. Ela estava com as mãos em Aysha e começou a tremer. Teve uma convulsão, prestamos socorro na hora mas ela não saía de Aysha e nós não fomos capazes de fazer um exorcismo. Fizemos os procedimentos enquanto ela ainda estava lá, foi o que a salvou. Mas ela teve uma embolia gasosa, não acredito que vá sobreviver... Se bem que ela é um demônio, ela pode resistir. Uma embolia gasosa fora d’água ou sem diferenças de pressão... Como é possível... Questionou-se a mesma Abbadon acabou com ela... Essa garota me salvou, Kim... Disse passando a mão no cabelo da ruiva Vou preparar Lucas... Disse indo até o mesmo. Chegando lá, encontro Aysha nos agradacendo pelo trabalho Não precisa agradecer... É o nosso trabalho. Na verdade está um pouco além dele, mas acontece... Disse com um curto sorriso, já sentindo tontura. Não se preocupe Brad, ele voltará. Tenho certeza. Disse Aysha com convicção. Assim eu espero... Disse a olhando e continuei ouvindo as outras coisas que ela tinha a dizer. Achei o modo como ela agia estranho, parecia uma despedida. Olhei no monitor e estava tudo ótimo com ela. “Será que poderia estar nos escondendo algo?” Pensei ficando sério, olhando para um ponto da sala.

Heisel Striker X Myusha Strieker
Desacordado no chão, Alanis faz em mim uma massagem cardíaca, me fazendo despertar tossindo  Cof! Cof! Cof! Cof! O que... O que aconteceu? Onde estão os bebês? Cof! Cof! Está tudo bem com eles. Você deve repousar...  Disse a doutora chinesa. Ela se vai e Alanis me leva para uma sala no carrinho que transportou os bebês. No meio do corredor outros enfermeiros a ajudam a me levar e sou trazido para esta sala da emergência, com um outro médico que me atende. _Essa foi por pouco, mocinho... Se passasse mais um tempinho lá, teria danos no cérebro. Apenas o olho e suspiro _Você é muito sortudo... Esteve num incêndio e suas queimaduras parecem ser tão superficiais que provavelmente se curarão em uma semana. Acho que isso sim é o que podemos chamar de milagre. Esses outros machucados, você pode tratar agora. Mas acerca do incêndio, beba água e vai ficar bem._ Certo, obrigado Doutor... Disse e o mesmo sai, me deixando com Alanis sozinho ali. Ela estava cuidando das minhas feridas e tinha posto gelo em minha perna inchada. Vocês mutantes são mesmo muito sortudos... Se fosse eu em seu lugar teria sido frita... Acho que te devo um obrigado por me salvar... Disse a mesma sem me olhar, só fazendo os curativos Sem problemas... E claro, eu não te deixaria morrer lá... Assentiu com a cabeça e um silêncio tomou a sala. Pronto... Vai ficar bom logo. Continue pressionando o gelo na perna  Se afasta Tá... Aperto o gelo em minha perna com mais força, fazendo rapidamente um pequena expressão de dor, mas logo voltando ao normal Alanis ou melhor, enfermeira... Preciso falar com uma pessoa... Ela suspira Pode me chamar pelo nome. Quem você quer? Ela manda um outro enfermeiro ir chama-lá. Me recosto na cama um pouco preocupado, pressionando o gelo na panturrilha.
Myusha narrando:  
Sem ter muito o que fazer apenas continuava sentada assistindo a TV. Com o tédio eu ia ficando sonolenta e isso era bem arriscado para mim. Eu não gostava de dormir à noite, sentia que coisas ruins aconteciam... Não sei se eram por causa dos pesadelos que tinha ou do sangue manchado no leçol quando acordava. Só sei que algo acontecia quando eu dormia à noite e não devia ser nada bom. Ao dormir de madrugada, lá pelo amanhecer eu ainda tinha os pesadelos, mas as manchas de sangue e o mau pressentimento não apareciam. O problema é que, já fazia horas que o relógio não parava de marcar meia-noite. Eu ia fechando os olhos lentamente e quando via que estava cedendo, despertava tentando me concentrar à TV. E assim continuei  por alguns minutos quando dormi acabei dormindo não sei por quanto tempo, mas creio que foram só por alguns minutos. Nisso, sonhei que eu tinha me levantado ido para o almoxarifado e lá tinham três pessoas. Eu matei todas as três e bebi de seus sangues. Eu estava com muita raiva e muita fome. Depois que estava satisfeita, limpei as mãos na roupa e a passei na boca, limpando-a. Assim os tranquei e tomei o caminho de volta onde estava. Quando me sentei na cadeira, uma pessoa vem falar comigo _Senhorita? Senhorita..._ Acordo, com um cara me balançando _Senhora? Alô..._   Opa! Oi... Hehe, desculpe... cocei os olhos e senti um gosto de sangue na boca, mas eu não parecia ter mordido nada... _Está tudo bem, eu imagino o seu cansaço. Esta noite parece interminável..._ Nem me diga.... Disse passando a mão na cara _Olha, tem uma máquina de cfé ali que pode ajudar... Estava quebrada há algumas horas, mas alguém consertou..._ É, eu já vi... Acredite já fiz muito uso dessa máquina aí. Têm sido minha leal parceira desde que cheguei aqui, ou melhor... Desde que... Consertaram... Disse a última palavra cerrando os dentes por que foi Sam quem fez isso. _A senhorita está com a mocinha que veio ter o bebê, certo?[/color] Sim Falo já mais atenta _Ela estava acompanhada de um menino loiro..._ Sim, Hei... Ia falar o nome dele quando lembrei que éramos procurados nrich... Heinrich esse... É o nome dele... Assenti com a cabeça Mas o que, o que tem Hei...nrich... Heinrich, o que aconteceu com ele? Sempre me confundiaXP _Parece que ele estava na sala das incubadoras quando  o gerador explodiu_  O que? E ele foi atingido? _Parece que sim..._  E como ele está? _Parece estar bem. Vim te chamar porque ele pediu._  Ok. Disse e o acompanhei. Na passagem havia uma porta com o vidro fino que dava para se ver. Minha boca e rosto estavam limpas. Mas então porque aquele gosto ruim?
Heisel narrando: Quando a vi chegar na sala, me ajeitei na maca. Agradeci ao enfermeiro e ele saiu fechando a porta e ficamos apenas eu, Myusha e Alanis ali. Então, err... Achei que ficaríamos à sós... Não se preocupe, ela está do nosso lado. Myusha a olhou estranho e desconfiada. Ela não confiava nas pessoas Olha Heisel, acho melhor vocês ficarem à sós... Não, você pode ficar... Acho melhor não, é um assunto de família... Darei 10 minutos a vocês. Ela disse saindo da sala Nem vai precisar tudo isso. Olho para Myusha e resmungo Poha, você, viu... Estamos entrando no ano zero e você dando em cima de enfermeiras? Ô, se for para morrer, que seja feliz né hehehe

Ela sorriu fechado e revirou os olhos Mas sim... E aí, tá tudo bem?  Tô tranquilo... O gerador explodiu em mim mas não me machucou tanto. Os meninos que me torturaram na sala, não por muito tempo, já que Alanis conseguiu chamar Lucas bem rápido Como eles te torturaram? Perguntou de braços cruzados Foi só fisicamente... Me tiraram do chão e fizeram as coisas da sala girar, que nem naquela vez que vieram aqui quando ainda estavam na barriga de Aysha. As coisas ficaram girando num círculo em que eu estava no meio e quando eles queriam elas se jogavam em minha direção. Eu conseguia queimar algumas antes de chegar em mim mas, levei umas porradas... Mostrei algumas queimaduras leves, o braço roxo e a perna com um corte Vixe... Mas me dei mal também porque como a sala estava em chamas o ar começou a ir embora e aí eu não consegui mais respirar. Foi o que me fez desmaiar. Acho que se não tivessem chegado logo, eu poderia ter morrido. Estava quase perdendo a consciência. E o que vamos fazer com essas crianças? Eram terríveis dentro da barriga, imagine fora! É o que teremos de descobrir. Te chamei aqui para me ajudar a cuidar delas enquanto Gabrielle está com Aysha. Tudo bem... Mas você... Já... Pode... Levantar? Claro que sim, não estou aleijado. Ela deu de ombros e eu fui com a mesma até a porta, quando abri Alanis estava lá Heisel, você precisa ficar em repouso! Precisa comer as ameixas que Lucas mandou. Tá de boa Alanis, relaxa. Onde vocês deixaram os bebês? Os vi passando há pouco tempo com um enfermeiro, em direção à sala de cirurgia em que sua irmã está. Chamaram também uma moça chamada Lúcia... Lúcia, sim. É a mãe de Lucas. Ela sabe como acalmá-los. Disse olhando Myusha Ótimo. Então está tendo uma festa na sala de cirurgia e nós não fomos convidados? Cruzo os braços Na verdade foram, mas Heisel precisava do repouso... Myusha torce a boca Onde é a sala de cirurgia? Alanis vem com a gente até a sala que Aysha estava. Os enfermeiros estavam  entregando-a os bebês quando chegamos. Myusha ainda não tinha ido lá e fica feliz ao ver Aysha, dando um suspiro de alívio Graças a Deus... Será que pode pedir aos seus filhos para adiantarem o relógio? Eu preciso muito dormir... Aysha sorri e diz brincando Não é culpa minha... Aysha começa então a nos agradecer e seu semblante até parece triste, mas decidido Agora sim, alguém reconhece o trabalho de Heisel, finalmente! Ela fala sobre um último pedido, mas que mentezinha, ela realmente achava qie não ajudaríamos a cuidar dos pivetes? É claro que vamos cuidar deles Aysha, nem precisa pedir É, mas também não abusa. Você que vai trocar as fraldas... Ainda me olhando, sorri fechado, seus olhos ficam vermelhos e então ela segura a mão de Lucas, mas séria. Diz que ele teria de perdoá-la o que me faz prestar a atenção Aysha, está tudo bem? Se quiser nos contar algo, pode contar... Estimulou Myusha já decifrando a situação...

Aysha Striker/16 anos
Fiquei perturbada tentando pensar no que fazer. Lucas discutia com Cain, algo que eu já não achava bom... Você já é igual a mim Lucas... Mas eu posso te deixar melhor que eu... Ou acabar contigo. Você quem escolhe. E sobre matar quem não tem nada a ver... Só cumpro ordens. Ao ouvir as reclamações de Lucas, Cain aparentemente não gostou ou se sentiu meio ofendido. Pegou a sua espada e a colocou no pescoço de Lucas, de forma horizontal Não! Por favor, não! E Satã me segurou. Respirei mais aliviada quando vi que ele não iria atacá-lo. Mais respeito ao falar comigo! Minhas ordens foram te matar, mas acredito que tenhas um grande potencial para ser assim desperdiçado. Deveria se sentir orgulhoso, pois fostes o escolhido a tê-los, Satã só os daria a quem ele realmente confiasse força. Diferente de como pensa foi Lúcifer quem os fez. Eu crieis estes homens que estão comigo, os cavaleiros do inferno. Seus filhos são cavaleiros do Apocalipse. São patentes diferentes. Ele disse o olhando. Lucas ouviu minha voz pelo grito que dei e olhou para mim, me chamando Lucas... O olhei, ainda sendo segurada pelo outro. Deixando meu braço invisível, consigo me soltar e dar mais uns passos à frente, ele percebe que estou curada e então digo Você precisa sair daqui, Lucas! Deixe minha mente para mim... Dou mais um passo, e Satã novamente segura meu braço. Lucas o manda me soltar e então baixo, foi quando ele me disse que Lucas seria morto antes de eu chegar até o mesmo. Ele queria que eu fechasse o contrato... Mas eu não podia fazer aquilo! Lucas nunca iria me perdoar. Ele me manda fugir, como se eu já não tivesse feito antes, me soltei novamente com a invisibilidade e fiquei encarando o demônio com uma cara feia. Lembrei-me do que havia me dito “Nós estamos ligados Aysha... Ligados pelo nossos filhos... Este lugar é inteiramente meu, não há lugar aqui que eu não possa te achar...” Eu estava desesperada e sabia que o cavaleiro não hesitaria em matá-lo. E eu só sabia quem ele era porque o maligno havia me contado. Lucas me pressiona mais então eu corro.

Mas não para longe... Ele estava certo... Não haveria lugar no inferno em que ele não me encontrasse...
Hospital: Lucas e a ruiva saem da mente de Aysha, eu e Emily respiramos de alívio Ah... Graças a Deus... Mas e Brad? Onde ele está? Perguntou Emily quase querendo chorar Estão o machucando Lucas... Ele está com marcas nos pulsos... Vou até a mesma confortá-la Calma, ficará tudo bem... Lucas pede para a ruiva, cujo nome era Gabie, ajudá-lo a derrotar os demônios. Ela bravamente aceita e volta à cabeça da morena Tome cuidado... Disse à mesma antes de ir. Por algum motivo, tive um mau pressentimento. Eu e Emily então, passamos a tirar os curativos que tínhamos colocado, todo o seu corpo já havia cicatrizado. Ele nos conta sobre Aysha ter melhorado É, nós percebemos também... Ela tem permanecido estável por uns 30 minutos... É um novo recorde... Brinquei, tirando e higienizando com álcool, o antigo ferimento da perna. Olhei para Emily que não estava nada feliz com Brad preso lá dentro Você consegue tirar o doutor de lá, não consegue? Perguntei o olhando. Logo, Alanis chega e fala do loiro que está preso lá dentro. Como Gabrielle veio e já voltou, só Lucas mesmo para nos ajudar. Ele pergunta o que aconteceu e ela responde Heisel, ele... Ficou preso lá dentro na sala das incubadoras! Aqueles bebês, eles... Eles são uns demônios! Suspirei com um certo ar de riso, mal sabia ela que eles eram demônios de verdade. Eu fui com ele e ela para onde o loiro estava e deixei Emily vigiando Aysha e Brad, caso acordasse. Chegando lá, Lucas resgata o loiro desacordado. Nos manda dar-lhe ameixas, não entendo muito bem o porquê mas assento com a cabeça. O mesmo tenta sair agitado Mas Lucas, espere! Então devemos deixar seus bebês sozinhos? De qualquer jeito u de outro eles irão acabar com a sala e talvez o hospital! Precisamos de alguém para controlá-los e eu não posso fazer isso... O mesmo me responde e depois se vai. Toma cuidado! Falei com o mesmo já ao longe. Alanis, fazendo os primeiros socorros em Heisel, o faz acordar, com um enorme inspiro, abrindo os olhos e tossindo O que... O que aconteceu? Onde estão os bebês? Está tudo bem com eles. Você deve repousar...   Vamos levá-lo daqui! Os carrinhos de bebê são grandes o suficiente para transportá-lo. É uma boa ideia... Me levanto e pego um dos carrinhos, assim com a ajuda do mesmo, o colocamos ali e o levamos para uma outra sala, onde Alanis fica com um outro Doutor para realizar alguns exames no jovem. No caminho de volta à sala de cirurgia eu pedi à um funcionário que não deixasse ninguém, nem ele mesmo entrar naquela sala, como Lucas havia dito.
Inferno: Enquanto corria, uma memória mais ou menos antiga me passou pela cabeça...
|Flashback on: Foi no meio do ano passado, bem antes de eu vir para a escola de crianças superdotadas. Eu estava namorando com Blake e no nosso aniversário de 3 meses ele queria me mostrar o seu quarto. Para qualquer um, isso pareceria algo totalmente imbecil e irrelevante, mas o quarto de Blake, não era comum. Desde os 6 anos, ele não deixava absolutamente ninguém entrar em seu quarto. Não se sabia o certo porque, mas eu descobri depois que era para nos proteger de criaturas malignas... E agora eu entendo do que Blake queria me proteger... _Uau... É uma decoração... Um tanto... Diferente...

Pode dizer: macabra Sorri meio tímida o olhando. Em certa parte, parecia um quarto de um adolescente normal, com umas guitarras, computador e a bagunça, mas em outra parte, havia símbolos estranhos marcados na parede, fora umas manchas pretas e umas gosmas verdes porém secas. Havia objetos que pareciam ser de bruxaria, livros de capas escuras, e em alguns lugares, se você reparasse bem, podia ver algumas gotas de sangue.

Acho que sempre deu para perceber que eu sou muito estranho... Que meus poderes não são habilidades naturais como as de vocês... Bem, têm essas mas... A maior parte deles vêm de lá de baixo... Há uma parte de mim que é muito ligada com a magia negra e essas coisas são perigosas... Uma vez que te encontram, nunca pararão de te perseguir. Por este motivo, eu não deixo que venham aqui... Sempre tem alguma delas por perto.... Nossa Blake... E o mais incrível é que você desenvolveu essa mentalidade... Com apenas seis anos! Ele sorriu tímido desta vez, abaixando a cabeça. Me aproximei do mesmo e levantei sua cabeça pelo queixo Você é muito especial. Sorri e entrelacei minhas mãos por trás de seu pescoço o beijando. Depois disso ele me mostra mais algumas coisas e umas cartas me chamam a atenção. Elas tinham imagens de anjos e tinha o nome deles embaixo deles.

Pego para olhá-los e começo a ler seus nomes em voz alta. Aysha, não! Blake vem até mim e tira as cartas de minha mão. O que eu acabei de dizer? Ele disse com um sorriso Desculpe, mas... Você sabe muito bem que eu não resisto em tocar nas coisas... Eu sei, mas não é qualquer coisa que pode tocar aqui. Mas o que é que tem? São só anjos... Eles são do bem, não são? O loiro torce a boca Não são simplesmente anjos. São anjos caídos. Você diz o nome deles e se eles ouvirem podem achar que está os invocando, ou os provocando, não é seguro. Existe todo um modo de falar deles sem que lhes chamem atenção Ai, tudo bem entendi... Achei que Lúcifer fosse o único anjo caído Claro que não... Com ele foi uma tropa de anjos. Sabe... O apocalipse nada mais é que uma profecia de uma briga entre irmãos. Um apoiava a Deus, o outro não e então houve uma guerra lá no céu e os perdedores foram expulsos. Quando o fim dos tempos chegarem, o que perdeu tentará de novo ganhar de seu irmão, mas desta vez dominando a terra e o céu, dominando assim todos os lugares da esfera do outro plano, exceto o purgatório que se mantém um lugar neutro. Sorri abafado Purgatório... Não acreditava nisso de verdade. Mas acredite... Existe... Então... Lúcifer foi o perdedor? Disse pegando a carta com o nome e imagem dele. Ele foi um dos. Diz ele juntando as cartas num motinho. Blake pega uma outra carta e me mostra Este é Miguel. Arcanjo superpoderoso que derrotou o exército inimigo com sua espada de arcanjo. Quando as tropas inimigas ressurgirem sobre a terra, ele descerá para lutar em prol do céu novamente... Então Miguel derrotou a tropa de Lúcifer... Sim, mas Aysha, tem de parar de pensar em Lúcifer como o principal. Ele era um soldado. Um grande e poderoso soldado claro, ele era como se fosse o general, mas não o marechal da tropa. A igreja católica não revelou muito o nome do anjo líder da tropa. Ele é o Diabo, não Lúcifer... É sério? Sim... Você só achará o nome dele nos livros proibidos que estão guardados à 7 chaves no index deles. Como ele se chama então? Ele pega a carta com o anjo misterioso Esse aqui é o verdadeiro Satanás... O rei do inferno. Diz ele aproximando a carta do meu rosto. Abri a boca para falar o nome dele, quando Blake põe seus dedos em meus lábios Shh! Não fale o nome dele. Negou com a cabeça. Pego a carta de sua mão e leio o nome do anjo em minha cabeça. |Flashback off
Eu sabia que o Diabo me procuraria assim que me pusesse a correr e foi o que fez. Por isso, assim que saí, voltei para o mesmo lugar, assim achava que ele demoraria de me encontrar. Voltando para onde eu estava, vi que Lucas não estava mais ali. Suspirei de alívio em ver que ele havia voltado. Sensação que não demorou muito tempo já que a criatura já estava novamente tocando em meu ombro  Muito esperta... Mas Aysha, lembre-se... Eu sou o pai das trapaças, da mentira... Fui eu quem as criei. Não podes me vencer. Eu sei Disse firme, me virando e o olhando. Ele já estava com outra aparência. E sei também o seu nome... Você se chama Samael... O rei do inferno. O outro por mais que tentasse esconder, era possível ver um certo sorriso em seu rosto. Ele queria ser reconhecido  Então me conhece? Infelizmente sim... Já tive o desprazer... Sempre soube que era uma pessoa culta. Que não sairia acreditando em qualquer coisa que aquele gordo do chapéu branco espalha. Eu quero fazer um trato.  Fazer tratos comigo não é brincadeira. Só pode fazer se puder cumprir. Também sei disso, mas se for o único jeito, então eu vou fazer. O que você quer... Eu quero que deixe Lucas em paz! Tanto ele quanto os meninos. E Heisel, e meus pais, Luka, Brad, todo mundo! Deixe-os em paz! E eu ganho em troca... A mim... Como disse antes. Sabe que para ficar comigo, terá de morrer, não sabe? Abaixei a cabeça  e fracamente respondi Sei Hmmm... É uma oferta e tanto, mas não posso liberar todos. Luka fica. O que? Não, só fico se liberar todos. Então não haverá trato. Fico sem saber o que fazer, eu queria acabar logo com aquilo, Lucas tentaria me tirar dali a qualquer custo e ele iria se machucar feio. Mas porque... Eu tenho os meus motivos Aysha... Eu quero ele aqui comigo assim como quero você. Ele diz se aproximando de mim e pegando em meu queixo. Uma luz começa a aparecer por dentro das espadas, era Lucas voltando. Não terei pena desta vez. Ele disse com um sorriso maligno Se voltares por conta própria, eu o solto. Mas antes preciso resolver com ele algumas coisinhas. Falou misterioso Eu aceito... Fique com Luka e libere os outros. Perfeito... Precisamos selar este contrato... Nós demônios não usamos papeis e canetas. Tem que me beijar. Fechei os olhos odiando a ideia só em pensar, olhei para trás para a luz que vinha, e pensei em Lucas. Ele fez tanto por mim... Eu tinha que fazer pelo menos uma coisa por ele. Está bem e assim será. Mas preciso de tua ajuda com uma coisa. Lucas não pode saber deste contrato. E nem vai desistir enquanto não me tiver de volta. Então antes de me arrebatar de vez, me dê um último momento com eles lá em cima... E depois serei sua como o combinado. Ele ficou meio relutante, estava com um pouco de pressa pois o mesmo estava voltando Vamos, Samael! Eu preciso de uma resposta! Não vou fugir de você, eu nem tenho como... Eu aceito. Com nojo, beijei a criatura, selando nosso pacto. Lucas chega, como sempre soltando uma gracinha, num susto, me afasto rapidamente do Diabo, que novamente segura meu braço, na certa, para fazer Lucas pensar que ele estava me maltratando. O ouvi dizer “cunhado” então quer dizer que estavam atacando Heisel... Eu realmente precisava fazer aquele trato. Era o único modo de salvá-los do que passei. Lucas me vê com o maligno e me manda correr, Samael então pega um canivete e finge uma cena de agressão, fazendo um pequeno corte em meu pescoço. Vejo como ele fica desesperado, queria tanto lhe contar a verdade, mas não poderia, para o seu próprio bem. Então o mesmo dispersa os outros cavaleiros que também já receberam ordens para não revidar e vem até mim, jogando o outro para longe, olhando meu ferimento. O olho meio que engolindo a seco e ele me beija, retribuo seu beijo e quando nos separamos, o olho meio aflita, eu não queria deixá-lo... Ele me manda sair Eu não posso sair é a minha mente! Rebato e então ele diz que sou muito mais poderosa que todos ali por ser minha mente. Vejo Satã nos olhando sério do fundo, olho para Lucas e digo Você tem razão! Todos vocês saiam daqui agora! Essa mente é minha! De repente os cavaleiros começaram a queimar num fogo que surgia de seus próprios corpos e no fim derretiam, o espírito de Satã saiu do corpo que o possuía e sumiu. Seguro na mão de Lucas e fecho os olhos. Assim, subimos para o plano físico. Abro os olhos no hospital e ele também.

Hospital: Onde estão... Onde estão os bebês? Pergunto querendo vê-los. Eles estão bem, Aysha, não se preocupe... Diz Lucas e então o beijo. Com carinho e longamente, passando a mão em seu rosto, em seu cabelo, e quando nos separamos disse segurando em seu rosto e o olhando nos olhos Eu te amo, Lucas... Ainda que não pareça... Eu te amo... Logo Brad sai da sala do fundo, vestido apenas pelo jaleco Posso saber onde está minha roupa? Ele pergunta e então a enfermeira loira corre o abraçando, ele retribui o abraço afagando seus cabelos e depois cumprimenta a enfermeira chinesa. Obrigado meninas... Obrigado mesmo por tudo... Não tem de que, Brad... Sua roupa está ali no corredor... A mesma sorri e ele vai se vestir. Seus filhos estão muito agitados Aysha... É melhor não trazê-los agora... Eles ficarão calmos comigo e Lucas aqui... Acreditem em mim... Lucas, meu amor... Pode ir lá buscá-los por favor? Sim... Ele vai buscá-los, peço às enfermeiras que deixem entrar Heisel, Lúcia e Myusha, eu queria falar com eles. Então me contam o que aconteceu com ele, mas o mesmo teimoso, quando ouviu que chamaram Myusha para me ver, quis vir também e foi quando Lucas chegou com os gêmeos. Dei uma risada abafada, quase chorando de emoção. Os colocaram em meu colo e eles eram as coisas mais fofas que já tinha visto na vida. Nem dá para acreditar... Que eles fizeram tudo aquilo com a gente... Falo com Lucas sem olhá-los, ainda os admirando. Eles choraram um pouco, pareciam estar com fome então dei de mamar à eles. Eles são... Tão lindos... Tão... Nossos Disse o “nossos” quase num sussurro o olhando, Lucas me deu um beijo na cabeça e os meninos não ficaram no peito por muito tempo. Dei um beijo em cada um com um sorriso e disse Eles vão precisar muito de vocês... Eu tenho que agradecer muito a vocês de verdade por terem feito tudo por mim... Por mais chato que fosse, quando eu mais precisei, você me ajudou Heisel. A você Lúcia, Brad e às enfermeiras, eu... Nem sei o que dizer... Myusha... Assenti com a cabeça e a mesma soltou um leve sorriso fechado retribuí o sorriso e continuei dando um suspiro Mas preciso fazer um último pedido... Cuidem deles... Por mais que às vezes os machuquem, mas cuidem deles... Vocês podem tirar essas maldades que eles têm, eu sei que podem... Disse olhando o pessoal, Brad parecia meio tonto e então falei Não se preocupe Brad, ele voltará. Tenho certeza. Assim eu espero...  Olhei os bebês. Nos pequenos ouvidinhos deles bem, mas bem baixo eu sussurrei Adeus meus amores... Mamãe ama vocês... Então os dei logo dei à enfermeira que os levou para as incubadoras. Uma lágrima saiu do meu olho esquerdo e eu passei a mão secando-a. Lucas se aproxima e eu pego sua mão. O mesmo me olha e eu olho para ele mais séria Você vai ter que me perdoar... Digo sem soltar a sua mão.

Inferno








Abaddon/Cavaleira do Inferno
O outro se vai e Luka fica. Lanço-lhe um sorriso enquanto se levanta e vou me aproximando Estamos sozinhos agora... Pois é, eu não estou cego. Sorrio abafado Olhe só que ironia... Não entendo a ironia disso Eu queria mesmo ficar à sós com você. De um modo ou outro eu ia acabar matando aquele médico Pois é, todos nós sabemos disso. Mas porque não pulamos as formalidades e vamos logo para o principal, não é mesmo? Ele diz e então me ataca. Seguro seu braço, ponho-o para trás e o aperto contra mim, deixando-o de costas  Tsc tsc tsc... Luka Luka... Você é forte... Mas não tanto assim... O faço abaixar e ficar no chão. O seguro pela gola e passo a mão em seu cabelo o olhando sexy

Continuo alisando seu cabelo Você faz uma garota ter pensamentos safados... Tão bonito, tão forte... Você podia ser um dos sete príncipes do inferno, Luka Desço lentamente minha mão até seu casaco e o abro, ele segura minha mão mas continuo mesmo assim Mas não... Você preferiu desistir daqui e se casar com aquela humana patética! Abro seu casaco, passando a mão em seu peito. Ele faz cara de desgosto enquanto conversamos

Mas o destino se encarrega de pagar todos nós. Por sua traição o que você ganhou em troca... Um filho amaldiçoado desde o nascimento a trazer o fim dos tempos... Você sabia disso... E sempre tentou protegê-lo... Mas não pode lutar contra o Destino Luka... Não pode... Ele solta uma risada abafada Pode dizer o que quiser de Lucas... Mas quando ele tiver a chance, vai voltar aqui para acabar com você.  Hahahahaha!! Até parece... Agora que está de volta, é a sua chance de redimir. E quem sabe, talvez, e um grande talvez... Satã fique bem contigo de novo e quem sabe você não ganha um dos principados? Eu seria a sua princesa... Falo, tocando em seu queixo

Ele faz uma expressão de raiva, mas depois que eu termino, novamente sorri abafado Nem depois que Lucas te matar.

O olho feio e o pego pelo pesoço o jogando forte para o outro lado. Um outro demônio vem pegá-lo Vamos ver se vai continuar com suas gracinhas depois de uma estadia aqui. Levo-o para jaula. Digo o olhando ser levado com um sorriso.

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  Donafofis em Sex Mar 17, 2017 4:26 pm

Século XXI


Quando ela faz o que eu digo todos os demônios que estavam ali começam a queimar, sorri os vendo sumir, ela pega minha mão então saimos de sua mente, coloco a mão na cabeça, fiquei tanto tempo entrando e saindo da mente de alguém que nem percebi tamanha dor, então ela pergunta sobre os bebês sorri lembrando de seus rostos.. Eles estão bem Aysha, não se preocupe.. Disse então ela me beija, retribuio delicadamente, quando nos separamos ela diz que me ama, o que achei estranho mais não me importei, então Brad estraga o meu prazer.. Aah Brad! Qual é! Se vista! Disse colocando o rosto no pescoço de Aysha para não ver a cena, quando ela me pede para ir buscá-los balanço a cabeça positivamente... Sim.. Disse e sai da sala, fui até as salas onde estavam os bebês e tinha um cara ali ele me segura e não me deixa entrar, arqueei uma sombrancelha.. Eu lutei contra um exército de demônios dentro da mente de uma mulher, e ainda por cima tive que bater em dois demônios que queriam me matar... Acha mesmo que vai conseguir me impedir de entrar!? Disse com as mãos nos bolsos da calça, ele engoli seco mas não acredita, sorri abaixando a cabeça então dou um forte soco na parede fazendo destruir uma parte.. Cai fora! Seu mané! Disse então rapidamente ele sai da frente, devagar entro na sala que estava normal, nada de destruição, me aproximei os olhando, eles me olham então os pego delicadamente no colo cada um de um lado, fui devagar para a sala onde estava Aysha, vi sua reação quando os ve, dou eles em seu colo beijo sua cabeça ainda os olhando, ela da de mamar para os dois, eu cruzo os braços a escutando falar com eles, arqueei uma sombrancelha então solto meus braços a olhando estranho, então começa a agradecer como se estivesse se despedindo, ela da os bebês a enfermeira que pega e sai da sala, ela pega as minhas mãos... Que negócio é esse de Adeus ? Disse começando a ficar irritado, ela pega as minhas mãos então no mesmo momento solto violentamente, a olhei nos olhos lendo sua mente... O que... O que... Dizia mas não conseguia completar, balançava a cabeça negativamente, quando ela disse perdão minha expressão de confuso vai para nervoso serrando os dentes.. PERDOAR AYSHA!? Quer que eu te perdoe!? Disse ofegante, me virei para todos os nossos familiares e apontei uma das mãos para eles e a outra para os enfermeiros que estavam lá dentro, no começo ela gritou meu nome achando que eu iria machucar eles, mas eu simplesmente os levitei rapidamente para fora do lugar, tranquei a porta ainda com a mente então me virei para ela, segurei firmemente o seu braço, estava tão irritado que nem percebi que comecei a ficar instável queimando seu braço... O que você fez Aysha Striker!? Eu estou protegendo vocês Lucas.. EU NÃO PEDI PARA QUE ME PROTEGESSE! EU NÃO PRECISO DE SUA PROTEÇÃO GAROTA! O QUE VOCÊ FEZ SUA BURRA! Disse então me afastei me virando de costas para ela ainda ofegante ela toca em min então me afasto violentamente... Não me toque! NÃO ME TOQUE! Disse pegando um dos vidros e tacando no chão fazendo o mesmo destroçar e fazer uma grande barulho, respiro fundo sentindo meu demônio queimar, eu estava querendo perder o controle coloquei a mão na boca sentindo uma ponta, uma presa, meus dentes tinham crescido, balançei a cabeça negativamente então abri a porta rapidamente correndo para fora do lugar, já lá fora escuto ele falar comigo... "Nossa! Quase!" Cala a boca! Não me estressa seu demônio! " Ain... Maguou.. Quer saber! Faz tempo que estou aqui! E sabe que um dia vou sair não é!? Por quê não agora?! Ha! Ha! Ha!" Você deve estar adorando esse joguinho não é!? Quem te fez!? Cain!? Grr.. Disse serrando os dentes encostando na parede... "Olha garoto... Eu sei que você queria ser um humano normal... Mas você é um demônio e não pode mudar isso! " Eu sei que sou um demônio! Então... Então sai de min drog@! Quando disse sair de min lembrei dos pensamentos de Aysha e a "tal" proposta, entrei no quarto puxando Brad junto com a mente sorri e disse.. Fala Aysha! Fala para a pessoa que salvou seus filhos e sua vida! Fala que meu pai está preso no inferno separado de Brad! Fala que ele tem pouco tempo para morrer! Falei irônico, Brad fica confuso então berrei... FALA AYSHA!! ABRA ESSA MERDA DE BOCA!! Gritei sério a olhando fixamente esperando sua resposta... Mas não diga que foi para nos proteger! Se não eu já te mato AGORA! Disse ofegante, então saio dali.. Onde você vai!? Dar um jeito de trazer ele de volta! Mas como sei que quando voltar você não estará aqui... Disse sério sem olhar a guria, me virei e fui em sua direção dando um beijo profundo na guria então sai da sala deixando eles sozinhos, fiquei nos corredores pensando em uma possibilidade de entrar então lembrei dos gêmeos, corri até os guris então os vi no colo de uma enfermeira, para min conseguir deveria despertar o demônio deles, como eu iria fazer isso? Não sei... Respirei fundo então sorri Poderia levá-los naquela sala ali? Por favor!? Eu ia por a vida de uma humana risco? Sim... Mas é preciso, ela coloca eles dentro da sala que pedi e fica os olhando, tranco a porta então eles começam a ficar irritado com a presença da mesma, eles quimam seus braços, ela corre e bate na porta, cruzo os meus braços fechando os olhos esperando eles liberarem seu poder, ela começa a me implorar ajoelhar em meu pé chorando mas não me importo muito, quando eles liberam o demônio fiz um campo de força em volta da guria então fui perto deles colocando as mãos nos guris, logo me encontro dentro deles, o cenário era diferente, um cenário que nunca tinha visto antes..


Quando ele me bate fico na mesma posição em que cai não acreditando, passei a mão onde ele tinha batido e depois a olhei um pouco assustada, ele me pega pelo pulso e me joga, minhas asas não deixaram eu bater no chão e me fizeram flutuar um pouco antes de cair no chão, vejo o guri bater a mão na janela e quebrar, protejo meu rosto então ele me pega pelos cabelos e me levanta, fiquei de olhos fechados colocando a mão no caco que ele estava na mão, meu coração começa a bater muito mais forte fazendo sair uma lágrima que escorre em meu rosto, fiquei em silêncio então ele para, suspirei um pouco aliviada então ele enfia o caco fiz uma cara de dor então tentei empurrar seus pulsos, ele para meio pensativo mas enfia mais fundo me fazendo gritar, então ele para e me solta, caio no chão tentando tirar o caco de minha barriga, meu corpo não queria se curar, eu estava fraca demais pqra conseguir me curar, então ele vem até min e tira o caco de min, fico parada meio zonza com tudo aquilo, eu escutava a voz do guri mas não conseguia responder, escutava o que dizia meio ofegante então algumas vezes fazia uma cara de dor, ele vai embora e uns paramédicos chegam, eu começava a chamar achando que ele voltaria, mas não voltou, os paramédicos começam a me fazer perguntas, com dificuldade me sentei no chão sozinha colocando a mão na barriga tentando me curar, respirei fundo então desmaiei por completo... Julieta.. Mãe! ? Gritei em meus sonhos, vi minha mãe aparecer ali com um sorriso doce sem mostrar os dentes, a olho fixamente então não consigo segurar o choro, corro até a mesma e a Abraço forte, a mesma retribui com todo amor que tinha, ela se afasta e se senta no chão comigo, passa a mão em meu rosto secando minhas lágrimas... Mãe... Tá doendo.. Sentimentos de anjos são muito profundos meu amor, mas não desista, você consegue! Você é forte lembra!? Eu não consigo mãe... Ele... Ele tentou me matar mãe! Eu.. Disse entre soluços.. Anjos não são feitos para amar meu amor... Somos feitos para cada um cumprir sua missão nesse mundo... Mas, se o ama mesmo vai perdoar.. Mas.. Mas eu não quero perdoar.. Não, mas esse perdão você já deu a ele.. Aah.. Como você é bondosa! Era igual ao seu pai.. Disse ela passando a mão em meu rosto.. Não precisa continuar com isso! Deixei Samuel fazer o que bem entende! Isso não vai mudar meu amor! Você viveu a sua vida inteira comigo morta! Agora não será diferente! Você promete que vai parar!? Mãe eu pro... Antes de eu responder ela despedaçou como todo o cenário, acordo assustada vendo... Vi-Victor.. Disse então olho aos lados e me vejo em um hospital, me sentei esquecendo de minha barriga então coloquei a mão no lugar sentindo uma grande dor, ele se aproxima de min e manda todos sair apenas uma mulher ficou, quando ele me disse aquilo virei o rosto para o lado chorando.. E-Eu... Toda vez que tentava falar mas vontade de chorar eu tinha.. Victor... Eu imploro! Me tira daqui... Disse olhando os equipamentos em meu corpo, começo a tirá-los de meu corpo devagar ainda com dor.. Vi-Victor, por favor.. Disse chorando então me deito novamente ainda com uma dor, ele se aproxima de min e me pergunta quem foi... Foi quele homem... Aquele homem que me levou até o quarto, ele tentou me atacar... E-Eu... Tentei me defender mas não consegui... Fritz chegou e lutou com ele... E... Disse e então parei, relembrando de quando Fritz me deixou lá, respirei fundo e disse.. Eu não sei aonde ele foi... Victor... Eu... Não sei.. Disse colocando as mãos no rosto ainda com dor, eu nunca gostei de hospitais, foi a última vez que vi minha mãe, começo a tossir um pouco, levanto minha blusa colocando a mão encima tentando me curar, mas o processo era bem lento, abaixei a blusa ainda de olhos fechados, engoli seco e tentei mudar de assunto, me levantei então a mulher me ajuda a ficar de pé sorri fraco e disse.. Estava com umas idéias... Para o Dia Do Doom... Afinal é um dia especial... Se me permitir ajudar... Disse então sorri fraco, vi que ele estava em silêncio absoluto.. Hey.... Victor... Eu vou encontrá-lo... Prometo! Disse colocando a mão em seu rosto, por cima de sua máscara, tá eu estava desacreditando o que eu mesma disse, nossa, vai a procura de um cara que tentou te matar!? É isso! Vou atrás de um cara que tentou me matar, quando vi que minha mão se encontrava ali a tirei rapidamente fitando o chão..


Estava no meu quarto escrevendo quando alguém bate na porta, quando abro tinha um cisney de gelo, mas só tinha uma parte, então Romeu aparece no corredor com a outra parte do cisney confuso.. O que é isso!? Eu que pergunto! Qual seu problema!? Não foi eu seu panaca! Cala a boca! Me respeite seu idiot@! Ou! Ou! Ou! Por gentileza chega de brigas aqui! Mas pai ele.. Cale a boca Romeu! Vá os dois para os seus quartos e fiquem lá até eu mandar! Escutei então revirei os olhos e fui para meu quarto, o mesmo para Romeu, fui para meu quarto calado então procurei meu casaco não encontrei de maneira alguma, então de meu bolso cai um celular, era de Myshua, então a guria me veio a cabeça, tranquei a porta lembrando de seus peitos o que me deixou excitado mas não resitei, coloquei o celular dentro de uma gaveta e a fechei me deitej na cama olhando o teto, levantei rapidamente pegando o celular e saindo do quarto, já na porta meu pai chama.. Está com algum tipo de problema de audição Sam William! Eu ordenei que ficasse nos seus aposentos! É uma ordem minha nunca é descumprida! Desculpe pai... Mas tenho que pegar uma coisa de volta e entrar algo... Não me importo com o que tem que fazer, até porque apenas o que tem que fazer é ficar no seu quarto! Entendido!? Sim... Disse engolindo seco então de cabisbaixo voltei para o quarto colocando o celular novamente em minha gaveta...


Quando eu entrei e começamos a brigar eu começo a apanhar, tá fazer o que! Senti seus golpes e acabei ficando fraca e começo a sumir, mas ela não deixa e quebra meu pescoço, eu via vultos dos dois lados, no hospital e dentro da cabeça da garota, então fecho os olhos desmaiando completamente, então já não estava na mente da guria, eu morri? Estava escuro, como se não tivesse nada ali então tudo volta, olhei aos lados e estava tudo claro... Vaca! Ela tinha me matado, escutei a voz de Lucas e depois de umas pessoas gritando.. O que está acontecendo!?

Século XIX

Quando ele se transforma em humano pude ver seu rosto, fiquei mais animada Ah! Sem problemas! Uau! Impressionante! Disse rindo de sua transformação, então escuto a discussão de Fillip e Ramses, passo a mão no rosto um pouco envergonhada, então o guri toma a frente... Balançei a cabeça positivamente com sua iniciativa.. Ele tem razão! Por favor! Já não basta no colégio! Podem tentar se entender para não morrermos! Eu já encarei uma cavalcada! Crocodilos e uma sereia querendo nos matar! Então! Chega! Disse balançando a cabeça negativamente, quando o guri da aquela proposta, arqueio uma sombrancelha pensando qual seria a resposta de Fillip e Ramses, é acho que isso não iria dar certo, penso vendo o show que Fillip começa a fazer..


Estava lutando quando escutei sobre o transar, eu comecei a rir então acabo por uma das lâminas rasgarem minha roupa, o bom é que não tinha encostado em min, depois que Álicia chegou escutei Ramses falar revirei os olhos dando-lhe um murro.. Não fale assim dos meus amigos seu panaca!
Disse levemente irritado, então Nikki nos interrompe, cruzei os braços sério.. Ha! Ha! Muito adulto! Falou o cara que leva uma surra da mãe por voltar tarde!
Disse revirando os olhos, então Ramses me manda calar a boca.Não me manda calar a boca!Quando ele disse que minha recuperação era misteriosa.. Você não sabe cuidar da sua vida não é!? Muitas pessoas daquela escola poderiam ter curado você! Mas ninguém se manisfestou em te ajudar! Uma amiga me ajudou! Era isso que queria saber!? Serrei os dentes com o que ele disse.. Eu fui expulso do colégio não da cidade, quando mandar nessa cidade eu me mando daqui seu idiot@! Eu não voltei aquela noite para escola porque eu quis! Cale a boca! Quando ele se transforma novamente em humano fico o fitando por um tempo até escutar a proposta de Nikki, o olhei fixamente e disse.. Olha só!  Eu já estou de saco cheio! Eu não queria nem que você estivesse aqui! Quanto mais ele junto! Eu to fora! Vão vocês juntos! Eu vou sozinho! Disse colocando o dedo no peito de Nikki enquanto falava, olhei Álicia em um relance antes de sair andando para o meio do lugar.. Fillip... Por favor! Podemos nos ajudar!
Eu já disse não! Você é burra!? Surda!? Dizia enquanto Álicia me seguia correndo.. Fillip! Eu não quero te perder você! É minha única família!A guria fala aquilo então me viro agressivamente e seguro seu braço, no começo parecia que eu iria bater nela o que deixou Nikki e Ramses atentos.. Você já me perdeu quando se juntou com ele Álicia! Cai! Fora! Disse e soltei seu braço e voltando a andar, mas a guria não me deixa e corre novamente... Fillip, temos que ficar juntos! Mesmo se não FOMOS mais considerados primos! Fillip... Álicia não insista! Eu já disse não! Mas... Disse a guria com voz trêmula, quando a olho estava com os olhos cheios de lágrimas respirei fundo e disse.. Fillip... Por favor.. Quando a vejo chorar reviro os olhos T-Tá Álicia! Só não chora! E não me peça mais isso! Disse meio tímido, fitei os guris que nos olhavam, respirei fundo e sai a andar... Vamos logo! Disse um tanto desanimado, chegando perto de um castelo paramos ali na frente olhando aos lados... Já que é uma bruxa que mora ai.. Você consegue identificar se tem feitiços aqui fora Álicia? Ela se abaixa e coloca a mão no chão fechando os olhos, mas logo em seguida se levanta.. Não... Eu não sou forte um bastante para isso... Resmunguei então fui andando enquanto engolia seco com um pouco de medo de morrer, mas, passei numa boa até ver um pano, tiro esse pano e umas cobras tentam me atacar, taco o pano ofegante tapando a cabeça novamente, olhei Álicia que fica com um ar de riso, então consigo chegar até a entrada, vejo algumas pegadas no chão, de lados diferentes, poucas de alguns lados e muitas de outro.. Tá! Sem armadilha... Que estranho... Acho que eles foram pegos... E se não foram eles se separaram.. Disse e entramos todos atentos olhando aos lados, parei e disse.. É melhor nos separarmos mesmo, e procurar... Álicia e Ramses procuram para esquerda eu e Nikki pela direita... Certo?! Disse sério os olhando, Ramses faz uma cara de que não queria me obedecer mas foi com Álicia, eu e Nikki depois de muito a andar começamos a escutar gritos, não podiamos ir atrás desses gritos pois onde iamos tinha vários guardas
.
Está escutando o mesmo que eu!? Disse então quando escutei sua resposta saimos correndo, então mutos guardas do castelo aparecem, me preparei para lutar então sai correndo indo para cima deles, Nikki se transforma e ataca todos, parei cruzando os braços vendo que ele tinha derrubado todos sozinho, resmunguei e voltamos a andar cuidadozamente para ninguém nos ver então subimos uma grande escada onde passava soldados que eu batia e Nikki derrubava escada a baixo, vi uma grande porta com dois guardas na frente, sorri para Nikki que corre e os mata, entro rapidamente olhando Akita sofrendo engoli seco escutando seu berro, eu poderia deixar ele morrer, não teria problema algum, porque é o que eu quero, mas ele me ajudou, várias vezes me ajudou a voltar a andar... Ah! Que saco!pensei.. Eu tenho uma idéia... Disse então fui lá fora a procura daquela cabeça quando vi com o pano, peguei pelas bordas do pano coloquei na bolsa e corri para dentro novamente, contei até três para min mesmo e sai correndo empurrando aquela mulher, vi Akita e fui tentar soltar o não conseguia alcançar, engoli seco vendo a mulher já se virando para min, olhei aos lados vendo parecido com um banco, corri na direção do mesmo pulando e dando um impulso chegando até as correntes que o prendiam, comecei a socar, dar vários murros, então minha mão começa a sangrar, vi que já estava amassada.. Me ajuda pai! Que drog@! Disse então ele começa a se balançar, as trancas se quebram então ele cai antes de se chocar seguro o mesmo, então estavamos ali de frente com ela que nos olhava, serrei os dentes então tirei o pano de dentro de minha bolsa tacando na direção da mesma, por mais que esteja sem cabeça seus olhos funcionam e suas cobras ainda são vivas, ela se assusta com as cobras que abrem a boca para ela, pego Akita colocando sua mão envolta de meu pescoço correndo, saindo dali, mas por ele ser um pouco pesado e estar lento ela se vira antes de sairmos, serrei os dentes a olhando sério..


Depois de Fillip concordar fomos todos juntos, chegando no castelo ele passa no meio vendo se tinha alguma armadilha, mas tinha apenas uma cabeça, a cabeça da medusa ali, entramos lá dentro tudo estava silencioso, Fillip disse para nos separar, confesso que no começo eu não gostei, fiquei um pouco incomodada mas aceitei facilmente, diferente de Ramses que ficou olhando ele torto, revirei os olhos então peguei a mão de Ramses o levando para longe, começamos a andar a procura de algo, quando vi alguns guardas, fechei os olhos e coloquei a mão em seu ombroInvisibilia.. Olhei aos lados, tá estavamos invisíveis, sorri sentindo uma leve tontura fazendo-me por as mãos nos olhos esfregando devagar pisquei algumas vezes vendo se estava bem..


Estavamos entrando quando aparece a medusa.. Agora eu deixo você falar Rafa.. Tá... Isso tá começando a ficar legal! Vi um deles desaparecer então voltamos a fechar os olhos para não dar merd@, quando o diretor disse para nos preparar apertei a katana com força então Rafa sai correndo de olhos fechados e ainda a acerta, respirei aliviado, então ele ele jogado para trás, corro pegando sua katana sem olhar a mulher, devolvo para o guri então nos preparamos novamente, o escutei assenti com a cabeça então começo a correr, então viro as esquerdas, quando chegou a minha hora apertei a espada confiante, então ela brilhou, passo a katana em seu pescoço... Aah.. Que nojo.. Disse sério, então Akita começa a ficar louco, arqueei uma sombrancelha o olhando então fui ao lado de Rafa o escutando então logo em seguida senti um cheiro super forte, eu e Rafa começamos a tocir fortemente até cairmos desmaiados, acordei em uma cela de mal cheiro, escutei o que eles disseram, me levantei.. Toda parede tem um lado oco, se descobrirmos que lado é, poderemos sim derrubar a parede.. Disse sério em então vi Rafa parar ao meu lado começamos a procurar um lado oco e Rafa acaba encontrando, ele se afasta um pouco e mete o pé fortemente na parede que sai alguns farelos.. É aqui! Vamos, batemos os pés todos juntos e irá mais rápido.. Disse então todos se levantam ficando todos lado a lado... Tá.. No três! Um... Dois... Três! No três todos batemos o pé fortemente criando uma grande rachadura, contei de novo então batemos novamente..

Donafofis

Feminino
Número de Mensagens : 3
Idade : 17
Localização : Lisboa
Pontos : 3
Reputação : 0
Data de inscrição : 01/03/2017

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Ter Mar 28, 2017 2:10 am

Romênia, séc.XIX

A última marca que fiz em suas costas deve tê-lo machucado bastante, a ponto de não deixa-lo responder minha última pergunta Que que foi Akita? O gato comeu a sua língua?! Perguntei alto Vais parar de perseguir minha mãe e essa loucura de por crianças contra ela. Vais sair daqui e voltar para casa dos pais de onde nunca deveria ter saído. Nunca... Ele responde ofegante, então lhe dou um murro no rosto. Dois, um terceiro na barriga e depois me canso. Ele cospe sangue e então diz sorrindo A sua mãe é tão covarde... Que ela manda a filha para fazer o trabalho que deveria ser dela... Dou-lhe um tapa no rosto e seguro seu queixo com força Por que não desistis?! Porque não percebes que isto é algo impossível?! Não percebes que perdes tempo?! Disse irritada Tempo eu perdi quando estava com você! Ele grita furioso. Não respondi nada E ENTÃO?! O GATO COMEU SUA LÍNGUA?! E APROVEITOU PRA COMER O BRAÇO TAMBÉM? CADÊ A TORTURA, ACABOU?! Fiquei o olhando séria, eu já tinha feito tudo o que precisava fazer com ele Pode me torturar o quanto quiser... Uma hora vou morrer! E mesmo que me traga de volta, vou me matar de novo e de novo até se cansar!  Cale-se Akita! Cale-se! Isso mesmo! Você não consegue me matar... Não pode! Porque me ama, mas não admite isso! EU MANDEI CALAR! Trotei até o mesmo pondo a mão na sua boca. Ele se encolhe achando que vou agredi-lo, mas somente tiro a venda de seus olhos. Naquela noite, fiz questão de vestir o vestido que ele mais gostava. E então quando tiro sua venda, ele olha para o vestido e o percebe, mas não o comenta. Vamos, acabe logo com isto. Faça o que ela mandou e se livre de mim de uma vez! Quer ser a escrava dela para sempre?! O olho e então o beijo, ele remexe a cabeça rejeitando NÃO encosta em mim! Me afasto um pouco Eu te dei uma chance... Depois daquele dia na escola, eu achei que tivesse mudado... Mas apenas continua a mesma coisa... Pensaste errado! Disse dando uma volta És tão mal-agradecido... Só vives por minha causa! Está lembrado? Do que acontecera na última vez em que estivemos juntos? Deve se perguntar até hoje se o que aconteceu foi um sonho ou realidade... Deixe-me contar a realidade Akita... MINHA MÃE TE MATOU! E ia matar TODOS da sua família e depois muito provavelmente iria ME matar... Eu salvei a ti, os teus parentes e me tratas como lixo?! Ele sorri abafado Como quer que eu te trate? Há 6 anos tudo o que têm feito é tentar me matar... Levantei o dedo o interrompendo Estragar teus planos... Minhas tentativas de matar-te falharam porque EU quis... Sabes muito bem que posso fazer isso num estralar de dedos! Se és tão poderosa o quanto diz, porque não faz isso com tua mãe? Hahaha... Já conversamos muito sobre este assunto. Tudo bem... Quer tratar de outro assunto? Salvou a mim... A minha família... Mas e o nosso filho, hein?! Ele nem teve a chance de optar não foi mesmo?! Porque não me conta isso? Porque não me conta o que realmente aconteceu?! É o que quer saber?! Eu tive de escolher Akita. Entre ti e ele... Não, não! Há algo muito errado nisso tudo. Porque a sua mãe me deixaria viver?! Ela não lhe daria essas opções do nada... Eu quero saber a verdade! Tive vontade de chorar ao lembrar daquelas cenas. Resisti respirando fundo e então comecei Quando ela quebrou teu pescoço... Eu a ataquei... Nos equilibramos em força por um tempo, mas ela conseguiu me vencer.
|Flashback on:
Estás louca! Perdeu a noção do perigo! Pensas que pode desafiar-me?! Ela driblou minha magia e então começou a me enforcar. Disse que iria me tortura como nunca antes. Então tive uma ideia que pudesse ter fim naquilo tudo. A empurrei e gritei Espere! Espere, por favor... Façamos um trato... Se não queres um herdeiro dele, eu entendo... Mas há uma forma melhor de me torturar que esta! E qual seria?! Ressucite Akita... E... E eu mesmo mato o nosso filho... |Flashback off

O que... F...F...Foi vo-você? Disse ele com lágrimas nos olhos Apenas me escute! Disse já com lágrimas também. Ela não queria aceitar. Achava que me ver com dor era muito melhor, e se ver livre de você e do menino. Então eu disse a ela “Vai doer muito mais em mim... Se eu matar o meu próprio filho... Não acha? E... Será muito pior... Ver Akita vivo e não poder ficar com ele. Do que morto. Se ele tentar algo contra nós... Eu mesmo irei matá-lo” Você?!! Você mesma inventou este maldito trato?! Você mesmo se comprometeu em me matar?!! Derramei lágrimas, mas não parei de falar Ela ainda não estava satisfeita, queria saber qual seria o teu grande fardo... “Mas e Akita? Onde ele paga nessa história?” “Ele paga na parte em que também não pode ficar comigo... E na parte em que perde seu filho” Olho Akita chorar e me controlo para não fazer o mesmo Depois daí ela... Me deixou trazê-lo de volta... Contanto que estivesse do meu lado nesta hora. Então eu te levei para casa... E escrevi a carta depois... Eu preferia que tivesse me deixado morrer! Você não só abdicou do nosso amor, abdicou do nosso filho! Ele não tinha nada a ver com isso Sarah, NADA A VER! ÓBVIO QUE TINHA! Akita, ele tinha tudo a ver, ele foi o fruto de tudo aquilo! Não importa, não tinha o direito... Você não tinha o direito de escolher a mim do que a ele! Como você pôde fazer isso??? Eu te amava Sarah... Eu deixei a minha família, a minha vida por você! E eu não? Akita, tudo que eu fiz foi por ti! Fazer este trato foi a única maneira de te trazer de volta! A única maneira que te encontrei de não te perder... Ele sorri ironicamente abafado Depois dessa, me perdeu para sempre... Me aproximei chorando Meu amor, compreenda... Deixar comigo a responsabilidade de te matar foi a única maneira de te proteger... Eu tentei estragar todos os teus planos para fazer-lhe desistir, eu criava empecilhos para ti, das mais diversas formas, mas mesmo assim, continuaste persistindo na mesma ideia! Será que a culpa foi minha?! Sim! Eu nunca vou te perdoar, NUNCA! Por ter matado nosso bebê, por ter me escondido esta história! Ireis perdoar-me... E devia fazer isto agora que temos tempo Não vou! Não vou! Eu não quero mais ver esta tua cara... Se pensou alguma hora que esta história me faria desistir, se enganou... Só me deu mais raiva, dela e não só dela, mas de VOCÊ TAMBÉM! Ireis perdoar-me! Escute minhas palavras... Porém quando fizer isso será muito tarde, Akita... Pare de dizer que vou te perdoar, porque isso nunca vai acontecer! Vai sim e não vais demorar... Eu só fico feliz de te contar toda a verdade... Mas ainda há uma coisa que precisa saber...

Não! Eu não quero ouvir mais nada! Segurei o seu rosto e ele se debate Quer sim, precisas ouvir o resto! Nem tudo é como pensas... Foi quando um pirralho correu em minha direção, me derrubando e me afastando do cabeludo. Me levanto do chão  e ergo a mão para lançar-lhe um feitiço, mas sou atingida por um lobisomem.

Ramses Nasser/18 anos/CCA:chaco/*forma animada
Fillip chega para me dar um murro, mas armo a base e ele bate nela, vou para cima e então Nikki nos separa. Fillip debocha dele, até eu rio com um sorriso abafado, mas ele continua quando o mando calar a boca. Diz que muitos podiam me curar É porque diferente de você, sou um cara de bem! e diz também que uma amiga o curou  Que amiga, você não tem amigos! Olhei para Nikki Para o seu bem, é melhor não ser amigo dele! Aconselhei. Ele diz que foi expulso da cidade e não da escola, me mandando calar a boca depois Não foi ainda! Mas em breve vai sumir daqui! E não me mande calar a boca, está ouvindo?! Não me mande não... Disse me aproximando querendo brigar, estava com o sangue quente. Então Fillip dá um piti, não querendo ir como um grupo, o que foi bom porque eu também não queria ir com ele  Isso mesmo,, vai sozinho! É assim que as coisas sempre serão pra você! Disse enquanto ele ia, então Alicia vai atrás do mesmo e ele segura seu braço, eu e Nikki achamos que ele iria bater nela, era agora que eu ia acabar com ele ali mesmo. Mas Nikki me deu uma olhada, meio que para eu me segurar e então me mostrou que se tratava apenas de uma impressão. Alicia consegue convencê-lo e assim vamos juntos Eu sinceramente não me importava em deixa-lo ir... Ramses... Por favor, tá?! Nós estamos vulneráveis, precisamos de um time! E esse time é o único que temos agora, então você dois, pelo amor de tudo que é mais sagrado, tentem não brigar... Relaxem na bica. Disse o mesmo ainda andando. Franzi o cenho com a sua frase final. Então na porta do castelo, Fillip pede a Alicia para detectar alguma magia, mas a mesma não consegue Tudo bem Alicia, eles são muito fortes... Já chegou até aqui, tem certeza que quer continuar? É muito perigoso, não há nem sinais dos professores... Só os cavalos lá em baixo... Disse tentando fazê-la desistir. Dentro do castelo, Fillip achou uma cabeça que parecia a de Medusa, tapei o olhos e virei os rosto a evitando. Esconde isso, cara! Ele percebe as pegas contrárias que eu também estava observando. Dá as ordens do que devemos fazer, mas eu as recuso Não! Porque temos que ir nesta direção? Por que não vai você e por lá e nós por cá?! Problematizei. Alicia me puxa e vamos andando para o outro lado Ora, não é justo... Fui resmungando até que outros monstrengos quase nos encontraram, então ela nos tornou invisíveis Boa ideia... Disse a olhando e percebo que a mesma começa a ficar fraca Alicia cuidado... Se usar toda a força agora vai ficar muito fraca no final... Olhe, me avise, se estiver em más condições, ok? Disse tocando em seu ombro a olhando. Continuamos andando e vou olhando as pegadas do chão O pior é que, como ter certeza de que essas pegadas são mesmo deles e não dos monstrengos? Caramba, não deixaram nada! Disse um pouco resistente. Chegamos na entrada de um corredor que continha várias portas. Seguindo tinha uma escada que levava para baixo

Ótimo... Podem estar em qualquer uma das portas... Fiquei pesando em qual primeira derrubaríamos. E não só isso, como faríamos isso sem os guardas perceberem. Alguns deles vieram carregando uma pessoa. Eu e Alicia ficamos quietinhos. Foi quando um grande barulho de lá de baixo vinha, parecia um batalhão em marcha. Todos os personagens que estavam naquele corredor foram ver o que era. Descemos com eles, mas devagar. Estava muito escuro para ver, e como eu segurava o candeeiro, com um isqueiro o acendi

Quando pudemos ver, encontramos o pessoal preso e os guardas metendo o pau _Olhe só Wilson, os intrusos acham que podem sair, hahahah!_ Disse um com o outro _Não mesmo_ Disse o outro, o pessoal começa a bater mais forte e mais rápido então eles pegam uma mangueira gigante, abrem a torneira e joga água no pessoal. Eles não param no início, mas depois sim e e começam a se tremer, o que dava a entender que a água devia estar muito muito fria _Água a 3º Celsius, senhores, hahaha!_ Ok, precisamos ajudá-los! Alicia, vá soltá-los, eu me dou com os guardas. Disse e a soltei, assim me tornei visível Ei otários! Então um deles, que estava controlando a torneira veio para cima de mim. Olhei para Alicia como que a mandando se afastar. Tirei da cintura uma arma pontiaguda e quando ele tenta me atacar, atinjo seu olho

Me assusto um pouco, indo para trás olhando aquilo, eu não era acostumado a matar coisas. O outro que segurava a mangueira, vendo aquilo, a largou no chão e também veio me atacar. Quando empunho a faca para meter nele, ele segura meu braço, me fazendo entortar e ir quase até o chão. Ele pega minha faca para me apunhalar, dou-lhe uma rasteira e ele cai. Saio correndo para perto de umas caixas. Haviam coisas no chão, que provavelmente tinham caído delas, pego algo bem duro que parecia uma luneta. Ele vem para cima de mim, eu giro indo para o lado, o chuto fazendo-o se abaixar e assim bato com aquilo na cabeça dele.

Dessa vez, já não fiquei tão assustado, na verdade estava até orgulhoso por ter feito aquilo. Olhei para Alicia que ainda não por algum motivo não tinha conseguido quebrar as correntes. Ia ajudá-la quando o resto do caras que estavam lá, me atacam. Não dava pra bater em todo mundo com aquela luneta. Me livro daquilo e apelo para meu chaco (vamos fingir que esse é Ramses, certo?XDD E que nem todos os monstros são chinesesXD)


Depois do show de Fillip e ele finalmente aceitar em irmos juntos, deixo os outros dois irem na frente e fico com ele um pouco afastado. Falo baixo Você não devia ter me dado aquele coração. Por causa disso agora vejo todos vocês como um pedaço de carne! Sua grande sorte a doçura da sua prima, mas ainda estou tentando me controlar. Ah e se quer saber sobre a índia, é mulher mesmo, eu vi com os meus próprios olhos. Disse sério ainda andando. Quando chegamos no castelo, fiquei olhando o lugar. Era enorme e agora eu entendia porque Akita queria tanto ficar lá. Ele levava uma vida de rei. Quem não gostaria?

Fillip nos separa e Ramses reclama, dou-lhe um sermão Ramses... Por favor, tá?! Nós estamos vulneráveis, precisamos de um time! E esse time é o único que temos agora, então você dois, pelo amor de tudo que é mais sagrado, tentem não brigar... Relaxem na bica. Então eles seguem para um lado e nós para outro. Subimos aquelas escadas Você e Ramses parecem marido e mulher... Já parou pra pensar que talvez você tenha inveja ou amor por ele? Disse fazendo piada e o cutucando com o cotovelo. Escutamos gritos, fico atento. Está escutando o mesmo que eu!? Ele pergunta Sim... É a voz de Akita. Como minha audição era muito apurada eu tinha a certeza que era a voz dele.
Seguimos esse som e daí guardas negros saem dos cantos e começam a se espalhar na parede feito formigas.

Olhe só Fillip, temos amigos! Ou seja, mais uns lanchinhos...  Digo e então me transformo

Ataco todos eles e o outro fica com os braços cruzados. Com a boca preta de sangue, passo o as costas da mão limpando Vai ficar me olhando? Vamos! Continuamos pelo corredor até encontrarmos a porta de onde saíam os barulhos que agora nem paraciam mais de dor, eles estavam conversando. Fillip, já estava pronto para ir, mas eu o barrei fazendo-o voltar para a parede Espera, espera, Fillip! Ele volta e meu braço continua o segurando. Fico ouvindo os gritos deles “Eu preferia que tivesse me deixado morrer! Você não só abdicou do nosso amor, abdicou do nosso filho! Ele não tinha nada a ver com isso Sarah, NADA A VER!” Filho?? Disse ouvindo aquilo confuso

“ÓBVIO QUE TINHA! Akita, ele tinha tudo a ver, ele foi o fruto de tudo aquilo!” “Não importa, não tinha o direito... Você não tinha o direito de escolher a mim do que a ele! Como você pôde fazer isso??? Eu te amava Sarah... Eu deixei a minha família, a minha vida por você!” Isso é verdade... Ele está com a filha da bruxa, Fillip, a ex-namorada dele. Estão tendo uma DR, é melhor eu entrar lá, ela vai te massacrar. Os guardas da porta nos notaram, então brigo com ele, os jogando escada a baixo. Fillip vai para a porta mesmo depois de eu ter dito para não ir e a abre devagar

Ele vê e sai correndo Espere, aonde vai?! O olho por cima da escada então ele volta com a cabeça da deusa. Vai correndo abrindo a porta e empurrando Sarah Espera, espera... Não entra... Disse com a mão na cabeça, só que já era tarde, ele já tinha derrubado a criatura. Ahh!! Insolente! Fillip tenta soltar Akita e eu fico do lado de fora me escondendo pois não queria que Akita me visse. Fillip! O que está fazendo aqui? Pergunta Akita enquanto o outro pula no banco tentando soltá-lo. Vá embora logo! Ande! Do jeito que ela está ela vai te fuzilar! Sarah se levanta e ergue a mão para lançar um feitiço. Não tinha jeito, precisava intervir Droga! Pensei e então me transformei, indo para cima dela. Nós brigamos feio, ela tinha a força equivalente a minha agora que eu estava forte depois de ter comido aqueles corações. Arranhei seu rosto e então ela fica louca e se transforma em vampiro

Segura meus dois ombros e me teleporta rápido para um canto mais a frente de onde estávamos, me dá um tapa tão forte que estrala e não só meu rosto vira, como eu acabo indo um pouco para o lado. Fillip chama Akita de pai e ela se vira Pai?? Ele nunca foi seu pai! Akita é pai só do MEU filho! Pulo em cima dela e vamos ao chão. Vou mordo seu braço e ela puxa meu cabelo, me fazendo sair de cima dela. Se levanta e eu também. Antes que eu possa fazer algo ela fala um feitiço muito forte que faz minha cabeça virar e então caio no chão desmaiado.





Sergio Connor/30 anos/*Forma animada
Depois que reclamo com Jerome, um dos gêmeos me apoia. Não diga... E como descobriremos a parte oca, gênio?!

Perguntei irônico e o outro gêmeo começa a procurar Pelo menos são úteis. Vamos, você ouviram, batam! Disse aos piratas e eles se preparam.

Eu não tenho força para bater nisso! Então crie! A menos que queira ficar presa aqui! Disse a morena. Olhei para loira sério, mas sem dar muita importância e quando um dos gêmeos termina a contagem, todos batemos os pés fortes, o que faz muito barulho e acaba atraindo os guardas

[color:4c5c= greenyellow]Que ótimo! Não parem, batam mais rápido e com mais força! E foi aí que eles ligaram uma mangueira com uma água fria do capiroto. Como eu e meus homens estávamos acostumados a navegar em águas frias, conseguimos suportar por mais tempos, mas as meninas e depois os outros, começaram a gemer de frio. Filhos da p***! Deixa eu sair para eles verem! Então do nada um negro aparece e luta com eles. Como os guardas também eram escuros, no começo eu fiquei sem entender É Ramses! Diz um deles, então quer dizer que eles o conheciam, o cara para com a mangueira e uma loira também do nada aparece e tenta nos ajudar Alicia, graças a Deus! Não parem!  Disse aos piratas e me virei, perguntando sério Quem é esse pessoal? São nossos amigos. Ótimo, o que seus amigos podem fazer por nós? Disse olhando a loira que tinha chegado Alicia, não vai conseguir nada com magia, estão protegidas. Ache nossas armas Isso! Boa ideia. Faça o feitiço de encontrar objetos, ele vai te guiar até o lugar em que esconderam nossas armas. Não posso fazer porque isso me impede! Disse a morena levantando os braços mostrando as correntes. Seja o que for, faça rápido, seu amigo ali não vai durar muito tempo... Fiz um movimento de cabeça que as induziam a olhar o negro. Ele estava indo bem com os guardas, mas logo eles começaram a virar muitos.


Depois daquelas revelações de Sarah, eu nem me importava mais com a condição na qual estava. Me sentia desanimado, triste, sem esperanças e claro com o coração partido. Porém também furioso. Oh sim, eu estava com muita raiva. Não insista! Eu nunca irei te perdoar! Mal termino de dizer isso e Fillip a empurra para longe a fazendo cair Fillip??!  Perguntei estarrecido O que você está fazendo aqui?! Vá embora! Do jeito que ela está vai te fuzilar! Disse enquanto ele tentava me soltar. Sarah se levantou para jogar um feitiço nele, arregalo os olhos e ela é atingida por um lobisomem Aquilo é um lobisomem?! Como conseguiu trazer um para cá?  E ele não desistia de tentar Desista Fillip! Vá embora, essa corrente não sai fácil, é mágica. Das brabas e das antigas. E ele não desistia de tentar. Olho para o lobo mais atento Eu conheço aquele cara... Fillip onde você o arranjou?!  Perguntei bravo e sério. Ele me ignora e machuca a mão. Então me chama de pai e me pede ajuda. O olho nos olhos suspirando Desculpa, filho... Não posso... Sarah ouve aquilo e se enfurece. Pai?? Ele nunca foi seu pai! Akita é pai só do MEU filho! O lobo pula em cima dela e eu finalmente me debato tentando sair, mas não quebrava e ainda me machucava

AAAH! Não dá! Ela derruba o lobisomem que se transforma em humano e me permite ver o rosto Nikki?! Ela vem para cima de Fillip e então me enfureço NÃAO! JÁ MATOU UM DOS MEU FILHOS, NÃO VOU DEIXAR VOCÊ MATAR O OUTRO!
Nesse momento tenho uma ideia, me viro de ponta cabeça e com as pernas, vou subindo pela corrente. Uma força sobrenatural, talvez aquela que ela me concedeu há anos atrás, me tomou.

Puxei as correntes e o teto, que eram tábuas de madeira, se partiu, me fazendo cair em cima de Fillip, que fica em baixo para amortecer minha queda e ao mesmo tempo o protejo do feitiço que foi na parede e abriu um buraco. No chão, me levanto e pego a lasca de pau a qual estava preso e bato em Sarah, derrubando-a no chão e ao mesmo tempo quebrando a corrente que se parte da madeira e me deixa livre, mas as pulseiras ficam presas em meu pulso.

Nos pomos a correr, mas Sarah se levanta e logo se põe em nossa frente, então ele tira da bolsa uma coisa e joga nela, era a cabeça de Medusa que matamos outrora. As cobras a atacam e ela fica as estapeando. Se afasta e com um feitiço faz a cabeça sumir.

Fillip me põe em seu pescoço e vamos andando
 Tudo bem, eu consigo andar, já fui muito mais torturado que isso. Precisamos pegar Nikki! Disse quando ela vem na nossa frente Então é assim... Eu te conto a verdade, ME HUMILHO PARA TI! E é assim que me respondes... Traz um lobisomem para me atacar... Fez muito bem... Mas tu sabes Akita, mais que TODOS... Que não se deve me deixar com raiva... Só que esse seu pivete me deixou IRADA! Sarah, não o machuque! Ela ergue a mão jogando Fillip para parede. Pare com isso, pare com isso agora! Se é meu perdão que quer, eu te dou! Tarde demais...Já que é assim que quer jogar, também vou chamar os meus. Estralou os dedos e saímos daquela sala e indo para fora do castelo. Paramos no quintal, só nós três. Fillip ainda caído no chão por causa do baque na parede. Eu poderia matá-lo agora. Mas acho que ele precisa sofrer um pouco mais. Disse e então pôs a mão na boca e assobiou. Outros vampiros surgiram do chão.

Eu pego o cabeludo. Fiquem com o menor. Ela diz e eu engulo a seco Nós podemos fazer de outro jeito... Sarah... Ela me agarra e me teleporta para a perto da casinha que havia do lado de fora. Me encosta na parede, segurando meus ombros Você não quer me matar... Você sabe disso... Disse com o coração pulando E por pensas isto? Muito pelo contrário... Farei de você imortal... Não! Tento afastá-la, mas ela era mais forte que eu. Afasta meu cabelo do meu rosto Eu sempre quis isso Akita... Há tanto tempo... Você disse que me tornar vampiro, me deixaria igual aos outros, eu não seria mais especial para você! Nada mais importa... Disse e então me mordeu. Cerro um pouco os dentes com a dor e respiro ofegante. Primeiro ela só bebe um pouco do sangue, depois pega meu pulso e morde também. Morde o seu e deixa-o sangrar. Sarah, não, não! Ela cola nossos pulsos, fazendo meu sangue se misturar no dela. Volta ao meu pescoço praticamente me drenando, para me deixar fraco e não reagir. Caio no chão tonto. Começo ver as coisas em dois e ouvir embaçado. Ela se abaixa passando a mão em meus cabelos Agora que está quietinho, pode me ouvir... Fique com suas histórias... Disse meio bêbado e ela continuou Do mesmo jeito que deixar comigo a tarefa de matar-vos o protegeria, a tarefa de matar o nosso filho, o protegeria também... Ou melhor... O protegeu... O que... O que... O que quer dizer... Eu não matei o bebê Akita... Eu só fiz com que parecesse que ele estava morto. Ele está vivo, saudável e seguro, mas a minha mãe não sabe disso... E nem pode... Senão ela o mata Está dizendo.... Você não... Ela sorriu Vós sois pai...[/color][/color]
Sacramento, Califórnia, séc.XXI

Fritz Pryde Von Doom/17 anos/ “Herr DarkMaster”
Depois que desci correndo as escadas, pego o primeiro táxi que passa na porta do hotel. Siga para o aeroporto! Rápido! Falo e ele diz “Sim, senhor!” pisando fundo no acelerador. Respiro ainda um pouco ofegante e ponho a mão no topete lembrando do que fiz. Fecho um pouco os olhos me lembrando das imagens que vi pelo espelho, dos pensamentos e da minha mãe... Como eu a queria agora... Olhei no relógio e ainda marcava meia-noite. Suspirei. Se Julieta contaria ao meu pai ou não, eu não sabia. Eu estava fazendo o certo e me prevenindo, pois quando ele me encontrar, ficará furioso. Na verdade ele já está agora. Não muito porque a machuquei e sim porque fugi. Pelo vidro da janela, via a rua passar e mirei uma loja de fantasias Moço, pode parar, por favor? Ele para e eu prossigo Tenho que tirar um dinheiro ali do caixa eletrônico, será que podia parar um pouco mais à frente? _Mas não seria mais perto se eu ficasse ali?_ Ele indaga Sim, mas é uma rua sem volta, então terá de fazer o retorno, percebe? Ficando ali vos será mais fácil. _Nossa, é verdade. Obrigado._ Nada... _Mas sabe que isso vai contar não sabe?_ [coor=olive]Ah, não se preocupe...[/color] Disse e saí do carro, indo para a loja de fantasias que estava fechada. Antes de sair do táxi, tinha tirado da mochila uma chave de fenda. A tirei do bolso agora e com ela arranquei a fechadura da porta, que logo dispara o alarme de segurança. Procuro na loja uma roupa que me veio à cabeça, uma roupa que me protegeria de maus olhares. Acho a roupa e deixo o dinheiro em cima da banca do caixa, corro para o fundo da loja e abro a janelinha pulando ali. Ao cair no lado de fora, paro quase que exatamente onde havia pedido para o táxi parar, era um ponto estratégico, eu havia o pedido para ir para lá, pois os policiais chegariam logo com o alarme, e não deu outra: foi só o tempo dele fazer o retorno que pela janela, pudemos ver os policiais ali, investigando a cena do crime. Nossa, olha aquilo... Parece que assaltaram a loja de fantasias que passamos agora há pouco. Essa cidade está cada vez pior... _Sim, é verdade... Cada vez mais decadente. Eu assim que puder vou-me embora daqui._ Sim, é o que eu estou fazendo agora, inclusive. _Ah é mesmo? E para onde vai?_ Latvéria. Respondi e ele me olha pelo retrovisor rapidamente _Latvéria? Cê é doido... Aquele país maluco, do tal de Victor Von sei lá o que?_ Victor Von Doom... Digo calmo _Deus é mais! Aquele homem é louco, ele mandou destruir nossa cidade por causa do filho dele. Ele acabou com Green Islands, era uma cidade tão bonitinha..._ E não tenho medo de Victor... Além do mais, tenho algumas coisas para resolver lá. _Entendo. Boa sorte. então._ Obrigado... _Mas afinal, ele achou ou não o filho dele?_ Achou, mas o perdeu de novo... E acredite, ele vai ficar muito furioso quando achá-lo... _Vixxee... Que cidade será que ele vai atacar agora? Ele é tão ruim, que nem o filho dele quer ele..._ Sorrio fechado e maligno Não... Acredito que o moleque só esteja um pouco chateado. Mas ele irá resolver as coisas... _Qualquer coisa que não destrua minha casa..._ Ficamos jogando conversa fora até chegar no aeroporto que era distante. Me despedi dele e dei-lhe o dinheiro _Você, é um cara legal. Esqueci de perguntar seu nome. Me chamo Norman._ Sou Fritz... Disse sarcástico e dando minha mão para o mesmo. Ele aperta e diz _ Boa sorte!!_ Obrigado, você também. Ele sai e eu corro para o banheiro dali. Visto a fantasia que comprei, era uma batina de diácono. Ninguém me apontaria mal sendo um religioso. Pus o crucifixo no pescoço e saí a andar. Com a mochila nas costas, eles achariam que era uma das missões que esses católicos costumam fazer. Vou andando rápido até o final do aeroporto, o jatinho do meu pai, devia estar no bloco 14 como ele se habituava a colocar. Percebo alguns olhares estranhos, baixo a cabeça, me apressando até que sou parado por um homem _Olá, senhor, poderíamos dar uma palavrinha?_ Me desculpe, tenho pressa, meu voo está saindo já já... _É rápido... Minha mulher está me traindo e não sei mais o que fazer... Eu gostaria que me ajudasse a conhecer a palavra do Senhor..._ Olho por cima de seu ombro enquanto fala, vendo algumas pessoas se amontoarem. Respiro um pouco impaciente Ora, leia a bíblia! Dou um passo para frente como que tentando prosseguir, ele de costas também anda e sinto assim um outro toque em meu ombro _O senhor não compreende... Nós precisamos da SUA ajuda..._ Eles eram homens do meu pai. Olho o outro que estava atrás de mim de canto e então dou-lhe uma cotovelada na barriga, fazendo-o encolher, dou outra no cara da frente, chuto o de trás em sua parte genital e dou uma cabeçada no nariz do cara da frente deixando que sange. Saio correndo e os despisto no meio da multidão. Procuro a saída, me batendo por entre as pessoas que resmungavam ao serem atingidas Deus te abençoe! E lhes falava, até finalmente sair do aeroporto. Olá, boa noite. _Boa noite._ Sou Fritz Pryde Von Doom, filho de Victor Von Doom... Tento esconder a respiração ofegante para não parecer que eu estava correndo. Abro minha mochila e mostro-lhe minha identidade _Olá, Senhor Fritz, como posso lhe ajudar?_  Eu gostaria de ver a aeronave 757 por favor? _Claro, é por aqui..._ Ele me leva até a nave, protegida por outro guarda. Ele sai e eu vou falar com este guarda, que com certeza era Latveriano Hallo! Ich bin Herr DarkMaster. Könnte ich bitte ein bisschen ins Flugzeug gehen? (Olá! Sou Herr DarkMaster. Eu poderia ir entrar no avião um pouquinho?) _Ja. Wenn dein Vater kommt(Sim. Quando seu pai vier.)_ Disse sério e então eu apelei Ah, mas ele já está vindo, eu só quero entrar um pouco mesmo... Será que como filho do homem, não tenho esse direito?! _Tem, mas somente quando ele chegar. Ele disse estritamente que essa aeronave só deve abrir suas portas quando estiver com ele. Desculpe. São ordens do Master._ Balancei a cabeça afirmamente Entendo... Você está certíssimo, irei espera-lo então. Me virei para sair e então me virei de novo franzindo o cenho Espere um minuto, aquilo sempre esteve ali? O homem olha e eu tiro do bolso uma faquinha estratégica, a enfiando em sua jugular (veia no pescoço)

Eu sinto muito... Mas eu chuto as pedras do meu caminho. Digo o olhando cair e mexo em seus bolsos pegando a chave. Vou até o jatinho, o abro e o preparo para a decolagem. Eu não era muito fã de pilotagem, mas era uma medida extremista. Pus os fones na cabeça e liguei a mesa. Fui me preparando para o voo e logo ele começou a decolar.

Latvéria... Aí vou eu.


Última edição por @Parisse em Ter Mar 28, 2017 11:22 pm, editado 2 vez(es)

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Ter Mar 28, 2017 11:41 am

Sacramento, Califórnia --> Illinois, Chicago, séc.XXI

Então depois de conversar com a morte, eu a soltei e ela foi embora, me deixando sozinho na casa novamente. Suspirei. Subi a escada, pondo minha cabeça na rua, vendo que ainda era meia-noite, mas era muito estranho, pois as horas não passavam... Desci a escada voltando à casa e tirei o relógio da parede. Ele funcionava normal, mas eu tinha a velha impressão de que essa hora já tinha passado. Devo ter confundido, com toda essa história... Fiquei ali por um tempo e me sentei no sofá, usando meu celular. Fiquei jogando um joguinho que tinha e quando deu 00:59, ao invés de dar 1:00, apareceu 00:00 novamente. Meus olhos que estavam concentrados no jogo, se viraram imediatamente para a extrema direita, o canto em que marcam as horas no celular Mas como assim... Eram 00:59 bem agora... Olhei no relógio da parede e estava igual, o do quarto ao lado da mesinha também, lembrei do meu de pulso, chequei e tudo igual. Tem algo muito errado acontecendo... Disse e então dei por mim que estava completamente sozinho... Olhei ao redor da casa e não tinha nem esperança de que alguém ia chegar. Eu não queria invocar a minha mãe e chamar a outra também não era bom, seria perigoso. Ainda havia uma pessoa, no entanto... Só que fazia tantos anos... Mas eu estava tão sozinho que por mais improvável que fosse essa opção, eu já estava pegando umas coisas e caindo fora. Vesti um casaco e fui para uma estação de ônibus e comprei uma passagem para Illinois. A mulher disse que somente daqui a duas horas sairia um ônibus com esse destino. Disse que tudo bem e então, me sentei no banco e pus meus fones de ouvido para ouvir uma música. Ainda intrigado com o tempo do relógio, depois de um bom tempo ouvindo música, olhei a hora e eram 11:30, olhei ao redor e voltei a me concentrar na música. Um bom tempo depois o ônibus chegou e advinha... Eram ainda 11:30. Sendo que ele tinha atrasado alguns minutos. Estávamos numa espécie de limbo que eu não conseguia compreender. Entrei no ônibus e me sentei na cadeira. Coloquei a água que comprei dentro da bolsa e apenas continuei ouvindo um bom rock pelo caminho...

Umas três horas de viagem depois, eu cheguei na estação de Illinois, desci e eram meia-noite. Eu nunca tinha ido lá sozinho, na vez que vim a minha mãe adotiva me trouxe de carro e não passamos pela rodoviária porque ela se teleportou até a cidade. Só não chegou na porta dele porque nunca tinha ido lá. Então eu não tinha ideia de como achar a casa dele por aqui. Apesar de ser bem tarde da noite a estação estava muito cheia, um monte de gente passava por mim e ficava parado, meio perdido. Acho que não pensei direito quando decidi vir para uma cidade tão grande... 

Ah droga... E agora, eu preciso me lembrar pelo menos do nome da rua... Como é que era? Fazia tanto tempo... Pus os dedos nas têmporas e fechei os olhos. As memórias vinham como um flash. Eu lembrava da placa, mas não conseguia ver o nome Vamos lá, vamos lá... Era o nome de um álbum do Metallica.... Então de repente veio St. Anger! Me virei para perguntar a algum funcionário, onde ficava esta rua, que com sorte eles saberiam já que Chicago era tão grande. Se bem que eu poderia muito bem olhar no celular... Apesar de que me confundo todo com o Google maps. Quando me virei, uma pessoa veio à minha frente e bateu em mim tão forte que me derrubou. Era uma garota e ela se assustou Oh, me desculpe! Me ajuda a levantar, seguro sua mão e fico de pé novamente Tudo bem... Foi culpa minha, ficar paradão assim... Te machuquei? Não, não, relaxa, estou legal, só desequilibrei mesmo... Parece meio perdido... É novo por aqui? Na verdade sim... Bem, mais ou menos... Sorri meio sem graça, sem olhá-la direito pela vergonha. Fiquei fitando o chão por alguns segundos até ela perguntar, tirando os fones

E então... Quer alguma ajuda? Bom, já que insiste... Eu estou tentando achar uma rua, eu acho que o nome...

Você acha.... Disse a mesma sorrindo e arqueando as sobrancelhas É, eu sei que não ajuda, mas é que tem muito tempo mesmo que eu não venho aqui. Tá... Fala o nome que talvez eu possa te ajudar. Err... Rua St. Anger. Bloco 12 eu acho... St. Anger? Tá brincando, eu também vou pra lá! É sério? Que coincidência... Uhum! Por que não vem comigo? Err... Tudo bem... Disse com um sorriso fechado. Percebi que tinha mais de 15 segundos a olhando diretamente e ela não tinha sido hipnotizada, será que consegui controlar de verdade? Ou talvez eu estivesse muito ocupado para hipnotizá-la, olhando como ela era bonita... “Blake, para com isso, senão ela vai notar” E então, vamos? O que? Ah sim, vamos claro... Desculpe, estou meio distraído Fomos andando É eu tô percebendo... Me envergonhei, queria enterrar minha cara no lixo, fiquei vermelho só em pensar que ela tivesse percebido que eu estava a admirando. Não queria que ela achasse que eu era um tarado. E então, como você se chama? Eu sou Meg.

Me chamo Blake... Disse a olhando ainda andando. Então Meg, fica muito longe? Um pouco, mas podemos pegar um táxi se quiser chegar rápido... Só que eu não tô com muita grana aqui... Ela disse, torcendo os lábios. Mexi nos bolsos. É, eu também não... Podemos pegar o metrô pra ir mais rápido e depois o ônibus... Podíamos rachar... Pode ser... Ooouu... Podíamos ir só de ônibus. É mais barato, mas iria demorar um pouco mais... Mas eu não tô com muita pressa... Você está? Ela subiu um dos ombros, meio manhosa e arqueou as sombrancelhas me olhando. Estava dando em cima de mim? Não... Sem pressa... Disse pondo o lábio inferior para fora e negando com a cabeça. Fomos pegar o ônibus então... Vamos andar um certo trajeto depois, mas não demora muito não Tudo bem, não tem problema... Ficamos um tempinho em silêncio E então, porque está aqui, Blake? Ah, eu... Vim visitar o meu pai. Faz uns seis anos que não o vejo... Uau! Não sei como consegue, eu fico doida quando fico sem ver os meus pais, quando a faculdade dá uma folga, venho logo vê-los... Agora mesmo estou vindo de lá. Sorri É que eu moro com meus pais adotivos... Quer dizer, morava, tenho morado sozinho nos últimos tempos... Esse daqui é o meu pai biológico. Aaah... Entendi... Desculpa perguntar, mas e a sua mãe biológica? Ela é separada dele? Não, ela morreu. Ai... Desculpa... É que, eu sou muito curiosa.... Cobriu o rosto com as mãos, sorri e essa cena me fez lembrar de Aysha uma vez que futucou as coisas de meu quarto Tudo bem... Já faz muito tempo... Disse ainda sorrindo, me lembrando da outra. Mas essa aqui, até que era bem legal. Então você faz faculdade? Sim! De biologia. Terceiro semestre. E você? Eu tenho uma banda. É mesmo?! E o que tocam? Ahh... Basicamente rock... Eu sei que não é muito o que as pessoas querem ouvir mas é o que eu gosto de tocar sabe... Não é o que as pessoas querem ouvir? Tá brincando, eu adoro rock! É sério? Uhum! Uau... Que legal Meg... Legal mesmo... Disse a olhando nos olhos. Então o ônibus chegou interrompendo e nós subimos embarcando. A viagem foi muito legal e sinceramente, tirando os meus dois melhores amigos, também membros da banda, nunca tinha me divertido tanto com uma pessoa. E era difícil acreditar que ela gostava de quase as mesmas coisas que eu. Eu dei risada no ônibus como não dava fazia muitos meses, ela me fez sorrir mesmo estando naquela situação difícil... Acho que finalmente achei alguém em quem talvez eu pudesse confiar... “Não Blake, não ponha tanta expectativa em alguém que não conhece...” Eu precisava me policiar, tinha acabado de conhecê-la. A única coisa que incomodava era o celular dela que tocava a cada 10 minutos. Mas ela parecia não se importar então eu também não liguei. Foi quando em uma das vezes em que ele tocou, ela finalmente deu atenção. Blake, espera um pouco... Scott, eu tenho certeza que fui bem clara! Se me ligar outra vez vou te bloquear na lista de chamada e é aí que não vai conseguir fala mesmo comigo! Disse agressiva e desligou na cara dele. Essa pessoa aí com certeza não teve a mesma sorte que eu Disse brincando, ela sorriu Ficou até parecendo que eu sou uma chata né? Mas você viu quantas vezes ele me ligou? É um absurdo! Falou mostrando o visor do celular É, eu vi. Scott é meu namorado... Nesse momento fiquei mais sério

Digo, era... Terminei com ele há duas semanas, mas ele não quer aceitar. Porque foi por telefone... Mas não adianta ele aparecer pintado de ouro que eu não quero! Melhorei o semblante né Nossa... Ele fez algo muito errado? Desculpe perguntar... Não, tudo bem... Ele não fez nada de errado, eu só não quero mais... Sabe... Eu quero começar uma vida nova, conhecer novas pessoas... Eu não sinto a mesma coisa por ele como na época em que começamos... Eu compreendo o que diz. Sinto muito mesmo assim Aaawn Blake, você é um fofo... Obrigada. ela sorriu e eu sorri também. Apertei os lábios e desviei o olhar, ela me intimidava muito Mas e você? Tem namorada? Você tem olhos muito bonitos... E um cabelo bem legal... Ela se recostou na cadeira Aah O-obrigado, seus olhos também são muito bonitos. E o seu corte é incrível. Eu queria elogiá-lo desde que o vi, mas tive vergonha de dizer. Cerrei os dentes e dei um pouco de ombros a olhando

É, você é bem tímido né... Fica desviando o olhar de mim... Não precisa ficar tão nervoso... Eu não mordo... Só derrubo Sorriu e eu sorri também, rindo Ah, é verdade, eu sou bem tímido... Mas o desvio de olhar tem outros motivos também...

Desviei o olhar, mas logo voltei à olhá-la. Sim! Mas não mude de assunto... Ainda não me respondeu a pergunta... Ela apertou os olhos, sorri abafado

Não, não tenho namorada... Balançei um pouco a cabeça com um “não” sorrindo, mas depois fiquei um pouco mais sério. Desculpa... Fiz uma pergunta que não devia?

Não, não! É só... Que eu lembrei de uma pessoa... Eu tinha uma namorada... E eu gostava muito dela... Quer dizer, gosto... Mas agora ela está na de outro cara... Ai, eu sinto muito... Sei como é bem chato...

... Eu gosto dela desde sempre, é um amor de infância. Nós sempre fomos muito próximos, somos tipo primos na verdade... Disse com a cabeça mais baixa, olhando-a apenas uma vez Deixa eu ver se entendi... Os tios dela te adotaram? Isso... Sorri Mas o pior é que nós estávamos bem, quando namorávamos. Tudo estava lindo até que o pai dela resolveu colocá-la numa escola para melhorar as habilidades dela e aí tivemos que terminar... Porque era um internato. Se fosse uma escola longe não teria problema, porque eu morava na Alemanha e ela aqui em Los Angeles, mas eu conseguia sempre dar um pulinho aqui, porque meu pai adotivo trabalhava na base de Sacramento, então ir pra L.A não era difícil... Obviamente não iria contar à ela que meus irmãos podem se teleportar Mas por ser um internato aí era impossível... Suspirei meio entediado e me encostei na banco e olhei para cima Agora sim... Sabia que você era um pouco diferente... Mora na Alemanha. Uau, viajar da Alemanha para Califórnia sempre que quiser... Que demais... Calma, não somos assim tão ricos, antes que pense... Sorri, ainda sem olhá-la Tudo bem, se diz... Mas você é alemão mesmo ou só morava lá? Sou de lá mesmo. Nasci em Dusseldörf, mas depois que me adotaram fui morar em Berlim e nunca mais voltei pra Dusseldörf... Quer dizer, visitei uma vez eu acho... Mas voltei no mesmo dia. Berlim... Dizem que é muito bonita... Quem sabe um dia eu não conheça... Ah não, é lá essas coisas todas... Tem mais é muro pichado hahaha Sorrimos. Mas então seu pai é daqui e você de lá? Não, meu pai é de lá também. Mas é que rolou umas complicações na vida dele. O meu pai não queria cuidar de mim. Então ele me deixou no orfanato e fugiu. Quando o encontrei, descobri que ele morava aqui em Illinois. Ele vagou por muitos lugares até vir morar em Chicago, segundo ele. Nossa, o seu pai... É muito malvado, desculpa perguntar mas porque está visitando ele? Sei que é seu pai mas ele... Ele não quis cuidar de você... É, ele uma vez me disse que não tinha se arrependido em me deixar.... E disse que faria de novo... Pois é, bem na minha cara. Eu tinha 12 anos quando o encontrei, não foi muito fácil de ouvir... Disse enquanto ela fazia uma expressão de surpresa Só que lá no fundo... Acho que temos muito em parecido Disse olhando para baixo com certa atenção, deixando o cabelo cair sobre meu rosto

A razão de eu estar procurando-o agora é porque... Levantei a cabeça ...No momento ele é a única pessoa que posso procurar... Parece ser uma vida bem difícil... Ela torce a boca Às vezes... Mas tem seus momentos legais.. Como agora... Sorri a olhando Mas tem alguns chatos também, como por exemplo, depois de oito meses o meu pai resolve me mandar para mesma escola que a minha ex-namorada e o que acontece? Descubro que ela está com outro cara, e não só isso, está grávida dele. Falo fazendo um movimento de deboche com a boca na úlima palavra

O que?!! Grávida?! Meu Deus, que absurdo! Mil desculpas, mas essa garota é uma piranha! Não se desculpe, ela é mesmo... Mas eu gostava dela... Ainda gosto eu acho... Sabe o que que eu acho? Que você deve parar de achar! Você tem que desencanar dela, procurar uma pessoa legal pra você. Qual é... Existem milhões de mulheres no mundo... É, eu estou caminhando... Mas espera um pouco, seu pai te mandou para a escola? Então você ainda está no ensino médio? Não, é uma escola diferente Meg... Não convencional, aceita qualquer idade... Diferente como? Eu não posso dizer... Desculpa, eu realmente não posso Tudo bem, não precisa me contar. Afinal só me conheceu há uma hora, não é mesmo... Não, é sério, não é que eu não acredite em você, é porque realmente, não dá... Blake, tudo bem... É sério, eu entendo... Que bom... Mas tem uma coisa que posso te mostrar. Enquanto você sonha com Berlim, eu conho com Newcastle, na Austrália. É meu sonho viver lá. É mesmo? É muito lindo... Tenho umas fotos aqui... Peguei o celular para mostrar as fotos a ela e enquanto passava as fotos, ela se recostava na cadeira e se aproximava de mim. Chegou a encostar sua cabeça em meu ombro. A olhei de lado

Eu ficava indeciso sem saber o que fazer, meu coração acelerava e minha mente me mandava agir, mas o que eu iria fazer?!! Acabei de conhecer a menina... Essa aí é bem bonita... Sim... Me rescostei na cadeira e me rebaixei propositadamente para ficar na altura dela fazendo uns movimentos com o nariz para disfarçar ...Mas a minha preferida é essa...

Disse e a olhei, assim ficamos bem perto e nos olhando. Olhava para seus olhos e sua boca e ela fazia o mesmo comigo.

Foi quando ela se levantou dizendo que chegou o ponto É aqui! É claro que era... Fechei os olhos me odiando. Descemos e fomos andando. Ficamos um tempo em silêncio até ela recomeçar Talvez um dia depois de Berlim, eu visite Newcastle também. Sorri pondo o cabelo para trás

Fico feliz de ter te convencido. Lembra quando disse que queria sair e encontrar novas pessoas? Acho que eu estou, na mesma fase... A minha já está andando... Acabei de fazer uma nova amizade... Ela disse sorrindo e então para. Olhei ao redor e era exatamente uma encruzilhada. O que aconteceu? Tem algum problema? Encruzilhada, às 00:00 hora não dá o que preste Bem, é que agora eu sigo e você vai por esta rua... aponta para a esquerda. Já estamos na St. Anger, só que o bloco 12 é por aí. Só seguir direto. Ah... Nossa, já chegamos?  Foi tão rápido... É, também achei... Então... Tchau Blake. Ela acenou para mim e eu tomei coragem Eu...aceitaria um abraço... Falei tímido e com ombros caídos. Ela sorriu e me abraçou, me dando um beijo na bochecha.

Posso acompanhá-la se quiser... Melhor não, minha casa é bem no fim da rua, você pode se perder... Toma... Ela tira do bolso um papel. É o meu telefone. Me liga qualquer coisa.

Manhosa como sempre, suspende um dos ombros e sai. Sorrio e vou andando até a casa do meu pai. Não estava tão diferente de seis anos atrás, mas eu não conseguia lembrar totalmente da rua. Por sorte lembrava muito bem da frente da casa. Respirei fundo antes de apertar na campainha e então apertei, saindo do centro para ele não me ver no olho mágico. Se é que ele me veria, já que estava sempre bêbado. Consigo ouvir passos de alguém descendo e logo tocando na maçaneta. Fazia tanto tempo e se ele me mandasse ir embora? Ele abre a porta, segura a maçaneta com uma mão e um cigarro com a outra. Estava ereto, quando se deixa apoiar por apenas um pé e fica me olhando. Eu tinha 12 anos quando ele me viu pela última vez, eu estava mais alto, mais magro e mais cabeludo agora, muito diferente... Tragou o cigarro antes de me perguntar

Posso te ajudar? Nunca achei que diria isso, mas na verdade sim... A voz mudou também. Então ele ficou um certo tempo me olhando

Blake? É você? Ele reconheceu de alguma forma, depois de muito apertar os olhos. Engoli a seco. O mesmo parecia feliz Sou eu... Ele demorou pra levar à sério Entra... Disse abrindo mais a porta, me deixando passar. Fechou e disse me olhando, depois de tragar o cigarro.

Fica à vontade...
Sede da Liga do Mal, localização desconhecida, Séc.XXI

Alexis D. L. Striker/15 anos
Pela noite, comecei a ter uns pensamentos estranhos que me fizeram acordar.

Apenas abri os olhos e continuei deitado na cama. Olhei para cima para olhar o relógio da bancada, eu achava que devia ser um pouco mais que três da manhã, mas ainda era apenas meia-noite... Que estranho... Podia jurar que eram mais... Voltei a minha posição confortável, olhando novamente para frente.  Aqueles pensamentos confusos, foram voltando, minha cabeça começou a doer então fechei os olhos para tentar dormir de novo e foi quando aquilo me levou à uma visão " />


Era uma visão com a minha irmã, ela estava bem e do nada uma coisa muito ruim veio pegá-la, veio tirar sua vida e possuir sua alma, a tirando deste mundo. Ela parecia estar numa sala, parecia um hospital e de repente esse lugar que ela estava começou a pegar fogo, as pessoas que estavam lá tiveram que sair... Ninguém podia salvá-la... Levantei da cama atordoado

POR QUE ISTO ESTÁ ACONTECENDO! Aquilo não eram somente sonhos, eram visões, mas também podiam ser só coisas da minha cabeça... Eu sabia que não devia ter deixado Master brincar com isso, é tudo culpa dele! Se não conseguia controlar estas coisas antes, agora está pior! Levantei da cama correndo e fui até o espelho do banheiro. Fiquei olhando meus olhos, alguma coisa tinha que estar errado em mim.

Nada errado... Qual é... Essas visões não podem ser reais, não podem...
Saí do banheiro, voltei ao quarto e sentei na cama. Eu preciso falar com Aysha! Eu preciso vê-la, preciso me certificar que tudo vai ficar bem! Ou Heisel! Heisel pode me ajudar... Vasculho o quarto procurando o celular, mas ele não está lá. Cadê você... Encontro uma guitarra e fico olhando, a coloco no pescoço e tento tocar Maneiro... “Alexis, seu burro, isso é só para te distrair!” Fico bravo novamente e me jogo na cama de costas

Droga! Aqueles manezões levaram meu celular! Tudo bem, que deixaram essa guita maneira, mas eles levaram meu celular! Só para eu não ligar para ninguém... Para eu perder contatos com tudo e todos que conheço e não tentar fugir... Idiotas! Falo bravo e jogo uma das coisas que estava em cima da cama na parede. Alguém do outro lado bate na parede e grita _Ô manezão, não só tem você aqui não!_ Faço uma careta e me encolho, tinha esquecido que tinha outras pessoas ali. Levanto indo até a janela, eu tinha que fugir dali... Mas a janela não abria, eu pus as mãos no vidro, colando meu rosto ali para enxergar melhor a parte de fora e só tinha mato... Fora que estava tudo escuro. Eu preciso sair daqui! Voltei para cama Mas como? Eu não vou conseguir... Se eu soubesse usar algum dos meus poderes talvez... Eu pudesse quebrar a janela... Olho um objeto na cama e penso “Eles vão reclamar do barulho....” AH, que se dane! taco na janela, mas ele volta, a janela era de acrílico. MERDA! Ainda na cama sento e fico pensando “Deve estar tudo bem Alexis... São só coisas da sua cabeça...” Mas então porque eles ainda não vieram me procurar?! Ninguém nunca mais me achou... Nem Heisel... Nem Myusha... Nem Sam... Nem Sam conseguiu me achar! Eu não posso ser achado... Aqueles pensamentos voltam à minha cabeça

Tem algo muito errado com Aysha! Levanto da cama Vou sair daqui nem que seja na força bruta... Disse já pegando umas coisas, coloquei um casaco e botei no bolso dinheiro, identidade, relógio... Coisas que se levam quando se sai. Apertei no botão para a porta abrir e quando saio ela se fecha. Olho o corredor que era todo branco e vou correndo, sem fazer muito barulho. Entro no elevador, são tantos botões, não tinha ideia o qual apertar, não tinha nenhum escrito “térreo” ou “garagem”. Cacilda! Observei um botão diferente que tinha apenas a letra Q Vamo tentar a sorte né... Apertei e ele me leva para a sala de controle, a que tinha o painel com o super-computador na parede. Ao sair do elevador pensei falando Então “Q” me leva de volta para cá?! Mas porque Q? Q... QG... É a primeira letra da sigla QG... Que significa “Quatel-General”, mas também pode ser sala de reuniões, lugar em que as pessoas se encontram, como aqui... É óbvio... Revirei os olhos e segui andando. “Esse lugar é enorme, com certeza deve ter um mapa... E esse supercomputador vai me ajudar.” Pensei indo até ele, quando ainda não tão perto, vejo uma xícara. Paro imediatamente. Tem alguém aqui... Escuto passos de alguém vindo, corro para o elevador. Era Master, clico qualquer botão, mas o elevador não vai. Aperto desesperadamente todos os botões, eu só queria sair dali imediatamente, mas era como se uma força o impedisse de sair É Master... O que faz acordado? Ouço a voz dele do elevador. Saio sem graça e o vejo de costas sentado na cadeira mexendo no computador. O que faz você acordado? Resolvi arriscar. Ele nem me olha Já passamos dessa fase... Suspiro Eu acordei e não consegui mais dormir. É estranho que eu tenha dormido tão pouco, mas me sinto muito descansado. É porque não dormiu pouco, repousou por quase uma noite inteira.  Eu fui deitar às 11... Ainda são meia-noite. Pelo menos eram, antes de eu sai do quarto. Olho para o relógio do computador e estranhamente marcavam 11:10 Ahh... Acho que seu computador está atrasado. Não, ele não está... Ele está bugado, como todos os outros relógios. Se olha o seu de pulso, também marca esse horário... Ele falava teclando. Olhei para o meu relógio e ele tinha razão Mas eu tinha certeza que... Não é só você, o mundo inteiro está assim. Não consegui dormir pesquisando sobre a sua visão... São 4:40 da manhã. Me aproximo dele, olhando o telão.

Você estava certo, acho mesmo que estão vindo os fins dos tempos... Se é que não já chegaram... Como sabe que são exatamente 4:40? Sabe Alexis, a tecnologia e o tempo podem ser afetados por efeitos exógenos. Mas a natureza mantém o seu trabalho independente da hora. Está vendo a janela? Olhe as folhas que estão tocando nela... Estão molhadas... Aquilo é um fenômeno da natureza chamado orvalho da manhã Eu sei o que é o orvalho... Perfeito... Então sabe que ele só acontece pela aurora da manhã, entre as 4 e 5 horas... Certo, mas pode ser qualquer uma dessas horas. Fique em silêncio... Ia falar algo, mas fiquei quieto como pedi. Está ouvindo? Ouvi um cacarejo Isso é um galo?! Sim... O horário comum dos galos começarem a cantar é próximo das 5 horas, sendo que eles não cantam antes das 4:30 e não continuam muito depois das 5 então...  O interrompi Pensou numa fase de tempo que estivesse antes da 5 e depois das quatro... Um período de tempo entre 4:30 e 4:50... Com a margem de erro de 10 minutos... 4:40... Exato... Pensa como eu Alexis... Por isso está apto a ser meu sucessor Revirei os olhos. Vi do seu lado também uma ampulheta. Me sentei Mas esse não é o motivo real de estar aqui... Tentou fugir e não conseguiu Fiz uma expressão de tédio e disse sorrindo falso Pois é...

Eu preciso ver a minha irmã Master... Eu tive sonhos estranhos com ela, preciso muito vê-la. Sonhos? Ele se vira para mim Visões... E eu não quero estar certo... Eu sonhei com ela morrendo... Quando? Não havia relógios nem nada na visão... Mas estava escuro como aqui. Óbvio, estamos escuros no mundo inteiro... Disse ele com a mão no queixo Tudo bem pode ir... Chame Knox para te levar Diz ainda teclando. Me exalto, saindo da cadeira e levando o braço um pouco para o lado

Chamar Knox?! Qual é eu não posso ir sozinho?! Onde está a sua confiança em mim? Ele me olha calmo e diz parando de teclar

Você ainda não me deu...  Olho para cima balançando a cabeça negativamente e digo Tudo bem... Mas não sei onde ele está... Ele se levanta e vai comigo chamá-lo. Aperta no andar 3 do elevador. Saímos e vamos ao quarto dele. Abro a porta Ele não está aqui... A cama estava desforrada e o quarto vazio. Master olha com atenção e diz Acho que sei onde ele está... Entramos no elevador novamente e descemos até o nível 1. Encontramos Knox onde Master pensou que ele estivesse

Fiquei olhando o cara, ele era muito, muito forte. Olhei para mim. Virei para o lado sem graça. Ele se vira para nós quando nos percebe chegar  Vão ficar me admirando?  Porque não está dormindo? Eu gosto de treinar, sabe disso  Pela madrugada? Apenas quando está nervoso...  Ele volta a treinar Ficou nervoso com o que Alexis disse, está com medo com o fim dos tempos... Ele para

Eu acredito nessas coisa, tá legal?! Se o moleque diz que o Apocalipse está chegando, eu tenho o direito de ficar assustado.  Subo as sobrancelhas lhe dando razão. Claro que tem. Será que ainda assustado consegue cumprir mais uma missão? Knox faz uma expressão de entediado e pergunta  O que é dessa vez? Preciso que leve Alexis para visitar a irmã dele.  O que? Manda Josh levar ele! Ele se irrita um pouco e volta a treinar. Me assusto um pouco com seus socos

Josh ainda não voltou... Está procurando Jéssica.  O que? Mas porque? Já encontramos Julieta, já salvamos Fritz... Não tem mais porque ele continuar procurando a menina Ela faz parte da turma de Lucas e está desaparecida sem razão. Eu pedi para ele se manter em missão. Para que Alexis quer visitar a irmã dele? Está escuro, ele pode fazer isso amanhã!  Acontece que já é amanhã, Knox! Knox para e olha Master Os relógios estão errados por causa do fim dos tempos. São quase 5 da manhã. Knox respira fundo e diz Tudo bem, o levo quando acabar Volta a socar Não, ele precisa ir agora! Ele se vira com raiva  Agora vai ficar fazendo os caprichos dele porque vai ser seu sucessor?! Não! Ele teve uma visão da irmã morrendo!  Olho para Knox um pouco assustado e ele muda sua expressão, me olhando. Desvio o olhar para o lado, meio cabisbaixo. Morrendo? Não temos previsão de quando, então seria o melhor ele ir o mais rápido possível.  Por isso Josh seria o melhor. Ele pode levar Alexis em minutos. A irmã dele está à 6 horas daqui, quando chegarmos lá é capaz dela já está morta Me contorço um pouco com a palavra “morta”, passo a mão no cabelo encolindo a seco. Ele estava sendo um pouco frio quanto à isso. Não se preocupe, vocês podem ir de foguete. Só leva uma hora daqui. Não acreditei no que ouvi Foguete?! ...Mesmo assim... A estação espacial da Califórnia fica longe de Sacramento.... Não se forem de jatinho.  

Ele sorri, deixando Knox sem mais palavras. Vou tomar banho, me espere no QG. Disse ele, batendo em uma das barras, a quebrando. Acho que ele não gosta de mim... Disse com os olhos um pouco arregalados  Knox? Nãão, que é isso... Ele é assim mesmo, meio fechado, mas quando se torna íntimo é muito brincalhão. Vamos voltar para o QG. Voltamos e espero Knox sentado no sofá, Master mexe novamente no computador. Knox vem já pronto para ir. Dê a Alexis o tempo que ele precisar com a irmã. Na hora de voltar reviste-o. Não demorem muito ou vou ficar com saudades. Fiquei sem graça quando ele mandou Knox me revistar. Knox dá um ar de riso com o “ficar com saudades”. Eu não... Disse baixo e então quando me levanto para ir com Knox, ele pergunta Já preparou a nave, né?! Estou fazendo isso agora... Olha só, Knox... Parece que há uma nave não identificada no radar...  E não é qualquer nave... É a de Victor Von Doom. Ele diz depois de procurar o número de série da nave e os registros. Aquele computador era incrível. Eu e Knox nos aproximamos Por que Victor viajaria sem se identificar? Porque talvez não seja Victor pilotando... Ele fala olhando Knox e arqueando as sobrancelhas

Knox sorri e pergunta Qual o destino? Latvéria... Vou ficar na escuta e te mando informações pelo celular. Perfeito. Eu e Knox nos viramos para sair. Master fala para mim de costas Alexis, nada de aprontar... Não posso prometer nada. Eu e Knox vamos mudos até à estação espacial da base que fica bem no subsolo. Entramos no foguete calados. Ele me dá a roupa espacial para vestir e eu pergunto Vocês fazem missões na lua? Não só lá, mas em todo o espaço sideral. Arregalo os olhos surpreso E às vezes usamos para transportes como agora, mas somente em emergências muito graves. faço um afirmativo com a cabeça. Aqueles pensamentos ficavam indo e voltando na minha cabeça. Tinha terminado de vestir o traje e só faltava o capacete. Decidi perguntar para Knox Knox, sei que não somos muito próximos mas... Acha mesmo que minha irmã vai morrer? Knox respira fundo e puxa seu zíper para cima Depende do quão precisas são suas visões... De todas que já teve... Quantas já errou? Senta aí.  Me sento na cadeira e ele prende o cinto em mim. Uma lágrima cai do meu olho esquerdo. Eu nunca tinha errado em nenhuma visão. Ele põe no piloto automático, coloca seu capacete e se senta apertando o cinto e assim decolamos. Fomos até o espaço e da janela eu vejo as estrelas e o planeta Terra. Ficava me perguntando porque as coisas eram assim. Mas aquilo estava muito diferente do que eu conhecia. Havia uma enorme sombra vermelha cobrindo os planetas, a Terra estava completamente escura. Depois a figura de dois olhos me assustou O que é aquilo?! Knox olha também sem entender e me nega com a cabeça

Acho que agora sabemos porque está tudo escuro. Afirmei com a cabeça o olhando. Descemos até a Terra novamente, chegamos na estação espacial da Nasa na Califórnia e de lá pegamos o jatinho da Liga do Mal. O número era 65. De jatinho, como disse Master, só demorou 15 minutos para chegarmos em Green Islands. O jatinho nos deixou em um campo aberto próximo ao hospital. A cidade estava completamente destruída Meu Deus, que lugar horrível para se dar a luz! Vamos logo, temos muito o que andar. Assim eu e ele vamos andando até o hospital, o que demora mais ou menos 5 minutos. Estava afobado indo para a recepção quando Knox me impede Vamos com menos rapidez ao pote, ligeirinho. Não vai dizer o nome da sua irmã para eles. Ela é ua mutante, está sendo caçada, deve ter dado um nome falso. E como vou encontrá-la?!  Procure pelo Doutor... Brad Oux... Procurei e a moça responde _Ele está em plena cirurgia agora. Melhor esperar É que ele é irmão da paciente, será que pode visitá-la?  Ela procura o nome da paciente e diz _Ava Madison?_ Faço uma expressão estranha, será que era ela ou não?! Essa mesmo. _Certo, qual seus nomes?_ Nos entreolhamos sem saber o que dizer Sou Clark Wayne. _Wayne?_ Sim, somos irmãos de pais diferentes. Knox me olha com uma expressão meio sem graça, porque eu tinha juntado nomes de super-herois. Mas ele confirma minha história Exatamente, eu sou o pai dele. Ela nos olha meio estranho porque ele era negro e eu branco. Mas ela não se atreveria a se aprofundar naquilo. _Certo, sentem-se ali na sala de espera que os informaremos. Qualquer coisa um enfermeiro irá chamá-los._ Certo, obrigado. Vamos nos sentar e eu pergunto risonho Meu pai?  Não é todo dia que posso ser pai do Superman e do Batman ao mesmo tempo. Ele brinca e eu sorrio abafado. Mudo a expressão e pergunto um pouco afoito, mas em tom baixo Como sabe se essa tal de Ava é realmente ela?! E se não for?!! Fique calmo, o parto da sua irmã não é algo que qualquer um pode fazer. Brad seria o único que eles conhecem que possui tal expertise. Diz ele um tanto tranquilo. Suspiro ainda afoito, mas tentando ficar calmo. Eu já estou chegando Aysha... Falta pouco...


Última edição por @Parisse em Qua Mar 29, 2017 4:10 pm, editado 4 vez(es)

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Ter Mar 28, 2017 11:43 am

Sacramento, Califórnia, séc.XXI

Victor Von Doom /“Doutor Destino”
Nos hospital, depois de tê-la perguntado quem fez tal hostiladade ela gagueja e me pede para tirá-la dali Julieta, me responda... Quem fez isso com você... E ONDE ESTÁ Fritz Von Doom... Ela começa a tirar os aparelhos, a enfermeira se atenta _Senhorita, não pode fazer isso!_ Permaneço sério Continuarei esperando a tua resposta... Ela se deita, me aproximo e ela diz Foi aquele homem... Que homem? Aquele homem que me levou até o quarto, ele tentou me atacar... E-Eu... Tentei me defender mas não consegui... Fritz chegou e lutou com ele... E... E O QUE?! Perguntei já exaltado, respirando apressado, ela demorava de falar sobre Fritz. Não conseguia acreditar que meu lacaio, um dos mais confiáveis que havia escolhido a dedo para viajar comigo, tinha feito aquilo com ela Eu não sei aonde ele foi... Victor... Eu... Não sei.. Me virei apertando os punhos, onde aquele menino se metera? Aquela história estava confusa e nebulosa, precisava tirar aquilo à limpo. Fiquei um tempo afastado quando ela veio com ideias para o dia Doom. Permaneci em silêncio e então ele me promete que vai encontrá-lo. Não vai não. Você vai ME AJUDAR a encontrá-lo. Enfermeira, dê alta nesta moça. _Mas senhor, ela está sob observação..._   AGORA! _Tudo bem..._ Ela desliga os aparelhos de Julieta e refaz o curativo na barriga dela Estarei te esperando na recepção... Disse e saí. Estava furioso. Logo ela vem, com a roupa que estava antes melada de sangue. Vamos passar numa loja de roupas antes, eu não quero andar por aí com você toda suja. Entramos na minha limusine e vamos ao Shopping, lá dou-lhe um cartão de crédito e mando-lhe comprar algumas roupas novas. Enquanto ela vai, fico fora das lojas, ainda na entrada, mexendo no celular para agendar meu voo. Ligo para o segurança do meu jato, mas ele não atende Mas ora, porque não atendes? Tua única funça é atender ao chamado de Destino! Disse raivoso ao telefone e nada dele atender. Suspiro fundo ainda sem engolir muito bem a história do lacaio e então ela volta com as roupas e me pede mais um favor... Terminou com as compras? Ainda tenho compromissos para resolver  Terminei. Mas Victor... Seu que tem um pouco de pressa, e tem me ajudado bastante, por isso não quero abusar de você... Mas é que surgiu um compromisso e eu preciso muito ir... Tenho de visitar o meu primo. Como é que é?  Ele pode ter informações de Fritz... Meu primo é um demônio e consegue se conectar à muitas mentes... Se ele encontrar a mente de Fritz... Ele pode achá-lo... Apertei os olhos Tens certeza do que está dizendo? _Sim, Victor... Ou melhor, Doutor Destino. Então porque não simplesmente liga para ele? Precisa ir lá para pegar a informação? A pressionei. Ela demora um segundo para responder  Bem, é que... Lucas teve um probleminha com seu celular... E não tem ninguém perto dele com quem possa se conectar?! Victor, por favor! Eu preciso vê-lo urgentemente... E você sabe... Não é seguro falar por telefone... Se Fritz estiver em perigo, quem estiver com ele, pode ouvir.... Prometo que irei rápido... Suspiro fundo e reviro os olhos. Não! Meus homens estão na rua, podem te confundir e te atacar... Arranjarei um veículo para nos levar. Isso mesmo, Destino disse "nos" Enquanto isso compre para mim umas batatas, estou tendo problemas para reservar meu jato, então isso pode demorar alguns minutos... Assim ela vai e eu ligo para uma companhia de helicópteros.

Quando ela volta o helicóptero já espera por ela. Pego as batatas e subo no helicóptero, ela também. De cima, temos a visão panorâmica da cidade. Começo a comer as batatas, com um pouco de dificuldade por causa da máscara, mas não dou importância para isso. Acho bom seu primo saber alguma coisa... Disse sério e comendo. Depois de 20 minutos, chegamos num terreno baldio próximo ao hospital. Já havia uma aeronave lá. Olhei o número  65... Conceço esse jatinho... Mas de quem é... Me perguntei pensativo e assim vamos andando até o hospital. Na recepção, a Julieta pergunta por Brad e a recepcionista diz que ele está em cirurgia. _Vocês só precisam se identificar e esperar ali na sala de espera_ Me enfureço  SALA DE ESPERA?? Bato a mão na mesa com força, que por ser de vidro, se quebra

DESTINO NÃO ESPERA! Todos ali se assustam, levanto a minha mãos que brilham e os ameaço

Destino exije... Que vocês mostrem a essa garota o que ela bem quiser ou destruirei TODOS vocês! _Calma, calma senhor... É só ir por ali..._ Diz tremendo. Olho para Julieta e faço um movimento com a cabeça mandando-a ir. Ela vai e eu vou atrás, ainda os ameaçando. Depois de entrarmos na ala de cirurgia, um garoto loiro veio ao encontro dela. Julieta! corre até a mesma e a abraça Muito obrigado por vir! Acha que pode me ajudar? Ajudar? Ela não tinha dito nada sobre ajudar... Ainda assim fiquei em silêncio apenas observando. Então quando alguns enfermeiros tentaram me barrar, ameacei com a minha mão e eles saíram da frente.
Inferno

Cain/ Cavaleiro do Inferno
Estava alistando meus homens quando o portal brilha, nos fazendo por a mão no rosto. Quando ele apaga, Lucas aparece. O olho sem crer. Você não entende, não é mesmo... Não percebe que ele te deu uma chance? Uma chance de sobreviver?! Disse me exaltando, me aproximando do mesmo. Os guardas intencionam atacá-lo, mas eu os proíbo, levantando minha faca para cima. Eles param permanecendo atentos Você é burro e ingrato! Ela fez aquilo para te proteger! E aqui está você, novamente... Falo ainda meio irritado, o mesmo tenta debater comigo e me atacar. Perco a paciência Quer saber? Não perderei tempo com você...

Viro minha faca para o lado o mandando direto para o cela já aberta.  Também com a faca a fecho e digo. Vamos ver se consegue escapar comigo aqui... Digo o olhando e vou até o quarto de Satã, voltando depois.
Hospital Geral de Green Islands, Séc.XXI

Aysha Striker/16 anos
Depois que seguro a sua mão e digo que ele teria de me perdoar, ele ficar irritado, sem entender o que estava acontecendo Lucas fica calmo, por favor... Ele tinha lido a minha mente, droga! Eu tinha esquecido de pedir para Samael que ele proibisse Lucas de ler a minha mente... Eu sabia que ele iria ficar nervoso e aquilo era tudo o que eu queria evitar... Eu não queria que nosso último momento fosse assim... Lucas... Por favor, me escuta, eu tenho pouco tempo... Disse, afundando minha mão em meu cabelo. Ele aponta a mão para os nossos amigos, penso que vai machucá-los, chego a levantar um pouco da cama Lucas! Não! Para com isso! Mas ele apenas os põe para fora. Aperta meu braço e me queima perguntando o que fiz. Faço uma expressão de dor, ao ver meu braço queimar, mas eu não o sentia Eu estou protegendo vocês Lucas... respondi e então ele grita comigo, dizendo que não tinha me pedido nem precisava da minha proteção Eu fiz porque quis! Não preciso que me peça para te proteger! Eu faria isso a qualquer custo... Lucas... Ele se vira e eu o toco, ele se afasta gritando não me deixando tocá-lo. Quebra o vidro, tapo os olhos e me encolho um pouco. Ele sai da sala. Me levanto Lucas! Lucas, espere... Chego na porta e os enfermeiros que estavam lá me barram _A senhorita não pode sair da sala_ Ainda está sob observação Aysha, acabou de fazer uma cesariana, não pode correr assim Ignoro Kim totalmente e grito para Lucas ouvir Por favor, Lucas,  não tenho muito tempo... Vamos, vamos voltar para a maca... Eles me levam de volta para a maca, fico triste. Meu coração palpitava forte, eu não sabia quanto tempo teria ali. A enfermeira loira volta. Há um menino que está te procurando. Diz ser seu irmão. O nome é Clark Wayne. Clark Wayne? Eu não conheço nenhum Clark Wayne… Digo franzindo o cenho. Então um raciocínio me passa pela cabeça Espera um minuto... Clark é o primeiro nome do Superman não é? E Wayne... É o sobrenome do Batman... Será que é Alexis? Eu tinha medo de quem poderia ser, tinha medo que Satã tivesse mandado alguém para vir me pegar quando “chegasse a hora.” Mas e se fosse Alexis, aquela seria a última chance que ele teria de me ver, foram tantos anos distante, ele merecia aquela chance. Pode mandar entrar... Arrisquei. Então ele entram com Heisel um homem negro. Me emociono Ai meu Deus, nem acredito que é você mesmo! Ele corre e me abraça bem forte e demorado.  Heisel vem e nos abraça também. Achei que não conseguiria.... Achei que não conseguiria te alcançar viva... O que? Mas... Como sabe? Eu tive uma visão... Me diz que não é verdade Aysha, por favor me diz que não vai morrer... Você está bem, não está?! Olha para você, parece muito bem para mim... Tentei mudar de assunto Como conseguiu se livrar dos caras que estavam te caçando? Não me livrei... Diz cabisbaixo e Heisel nega com a cabeça, então eu olho o grandão. Engulo a seco Aysha, não mude de assunto... É... Desembucha! O que que tá pegando? Passo a língua entre os lábios suspirando depois  sem saber o que responder. Quando achava que não podia ficar pior, Lucas chega trazendo Brad, me cobrando a verdade. Fico constrangida e Brad confuso, Lucas grita ainda mais mandando eu abrir “a merda da minha boca”. O grandão olha para ele de cara feia e sem entender, Alexis se irrita EI! Quem é você para gritar assim com a minha irmã?! Deixa ela em paz! Alexis, tudo bem... Deixa ele... Acho que vocês três merecem saber... Que sim eu vou morrer... O que? Mas você está ótima! Não, não... Alexis cobre o rosto Aysha, o que quer dizer com isso? O que está acontecendo? Vai além de mim, gente... Muito além de vocês... Eu agradeço por tudo que fizeram por mim, mas tentem entender... Ele era muito forte... Ele quem?? Satã! Ele me torturou e me mostrou como serão os meninos! Vocês não poderão com eles! Eles irão destruir tudo! O que eu fiz foi salvar vocês! Dar uma vida mais ou menos normal! Impedir que eles liberem seus demônios! Lucas grita e diz que me mataria ali agora ENTÃO MATA! VEM, MATA! E ADIANTA O TRABALHO DELE PORQUE É ISSO QUE ELE VAI FAZER DAQUI HÁ POUCO TEMPO! Grito vermelha de raiva para ele. Alexis se assusta e sai da sala, o grandão o acompanha Dommie, espera! Logo Lucas sai também Onde você vai!? Dar um jeito de trazer ele de volta! O seu pai já vai voltar, você não precisa fazer nada... Mas como sei que quando voltar você não estará aqui... Ele me beija. No começo, não recebo aquilo muito bem, mas logo me lembro que poderia ser o último, então retribuo profundamente, do mesmo jeito que ele, me levantando da cama

Quando nos separamos, um pouco ofegante eu digo Adeus, Lucas... Ele se vai e eu volto para a maca. Queria segui-lo, mas não iriam me deixar sair. Ponho a mão no rosto fechando os olhos com decepção. Heisel tinha ouvido dali de fora e Myusha também. Por que você fez isso?! Eu não vou deixar você morrer e ficar debraços cruzados, Aysha, EU NÃO VOU DEIXAR! Disse e saiu irritado. Aysha... Olha, eu te entendo, beleza?! As vezes precisamos fazer o que é necessário. Eu só espero que tenha pensado um pouco em você, ao invés dos outros. Boa sorte lá, prima... Ela me dá sua mão e eu seguro a dela, firmemente nos olhando Obrigada... Vou acalmar o branquelo. Heisel! Heisel, volta aqui... Brad nega com a cabeça e as enfermeira ficam sem saber o que dizer Isso é um desrespeito Aysha! Uma falta de consideração com todo o meu trabalho! Eu lutei por você! Não sabe o quanto, nós demos o nosso sangue! Literalmente! Eu quase morri, indo lá te salvar e é assim que nos agradece?!! Se não fosse por mim, ficaria lá até agora, Brad! Acha que ele te liberou porque é bonzinho?! Olha o estado de Gabrielle! Apontei e virei para o lado com raiva. As pessoas reclamavam como se aquilo fosse algo que eu quisesse fazer. Alexis entra de fininho, junto com o grandão. O que eu posso fazer para te ajudar? Eu posso te curar. Logicamente falando, você não pode morrer se não estiver doente, certo?! Sorrio fraco e digo Correto. Mas isso não se trata de lógica... Se pode curar alguém cure ela... Aponto para Gabrielle. Ela está na beira da morte, ligada apenas pelos aparelhos... Morreu para me salvar... Ajude-a e estará ajudando a mim... Então não posso fazer nada... Como sempre? Nego com a cabeça com cara de choro. Ele vai até Gabrielle e toca em sua cabeça. Os sinais vitais dela começam a melhorar.

Myusha Strieker X Heisel Striker
Heisel! Heisel, volta aqui... Não Myusha! Você sabe o que é isso?! Ela vai morrer! Deixar de existir! Fala sério, com quem aqueles meninos vão ficar?! Vão crescer sem uma mãe?! Ele apontou para fora com raiva e desesperado, e então me abraçou Fica calmo... Como eu vou ficar calmo?! Vamos achar uma maneira de tirar ela dessa... Falava apenas para consolá-lo. Ela não voltaria depois dali. Ele sai do meu abraço, enxugando lágrimas e fungando. Pega o celular agitado Vou ligar para Julieta Para quem? Porque?! É uma amiga nossa, ela é um anjo.. Suspirei Quero saber qual a utilidade dela Heisel, não se ela é uma pessoa boa ou má Ele põe o telefone na orelha Não, Myusha ela é um anjo de verdade, com auréolas, asas e arpas... Franzi o cenho sem acreditar, então anjos existem de verdade?! Nossa... Aquilo era muito para mim, eu ainda estava digerindo o fato de Lucas ser um demônio Okay, e o que acha que ela vai fazer? Eu não sei, ela deve ter contatos celestes que ajudem Aysha... Se um anjo do mal está a prendendo, um anjo do bem pode ser a única coisa que pode salvá-la... Alô, Julieta?! É Heisel... Julieta, eu sei que não te ligo nem para te dar um bom dia, mas eu preciso muito da sua ajuda... Aysha... Ela está morrendo e você é a única que pode salvá-la... Por favor, vem pra cá... _Eu não sei se posso ir aí, Heisel, mas vou tentar_ Ah, muito obrigado, muito obrigado, de verdade! Estamos no hospital que Brad trabalha, venha rápido! Desligou E aí? Agora só podemos esperar. Sabe que Aysha está com o tempo contado... Não sabe? Sim, eu sei, não precisa me lembrar! Disse irritado e entrou novamente na sala. Fiquei do lado de fora e fui para o corredor. Suspirei um pouco e pensei em ligar para Blake e avisar... Minha mãe tinha me pedido para cuidar dele, já fazia horas que eu estava aqui e nem tinha ido procurar um fio de cabelo do garoto. Quando fui procurar meu celular, Heisel volta Myusha! Sim?! Quero te pedir um favor... Não conte aos nossos primos sobre a morte dela... Não ainda... Porque não? Heisel, não pode privá-los disso! Quer trazê-los para o hospital? Isso vai ficar uma zona! Já tem muita gente aqui... Nem os meus pais terão esse privilégio... Tudo bem... Deixa eu chamar Blake pelo menos... Não! Principalmente Blake! Ele não pode saber! Mas Heisel... Ele a ama... Se alguém que você amasse morresse sem você saber, como se sentiria? Péssimo. Já me senti assim. Quando Eliza morreu como indigente e eu só fiquei sabendo semanas depois quando estavam a enterrando. Um enterro o qual fui obrigado assistir de longe porque seus pais fizeram uma liminar que me obrigava a ficar mais de 5 metros de distância da mesma... Disse em disparate, respirando no final. Eu sei como Blake vai se sentir, mas acredite, se ele vier agora, vai ser muito pior...  Não o chamarei então... Valeu... Disse e então voltou. Mesmo assim, procurei meu celular, e não consegui encontrá-lo. Entrei na sala e pedi para um enfermeiro perguntar se ele tinha visto meu celular. O enfermeiro responde que a resposta de Heisel havia sido negativa Que estranho... Onde será que deixei meu celular?
Berlim, Alemanha --> Sacramento, EUA

+659(450)77785432

_Alô, Myusha? É McGregor, seu amigo do laboratório. Nossa, porque demorou tanto de atender ao telefone? Se for pelo número desconhecido que liguei, é porque prefiro manter a ligação segura. Se for pelo último resultado que me mandou, sei que está triste com ele, mas ele não foi um fiasco total! Lhe trago boas notícias! Bem... Mais ou menos..._
O celular de Myshua está comigo... O meu nome é Sam
_Ooh...Entendo... Você tem algum lugar parentesco com ela, algum laço, é que eu tenho uma informação muito importante para dar para ela, poderia avisá-la por favor?_
Não costumo fazer isso, mas estou bonzinho? O que você quer?
_Ahhh… Considerarei isso como um sim! Então, quando encontrá-la avise a ela que aquela pesquisa que eu tinha feito com o seu dente deu resultado. Depois que ela me enviou o resultado do último exame de DNA, eu cataloguei todas as substâncias do corpo dela e percebi que ele possui um elemento além da quantidade normal. Que é enxofre... Então eu pesquisei e descobri... Acredite se quiser amigo, que pessoas podem conter muito enxofre se estiverem possuídas...

_...Mas como sei que Myusha não está possuída e também não é um demônio...  Talvez um de seus pais estivesse no momento que a teve... Ou um de seus pais fosse um demônio... Com o resultado do exame dizendo que os pais dela tem moléculas muito simples, muito provavelmente eles são seres muito antigos... Isso me fez pensar que que a segunda hipótese estaria certa, já que demônios são muito antigos, mas... Myusha não tem poderes de demônio, o que corta a hipótese... A não ser que filhos de demônios possam nascer sem puxar poderes dos pais... Então enviei minhas pesquisas para amigos que moram nas regiões mais antigas do mundo, regiões como Egito, Irã, Irague, Jerusalém... Aquela parte árabe de onde acreditamos que Myusha seja... E eu obtive um resultado! Somente uma mulher teve a mesma quantidade elevada de enxofre no corpo como Myusha... Mas ninguém sabe ao certo o que aconteceu com ela... Só se sabe que ela era uma rainha... A rainha da cidade de Kemet que agora é o Egito,  a cerca de 5.000 a.C. . Tudo bem, sei que parece utópico porque Myusha nem imita uma princesa mas foi o mais próximo resultado que encontrei... Ainda não achei mais informações sobre essa rainha, como o nome ou como foi o reinado dela, mas poderia por favor contar à ela, exatamente o que te falei? Isso é muito importante para Myusha e lhe devo um grande favor, então... Se ela deixou o celular com você, provavelmente é porque vos confia, certo?_
Hospital Geral de Green Islands, Séc.XXI

Eu ainda estava respirando e me sentia bem. Perguntei para eles onde Lucas estava Vocês sabem para onde ele foi? O que está fazendo? Eu tinha medo que ele fizesse alguma besteira Porque se preocupa tanto com esse cara? Ele é um babaca! Ele é o pai dos meus filhos... Espera... Esse é Lucas Tyler? Wow... Cara mais nervosinho… Ele tem os motivos dele… Sua irmã não deveria ter feito tudo sozinha… Aliás eu sou Brad, já que ela esqueceu de apresentar. Ao grandão aí, meu nome é Brad. Eu sei quem você é. Sou Knox. Disse ele, com um sorriso meio tedioso. Desculpa Brad... Dominic, Brad é o nosso Doutor. Se não fosse por ele, eu já teria ido há muito tempo... Prazer Brad, e valeu pelo que fez por ela... Eu que agradeço por Gabie... Não poderíamos salvá-la sem você... É a única coisa que sei fazer... Pelo menos em algo preciso ser útil né... Ela vai acordar logo. Mas foi bem difícil de curar... O que aconteceu com ela? Te conto depois... Então um homem de armadura e Julieta chegam quebrando a porta da sala, ameaçando com a mão que liberava uma forte luz azul, quem estivesse na frente. Julieta... Julieta? Meu Deus, é Victor Von Doom?! Talvez... Eu estou um pouco fraca ainda... O que quer de mim Heisel? Fraca? O que aconteceu com você? Você sumiu... _Tudo bem, eu estou bem, Brad..._ Victor? Julieta... Conhece Julieta? Afinal, quem você não conhece, não é mesmo? Aquele cara me era muito estranho. Como ele sabia de todas aquelas informações? _Knox?_ Julieta, conhece ele? Brad aponta para o negro. Ahh claro. Agora Destino sabe a quem pertence àquela aeronave... Liga do Mal. Destino ainda se arrepende do dia em que deixou seu filho se juntar a vocês. É sempre um prazer te ver Victor. Achei que estivesse viajando no seu jatinho... O que quer dizer com isso? Doom não entende a piada. Não é uma piada. Antes de sair da base da Liga do Mal, detectamos a sua nave no radar. A nave de Destino?! Deve ser um engano, a não ser que algum louco a tenha roubado. Aliás como sabe jatinho pertencia a Destino? Aeronave 757, modelo: AX50, número de série: 011. Não é essa a sua nave? Como sabe?! Nós sabemos de tudo, Victor. Eu não disse?! Destino poderia acabar contigo agora mesmo! Mas suas informações interessam a Destino... Quem estava pilotando a minha nave? O piloto não se identificou. E também não tinha identificado o jatinho, foi Master quem descobriu através do nosso sistema. Quando foi isso? Difícil dizer com todos os relógios marcando meia-noite há mais de 10 horas, mas eram um pouco mais que 5 da manhã. E para onde estava indo? Latvéria. O homem de armadura calou-se e ficou pensativo. Victor... Está tudo bem? Perguntou Julieta Aquele seu primo... Que disse que podia ter informações de Fritz... Eu quero falar com ele agora! Aysha, onde Lucas está? Eu não sei! Julieta, por favor, o encontre, não o deixe fazer nenhuma besteira... Não! Julieta veio aqui para te salvar Aysha! Heisel, tente entender... Não há como me salvar... É óbvio que há! Ainda que todos tenham desistido de você, EU nunca desistirei! Se os demônios não podem te salvar, os anjos podem! A salvação está neles Aysha... Ele diz olhando nos meus olhos e segurando minhas mãos. Eu não tinha pensado nos anjos... Será que eles poderiam me salvar? Samael era um anjo, mas caído. Será que um anjo do Senhor podia lutar com ele? Então esses pensamentos da minha cabeça são cortados por um chamado “Aysha, está na hora.” Não! Por favor, me dê mais um tempo! Com que está falando Aysha? Aysha! Heisel me balança “Não. Já lhe dei tempo o suficiente.” Heisel, me perdoa. Todos vocês, me desculpem! Eu tentei o máximo de mim, eu juro! Aysha, com quem está falando? Quem está aí? Desmaio Aysha.... AYSHA!!

Os sinais estão caindo! Peguem os desfibriladores!

Brad narrando: Carregamos Aysha de volta para a máquina e colocamos nela os equipamentos. Quando a ligamos no monitor, ela não tinha mais vida.

Ai meu Deus... Está acontecendo... Knox, está acontecendo! Disse o garoto se descontrolando e abraçando o negro. Alexis, mantenha o controle! Foi isso que viu na visão?! Sim! Isso e... A sala... A sala vai pegar fogo, vocês precisam sair! O que? Os únicos que precisam sair daqui são vocês, vamos! Andando, todos para fora, procedimentos médicos! Enxotei todos para fora Vamos, andando, rápido! Não, Brad! Só Julieta vai salvá-la! Brad, você precisa sair ou vai morrer queimado! Bato na cara de todos eles e fecho as cortinas. Lavo as mãos e volto a Aysha, as meninas já tinham pego os desfibriladores. Tentamos e nada, aumentamos a voltagem e nada. Ela não queria acordar. Quando mandei mais uma tentativa, uma coisa branca apareceu por cima dela

Meu Deus, o que é isso?! Me afastei, pondo as mãos para o alto. Brad, o que está vendo? BRAD! Brad você precisa... Não conseguia parar de olhar para a coisa. Ela começou a levantar Aysha e a deixou em pé Oh meu Deus... O que está acontecendo? Emily solta os desfibriladores Em toda a minha vida... Eu nunca vi algo parecido... Nem eu...

A menina vai para trás como se recebesse alguma coisa e dentro dela e sangra na barriga. Logo a sala começa a pegar fogo como Alexis falou. Precisamos sair daqui! Brad, não podemos deixá-la! Disse Kim chorando. A única vez que tinha visto aquela mulher chorar foi há anos atrás no caso de um menino de 8 anos com câncer. Eu sinto muito, Kim. Não há nada mais que possamos fazer... Digo tocando em seu ombro. Emily e Alanis correm para fora, logo Kim vai também, olhando Aysha aos poucos. Pego Gabrielle no colo e saio correndo da sala. Tranco e me afasto. Assim a sala se explode.

Corremos para fora enquanto os vidros estralam. Brad! Brad, o que está acontecendo?! Heisel pergunta apavorado. Balanço a cabeça negativamente para ele. A morena do lado dele entende minha mensagem. Não fique assim Heisel, vai dar tudo certo...  Funcionários vêm e usam o extintor para apagar o incêndio. Quando controlam o fogo e ele se apaga, a noite escura vira dia e um clarão perpassa pelas janelas do hospital. Ao entrarmos na sala (somente eu, as doutoras e a enfermeira) haviam sombras de duas pessoas na parede, uma era feminina e outra não se podia detectar...

A sala estava completamente destruída, tudo ali havia virado cinzas e os objeto metálicos haviam sido derretidos. Somente a maca havia ficado intacta, sem uma mancha e em cima dela havia o corpo de Aysha, também intacto, apenas com um corte na barriga.

Peguei o seu pulso e as meninas e os funcionários com o extintor me olharam com expectativa. Balancei a cabeça negativamente. Olhamos no relógio e não era mais meia-noite. Horário da morte... 6:30 da manhã. Sábado, 30 de Setembro...


Aysha narrando: Acordo lá embaixo numa cama. Ele estava novamente esperando por mim. Já com uma outra aparência
Bem-vinda de volta Aysha... Eu senti saudades.... Eu não.. Disse ainda me levantando Eu sabia que iria cumprir sua parte do trato... Merece a minha confiança, depois deste gesto nobre. Isso não me orgulha em nada, se quer saber... Mas me orgulha. E você deveria se esforçar para me deixar orgulhoso de vez em quando. Vai ser bom agora que passaremos mais tempos juntos. Suspiro indignada e então pergunto É aqui que eu vou ficar? indaguei em relação ao quarto Por enquanto... Depois que casarmos irá para um maior Casarmos?! Mas é claro! Tem que casar comigo para se tornar a nova Imperatriz do Inferno. O que? Mas eu não quero ser a Imperatriz... Eu só disse que ficaria com você aqui embaixo e você liberaria meus amigos. E impediria que os meus filhos os machucassem! Não, não não... Eu disse com todas as minhas palavras que você se tornaria a minha rainha... Mas o Inferno já teve uma rainha... Lilith, minha doce Lilith... Que foi morta pelos Winchesters para me libertar... Disse ele, tocando em umas flores do lugar. Ele não parava quieto Winchesters? Isso é papo para outra hora... Disse ele revirando os olhos Mas o beijo não já foi suficiente? Ah Aysha, por favor! Não seja tão chata! Temos direito a uma festa não temos? Eu adoro boas festas! Ele disse animado abrindo os braços

Fiz uma expressão de estranhamento Deve ser difícil para você ver uma pessoa de forma diferente todos os dias, mas agora que está aqui, prometo que manterei apenas essa. É a minha preferida, depois te conto a história.... Pôs a mão na boca como se fosse contar um segredo E vamos admitir que esse cara era é muito bonito, não é? Ele diz se aproximando de mim, passando um pouco a mão no meu quadril e pondo a língua para fora próximo a minha orelha

Me afasto Tanto faz... Eu cumpri a parte do trato, hora de cumprir a sua... Libere Luka. Ele suspira de tédio Ai, tabom... suspende seu dedo indicador  e depois abaixa a mão Pronto? É só isso? É… Ele já está lá em cima no corpo do médico bonitão Diz como se fosse óbvio Ótimo...Respiro um pouco mais aliviada[/color] Ele ia falar mais alguma coisa quando Cain nos interrompe, abrindo a porta  Majestade... Perdão, não sabia que estava interrompendo Diz quando me vê Tudo bem, Cain... O que quer... Ele vai até o mesmo e conversam numa língua que eu não podia entender. Hmm... Interessante… ele diz para Cain me olhando e sorrindo, não sabia o que aquilo queria significar, comecei a sentir  medo. Controle a situação que eu já estarei lá. Como quiser... Diz Cain, fechando a porta. Samael põe as mãos para trás e caminha pelo quarto enquanto fala. Aysha... Você é uma garota inteligente... Está ciente do trato que fizemos, não está? Se tem algo errado, fala logo, eu odeio quando fica fazendo esses joguinhos! Disse medrosa e então ele se aproxima e toca a mão em meu rosto suavemente Calma... Porque ter medo? Eu não irei te machucar...  Se vira e fala um pouco atrás de mim, próximo da minha orelha Nunca atentaria algo contra minha FUTURA esposa... Disse “esposa” e dessa vez passou a língua em minha orelha a lambendo
Me contorço de nojo e me afasto soltando um gemido Fala logo qual o problema! Perguntei impaciente limpando a orelha Só estou perguntando para não haver dúvidas. Não há como haver dúvidas! Eu ficava aqui e você libertava minha família, é um trato muito simples!  Eu também achava. E é aí que está o ponto... Ele girou seu indicador tocando na ponta do meu nariz Não havia nada no contrato que dissesse que eu não podia capturar E prender um deles que aqui voltasse. O que? Parece que você tem uma visitinha... Ele estala os dedos e nos leva para a ala dos presos. Era a ala em que estávamos na última vez que estive aqui. Então ele me leva para uma cela onde Cain e outros guardas vigiavam. Olha só quem voltou... Acho que ele gostou da estadia Quando olho tomo um susto de sentir o coração pular. Fico pasma e depois irritada Não... Não... É uma ilusão, não é possível... Falei me descontrolando EU NÃO ACREDITO! Me jogo nas barras da cela batendo nelas a cada palavra que falava O  QUE ...VOCÊ... ESTÁ... FAZENDO... AQUI! Gritei irritada com Lucas. Eu não podia crer que ele estava ali.

Illinois, Chicago

Cheguei na porta da casa e aperto a campainha. Uma mulher atende Megan! Filha quanto tempo! Ela me abraça, faço cara de desgosto a abraçando. Entro na casa e logo vem o pai Filhinha, finalmente! Abraça e faço cara de nojo. Me afasto apenas os olhando Porque quis vir tão tarde? Sei lá, a passagem estava mais barata. Onde é o meu quarto? Como assim... é lá em cima... Disse sem entender Ficou um tempo fora e já esqueceu das coisas em casa foi? Perguntou brincando É, tanto faz. Tô subindo. Ela está estranha, não está? Cochichou com o outro. Deve estar cansada. A viagem é longa. Sorrio dos patetas enquanto subo as escadas.

Há 4 quartos no andar de cima, um deles tem o nome “Meg” na porta, ou seja, deveria ser o dela, com certeza. Entro no quarto e fecho a porta, ponho a mochila na cama. Olho o lugar, parecia uma verdadeira princesinha. Fico olhando as fotos da família, as notas escritas em seu mural. Pego suas bonecas e ranco as cabeças, olho um urso de pelúcia e o faço estourar saindo espuma para todo lado Hahahah. É tão engraçado quando eles pipocam... Mas o mais legal é fazer isso com humanos, com certeza. Suspiro lembrando do que eu tinha que fazer. Tirei da mochila uma tigela, precisava me comunicar com meu pai para avisar que eu já tinha o loiro na mira. Mas precisava de sangue humano... Onde arranjaria? Da janela vi um vizinho jogando o lixo. Sorri. Me imaginei lá fora e num piscar de olhos, eu estava atrás dele.  Olá, vizinho! Meg! Olá! Não sabia que estava de volta. Era um religioso, mais ou menos velho. Sorri o olhando. Pois é, não tem muito tempo na verdade, cheguei há alguns minutos.... Ah, que legal... E como vai na faculdade? Vai bem... Ele continuava distraído jogando o lixo e eu apenas com as mãos para trás o olhando inocentemente. Quer ajuda? Aceito, sim, muito obrigado. Pego o lixo e o ajudo a jogar. Quando acabamos ele se sente um pouco ofegante. Para e olha para mim, continuando sobre a faculdade Isso é bom Meg. Mas porque está aqui fora tão tarde? É perigoso sair à essa hora. Só estou aqui porque acabei dormindo e esqueci de jogar o lixo...

Perigoso para quem? Para mim ou para você? Pergunto mostrando meus olhos negros. Ele se assusta e então vou me aproximando Você não é Meg! O que é você?! Okay, façamos assim... Eu preciso de sangue para fazer uma ligação... Você se dispõe a me dar e aí não perdemos tempo e fazemos do modo mais indolor, o que acha? Ele vai se afastando Pai nosso que estás no céu, santificado seja vosso nome... Suspende o crucifixo para mim e então eu suspiro, revirando os olhos Porque eles SEMPRE escolhem o jeito mais difícil? Abri o braço para lançar longe o crucifixo que me era perigoso, tirei minha faca do bolso e cortei sua garganta

Ele vai caindo e então sorrio, pego a tigela que havia tirado da mochila e colho o sangue.Ponho meu dedo no líquido e começo a fazer movimentos circulatórios e assim falo as palavras do feitiço Inferni sectatores, nunc audite regem.

O sangue começa a borbulhar Pai?! Oi... Sim, tudo bem por aqui... Reviro os olhos É, eles são mais babacas do que pensei. Disse e olhei o padre, fazendo uma careta. O sangue borbulha mais Ah, sim, Encontrei o loiro sim. Tão ingênuo, não desconfiou nadinha! Borbulha de novo... Não se preocupe, ficarei no pé dele. Se algo der errado, sabemos a quem atacar. Borbulha... Então... Não, ele não falou o nome dela, mas acho que falou sobre ela... Não pude ver muito seus pensamentos, acho que ele é telepata. Mais bolinhas.... Eu tive pouco tempo com ele, não pude arrancar muito! O sangue voa na minha cara Ai, não me irrita, hein?! Irei descobrir se a menina que ele falava era Aysha e se o cara era Lucas. Só me dá mais um tempo, aff... Ele “desliga” a ligação e o sangue para de borbulhar. Suspiro olhando para cima mais uma vez Eles não conseguem fazer o trabalho deles, me colocam para fazer e ainda reclamam! Não entendo esse pessoal... Me indaguei sem entender, levando as mãos um pouco para o alto. Olhei para o padre morto no chão Ah, fala sério, será que terei que limpar essa bagunça também? Pelo menos deixar ele na igreja né... Tive que carregá-lo até à igreja e o deixei sob o altar. Olhei as imagens religiosas que estavam ali, ficando um pouco mais séria. Então caminhei em direção à porta Parece que a cidade vai ter uma pequena “surpresinha” Disse e sorri, voltando para o quarto de Meg.

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Blake + Fritz

Mensagem  @Parisse em Ter Maio 16, 2017 12:28 am

Séc.XXI

Chicago, Illinois


Depois de passar pela porta, fui olhando a casa e relembrando algumas coisas, ela também não tinha mudado muito. Fui para a cozinha me sentar na mesa redonda que lá tinha. Ele foi até a geladeira e pegou uma jarra de água, colocando-a na mesa. Quer? Perguntou  e então eu peguei um copo que estava ali em cima e pus água para beber Obrigado... Disse tímido e bebi a água. Não conseguia olhá-lo. Ele se sentou e tragou o cigarro novamente Certo... E então, quando vai falar porque veio? Porque do jeito que está, parece que tem medo de falar comigo. Pressionou calmo É que foram... Muitos anos... Sim... Mas você está aqui, não está? Me mantive quieto ainda sem olhá-lo. Ele respirou Ok. Blake, eu poderia dar várias voltas e começar com uma conversa fiada de como você está e por onde esteve por todo esse tempo, mas você sabe que eu não sou um cara de rodeios. Você não está aqui por nada. Se teve coragem de vir aqui depois de quase 10 anos... É porque tem algum motivo. Você está aqui dentro... Está na hora de contar esse motivo. Disse ele, batendo na mesa a bituca do cigarro. Respirei e então o olhei Mamãe tem falado comigo. Disse sério, sem desviar o olhar. Olhe só, estamos progredindo. Disse ele, tragando Você ainda tem visões dela? Não são visões, e sim aparições, por vezes invocações. Ela existe de verdade, pai, só que em espírito. Já disse uma vez.... Não me chame de pai... Podemos continuar essa conversa... Mas sem as intimidades... Desculpe... Eu havia esquecido... Comecei a pensar que talvez tivesse sido um erro vir aqui. Mas não queria ir agora. Sobre o que conversam? Sobre o meu destino... Mamãe quer que eu aceite a proposta... E o que quer? Dei de ombros E adianta o que eu quero? Ora, mas é claro. Ela não pode te obrigar a fazer o que não quer. Não foi culpa sua. Foi sim pai, digo, Thomas, foi sim.... Ele me olha um pouco sério por tê-lo chamado de pai novamente. Não sei porque o estava chamando assim. Havia tanto tempo que não nos víamos e ele já tinha me dito antes que não devia chamá-lo de pai. E eu não costumava chamá-lo de pai; mas naquela hora era como se a palavra estivesse escapolindo de mim Se eu não tivesse nascido, estariam juntos até hoje... E para que? Com aquelas fadas atrás do meu rabo? Eu passo... Seríamos foragidos, não é uma vida boa. Eu vi pela TV que vocês estão sendo caçados. Você gosta dessa vida? Hein? Baixei a cabeça e a balancei negativamente Porque eu não gostava e nem gostaria de viver assim. Eu amei a sua mãe Blake... Sério... Mas eu e ela nunca teríamos uma boa vida por causa daqueles fadas idiotas, e mesmo com ela viva e você aqui com a gente, ainda não seria uma vida boa. A verdade é que eu nunca deveria ter ficado com ela. Eu deveria ter me afastado quando descobri que ela era uma fada, a culpa foi minha... Mas agora é tarde... Ele pega um refrigerante e bebe Não, não fale isto... Mesmo com eles nos caçando... Se ela estivesse viva nós seríamos uma família. Uma coisa que você nunca me deu a oportunidade de ter O olhei Não entremos nesta seara... Não, eu quero saber! Disse querendo chorar, no entanto me contive, mas a voz era chorosa. Levantei um pouco irritado Porque você me odeia tanto? O que eu fiz para você? Sabe, eu sei que eu fui uma desgraça na sua vida, que fui condenado desde o começo mas, você me abandonou, me nega depois de eu tê-lo achado e ainda disse para mim que não se arrependia de ter feito isso! Ele cruzou os braços revirando os olhos. Continuei com lágrimas nos olhos Sabe o quanto isso dói? E mesmo com tudo isso eu te perdoei... E você não me dá UMA chance nem de te chamar de pai... Se existe alguma coisa que eu não sei, FALA! Porque eu não suporto mais ser ignorado por você! Eu só quero saber o porquê... Depois eu juro que sumo da sua frente! Disse ainda me controlando, mas uma lágrima cai do olho esquerdo. Passo a mão enxugando o lugar que ela tinha molhado. Ele continuou de braços cruzados, mas sério, fitando o chão e então começou Você nunca foi um problema... Levantou a cabeça e me olhou As fadas não mataram só a sua mãe. Elas acabaram comigo Blake. Meus ancestrais são magos poderosos como você, mas eu infelizmente não sou dotado desses poderes. Eu sou um humano normal, vencível. Eu não poderia te proteger. Você era muito novo para lembrar... Mas eu cudei de ti por 2 anos. Foram os mais difíceis da sua vida. E os mais duros para mim também. As coisas que eu tive de fazer para nos manter vivo... Foram tão horríveis que depois de todos esses anos ainda não tenho coragem de te dizer... Quando você diz que sua mãe existe, eu acredito... Houve coisas que ainda duvido  e não sei como aconteceram. Eu acho que apesar de todas as merdas, nós tínhamos um anjo da guarda. Só podia ser ela... Eles destruíram tudo o que eu tinha e fizeram coisas para impedir que eu alcançasse mais. E eles conseguiram... Vê isso aqui? Abre os braços se referindo à casa. Pega a coca e toma mais um gole ficando em silêncio. Meu pai é muito frio. Mesmo se lembrando do passado, da minha mãe, da suas desgraças e de mim, ele mantinha a mesma expressão de quando abriu a porta para eu entrar.  Ela não é tão ruim... Não é ruim, mas eu não posso progredir! Eles puseram a mão em tudo e logo iria por onde mais queriam, em você. Eu não podia deixar isso acontecer... Você era a única coisa que eu ainda tinha da sua mãe. Além desse colar... Mostrou o colar que minha mãe lhe deu quando eles ainda namoravam. Passou o dedo por cima dele e tornou a guardá-lo por dentro da camiseta. Você pode achar que eu simplesmente te abandonei naquele orfanato... Mas foi o que fiz parecer. Acha que demorou 2 anos lá porque nenhuma família te queria, mas na verdade era eu quem não queria as famílias. Eu fazia uma entrevista com todas elas, eu queria a família perfeita para cuidar de você, uma que te compreendesse porque eu sabia das coisas que iriam acontecer quando crescesse. Então quando vieram os Gölzer e eu vi como eles eram fortes, eu sabia que eram os melhores para te adotar. E eu o acompanhei crescer... De longe... Por fotos e vídeos, mensagens e telefonemas... Sabe aquele número confidencial do celular do seu pai que nenhum de vocês podiam atender? Era eu... Pegou a jarra de água e pôs um pouco no copo para beber. O ouvi atentamente ficando sem reações depois... Então na verdade, ele cuidou de mim... Por esse tempo inteiro... Ele se virou de costas e pegou uma pequena foto que havia na geladeira e me deu. Por causa dos maus cuidados e do tempo, ela estava um pouco deteriorada. Mas dava para ver que era eu quando bem pequeno. Olhei a foto e a pus na mesa de cabeça para baixo. Você podia ter me contado... Olhei para o lado um tanto indignado Para que? Você nunca aceitaria me largar para ficar com uma família que não conhece, e se fosse e eu te quisesse de volta, iria voltar correndo para mim Jogou o cigarro dentro do copo, que se apagou com o resto da água que tinha E porque pensa isso? Acha que não sinto o que sente? Essa vontade de ficar perto de mim... Eu sei que tem. Eu sinto a sua dor. Sou uma parte da sua vida, assim como sua mãe foi. Você? É uma das partes? Ele assentiu com a cabeça Nós estamos ligados. Não só pelo sangue, mas pela alma. Se eu morrer... Uma parte sua morre junto. Por isso me protejo, para te manter vivo. Tive raiva, outra vez, meus pais trocavam a vida deles por mim Abdicou da sua vida pela minha... NÃO devia ter feito isso! Bati com o punho na mesa E eu faria de novo, Blake. Para te proteger. Meus olhos se encheram de lágrimas, então fechei os braços me contendo. Achei que meu pai era um bêbado, fumante e drogado que não estava nem aí para ninguém, mas na verdade ele fazia das tripas coração para me proteger. Por toda minha vida eu me perguntei... O que tinha feito para você me odiar tanto... Disse sem olhá-lo Eu nunca te odiei... Eu só preciso te manter distante... Por isso é sempre duro comigo? Por isso prefere os outros filhos que eu? Ora, eu não os prefiro! Eu não falo com eles todo dia, eu não moro com eles! Seu irmão quando quer ás vezes vem aqui, mas por que ele quer. Nem Noah, nem Safirah tem haver com a sua história. Mas você acha que se as fadas tiverem a oportunidade de porem as mãos neles para te ameaçar, ou me ameaçar, eles não irão? Eu mantenho todos você longe de mim o possível e longe de vocês o possível. Eu sei que gostaria de conhecer mais os seus irmãos biológicos, mas estaria pondo a vida deles em risco. E quando eu disse que não me arrependi de te abandonar, foi porque eu vi o resultado. Olha como você está grande, forte e bonito. Quanto mais tempo você duraria comigo? Que educação sobre seus poderes eu iria te dar? Os Gölzer eram perfeitos para você... E quando eu digo para não me chamar de pai, é porque eu não mereço ser chamado assim. Eu não estive presente como deveria, não tive culhões de enfrentar a turma dos padrinhos mágicos com você. Eles foram bons pais, eu não. Balancei a cabeça negativamente Isso não é verdade... Essas coisas que fez... Demonstram que foi mais que um pai para mim... Foi meu herói.. Disse ainda tímido para olhá-lo, principalmente porque eu não conseguia controlar algumas lágrimas Um herói covarde de certa forma... Mas ainda assim, herói... Enxuguei as lágrimas e ele se levantou, vindo em minha direção e ficando mais perto Pronto, agora sabe a verdade. Me diga então... Isso muda alguma coisa? Se abaixou, ficando de joelhos e me olhou nos olhos. Rapidamente desviei Não me olhe diretamente, pode ser hipnotizado! Controle seu poder! E me olhe. Ele disse meio que repreensivo, virando meu rosto para ele. O olhei com receio Isso não muda porque eles continuam me odiando e eles continuarão te procurando. E assim que souberem onde você está, virão para te pegar. Eu não tenho medo dessas fadas. Eu era pequeno, eu não podia fazer nada, mas agora sou adulto. Eu sou um bruxo nível beta. Ele se agitou Fala como se fosse muita coisa, não é. Não lutaremos lado a lado... Mas podemos lutar juntos nessa batalha. À distância... Não tirei mais meus olhos dos dele Isso eu concordo. Disse ele afirmando com a cabeça Eu queria ter feito diferente filho, de verdade... Mas eu era muito jovem e incapaz... Eu não sabia de tudo que sei hoje... Afastou um fio do meu cabelo do rosto e o pôs por trás de minha orelha Não importa, você está aqui agora. Isso vale muito para mim. Disse o olhando nos olhos e então o abracei. Ele demorou um pouco mas retribuiu. Eu não sabia que ele era uma das partes da minha alma. Agora entendia minha ânsia para encontrá-lo. Sem ele, eu estava incompleto, perto dele eu me sentia mais forte, eu me sentia bem. Eu demorei naquele abraço e enquanto ainda estávamos juntos ele perguntou O que vai fazer acerca do seu Destino? Saiu do meu abraço Mamãe quer que eu sucumba a ele... SUA MÃE? Não... Negou fortemente com a cabeça Sua mãe nunca desejaria nada de mal para você Eu sei que não, mas ela está no inferno. Por mais que ela tenha a melhor das intenções comigo, a alma dela já deve ter sido, nem que seja um pouquinho, corrompida. E não só isso, a magia não pode ser quebrada. Minha mãe conseguiu com um demônio chamado Crowley, instância para amolecer minha pena. Em troca disso, ela virou escrava dele... Baixei a cabeça Que instâncias? Bem, eu tenho o controle dessa coisa... E ela pode me visitar sempre que quiser e eu posso chamá-la também. Grandes coisas! Acredite, se não fosse pelo trato, eu já teria virado um monstro há muito tempo... Eu não quero ser a Morte pai... Mas eu não posso deter essa coisa... Uma hora ela vai me dominar. Ele se levanta Tem de haver alguma maneira! Toda a magia, por mais forte que seja pode ser revertida. Você ainda tem tempo até isso acontecer, não tem? E pode controlar. Faça coisas boas, pesquise e encontre uma saída para isso. Eu juro que pesquisei a vida toda uma forma de te livrar, mas não achei... Mas você é mais forte e sábio que eu, pode conseguir algo... Passou a mão em minha testa Se não houver maneira, Blake... Se realmente não houver NENHUMA... Então seja humano enquanto pode. Faça coisas boas, coisas que quer fazer... Eu tento, mas ser humano é difícil! São muitas emoções e... Por causa do governo nos caçando, eu tenho matado muita gente... Isso mata meu lado humano aos poucos.... E essa coisa, ela fala comigo, sabe... Ela me chama para a escuridão. E na verdade, eu não tenho muito tempo... Mamãe disse que eu me tornaria um dos ceifeiros da Nova Era. No Apocalipse? Depois do início do Apocalipse. Quando os cavaleiros do Apocalipse submergirem à Terra, eles farão o caos. Muita gente vai morrer... E eu serei um dos encarregados de matá-las e levá-las para o outro plano... Isso até eu me tornar o chefe dos ceifeiros, daqui há milhares de anos... E porque está se preocupando agora? Ninguém sabe quando virá o apocalipse, Blake! Não, pai, é aí que se engana! Ele está na nossa porta! Ele duvidou Aysha vacilou... Ela transou com um demônio e ficou grávida dele. Os filhos deles trarão o caos para a Terra. Eles são o início. Aysha?! Franziu o cenho, desconhecendo-a É a menina que eu amava, minha prima. E porque ela fez isso?! Se exaltou, batendo as mãos na perna Ela não sabia que isso ia acontecer. Mas sim ela foi burra... Por acreditar naquele canalha... Olhei para o lado indignado Sinto muito se gostava dela... Eu também, mas tenho algo a mais que me preocupar. Se eles trazem o caos, quer dizer que é o início e “....Quando o prazo final chegar, ele não poderá escapar.” É o que diz no contrato. Eu posso conter a escuridão até o fim dos tempos. Se eu não ocupar o cargo ao qual me diz respeito, eles virão atrás de mim. E eu não estou falando dos fadas. Eles passou as mãos no rosto Eles tentarão me matar e assim eu não serei como sou agora, um morto-vivo, eu serei um morto total e não só isso, totalmente dominado pela escuridão, porque terei morrido e assim cumprirei o feitiço que jogaram quando eu era um feto. Ele suspirou e pôs seus cabelos por trás das orelhas Bom... Graças a sua mãe você não pode ser morto com uma simples facada. Eles não vão conseguir Blake, é muito difícil... Nem tão difícil pai... Eu preciso proteger a minha vida, mas eu não sei onde minha mãe as escondeu. Como é que é? Eles virão atrás das partes, e se você é uma delas, significa que virão atrás de você! Ele ficou mais sério Ela não me falou os objetos em que escondeu os pedaços. Agora que você me contou a verdade, eu sei que você é uma das minhas horcrux. Ela é outra. Mas ainda faltam mais 7 para encontrar. Se sentou na cadeira em qua estava antes, afastado de mim Nove horcrux, exatamente... Ela repartiu a sua alma em nove que é o máximo para não te despedaçar. E o máximo que conseguiu por causa do feitiço. Eu me lembro... Uma parte ela me deu e assim me deixou também mais difícil de matar. A outra parte, a que mais tinha sido atingida pelo feitiço ela tomou para ela e assim morreu em seu lugar. Depois ela escondeu o resto da alma em lugares e não me contou, dizendo que não seria seguro, nem para mim, nem para você. Ela sabia que as fadas me torturariam para descobrir onde estão as outras partes se eu soubesse... Ela se sacrificou por mim também... Só que ela não me contou onde escondeu as partes e nem vai me dizer, porque quer que eu sucumba! Assim que os filhos Aysha nascerem, o meu prazo de “comparecimento” acaba e os caras de responsa virão me caçar. Se eu não encontrar minhas horcrux antes deles, talvez a minha mãe mesmo possa entregá-las e aí eu estarei condenado... Eu não acredito que sua mãe faria isso com você... Ela fez tanto para te salvar Blake, tanto até por mim... Por que ela entregaria tudo agora? Respondi um pouco exaltado, batendo com indicador na mesa e por vezes o apontando Porque ela não tem escolhas! Ela conseguiu um prazo para descobrir uma reversão, mas não existe! E também diz no contrato “...Caso seja revertida, estará sujeito à graves punições aquele que modificá-la.” Ela foi burra e morreu por ter mexido numa macumba irreversível. E você paga por isso. Essas são as “graves punições” que diz o contrato. E não só isso, eles já tem ela que é uma das partes. Quando eles encontrarem todas as minhas partes, eles terão posse sob minha alma inteira, coisa que nem eu nunca possuí. Eu vou morrer e me tornar um anjo... Um anjo da morte. Ele disse enquanto nos olhávamos sérios.

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  @Parisse em Ter Maio 16, 2017 12:31 am

Espaço aéreo internacional



Fritz Pryde Von Doom/17 anos/ “Herr DarkMaster”
Fiquei atento durante a decolagem. De onde eu estou para a Latvéria são 11 horas de vôo. É muito longe e extremamente cansativo, sendo que eu nunca pilotei por tanto tempo. Sem contar que o combustível é insuficiente para voar direto. Eu teria que pensar nessa escala. Mas isso é preocupação para depois, agora eu tinha que me preocupar em acertar a rota para chegar em casa, pois nas vezes que saí, eu nunca voltei para a Latvéria completamente sozinho. O jato do meu pai havia sido detectado e a tore de controle ficava tentanto manter contato comigo o tempo inteiro _Atenção. Piloto, por favor, identifique-se_ Eu ficava quieto, não podia falar muito. Se minha voz fosse reconhecida e meu pai tivesse acesso a isso, minha operação falharia antes mesmo de começar. Está tudo sob controle, senhores. _Certo. Mas senhor, diga o seu nome._  Eles ficaram insistindo então disse o nome do piloto do meu pai Angus Bernt. Então eles demoraram para responder, na certa procurando o nome dele na lista. _Piloto autorizado. Mas senhor, não fomos informados que a aeronave 757 estaria voando hoje_ Eles já estavam tirando a minha paciência Esse jato é o jato particular da Vossa Alteza Victor Von Doom, o Doutor Destino não precisa de permissão. _Entendemos, senhor... Qualquer problema comunique-se imediatamente conosco, desejamos um bom vôo._  Certo, obrigado. E desliguei o rádio, fazendo um som de indignação com a boca, revirando os olhos. Pouco mais de 7 horas de viagem depois, eu estava exausto e a nave também precisava de uma recarga.

Cairo, Egito. 7:50 pm


Então parei na cidade do Cairo, Egito para abastecer. Eu precisei ligar novamente a porcaria do rádio para avisar aos cairotas que eu precisaria parar ali. Com sorte, meu pai ordenava que seus pilotos andassem sempre com combustível extra no jatinho, pois os preços para abastecer são exorbitantes. Ao abrir o bagageiro, porém.... Só havia um tanque e estava só com metade do combustível Como assim... Ele deveria já ter colocado os tanques no jato! Iria deixar para última hora com certeza, cacilda! Disse indignado, fechando a mão em um punho e apertando os lábios. Tive que comprar no aeroporto, logo no Egito, país árabe sempre cobram caro para estrangeiros. Como ainda faltavam umas 3 horas de viagem e o combustível está bem menos que a metade, a quantidade exata seria 15.000 mil litros... Mas como é sempre bom se prevenir, porei 20.000 litros. _E então senhor, quanto quer?_ 20.000 litros _Custa 33 mil dólares_ Fiz uma expressão meio entediada, o dinheiro que trouxe não era nem a metade daquilo. Peguei o cartão do meu pai. Pode colocar e passe nesse cartão aqui... Pelo menos já está perto...  Ele passou e após terminada a transação e o abastecimento, comprei uma água e um sanduíche natural, fiz um pouco de exercício também, já que meu corpo estava dolorido e duro por tanto tempo sentado. Voltei à pilotagem e meia hora depois senti sono. Desenhei o mapa no GPS e pus no piloto automático e pus no celular um despertador para acordar daqui a 45 minutos. Apesar da nave seguir sozinha, não saí da cadeira do piloto. É nessas horas que se sente falta do co-piloto. Quando acordei, já estava na Romênia, país vizinho à Latvéria. Só mais uma hora até chegar em minha casa. Eu precisei ter muito cuidado ao entrar nos outros países para não ser atacado, já que ele veem primeiro como uma ameaça qualquer aeronave não identificada no radar, só que, em solo Latveriano eu podia, como falam, “dar uma relaxada”. Como eu estava com a nave do meu pai, logo eles reconheceriam o selo e não a atacariam, assim eu nem precisaria me pronunciar.

Doomstadt, Latvéria. 11:00 pm


A nave ficava em sua garagem no Grande Castelo, e os guardas foram logo a abrindo e fazendo sinal para a aterrissagem. Eles esperavam Victor, mas quando a porta se abriu, fui eu quem saí da aeronave. Eles se espantaram, mas lembraram de se curvar _Herr Fritz... Onde está Vossa Alteza Victor Von Doom?_ Meu pai... Eu não tenho certeza de onde ele está... Respondi com olhar frio e sarcástico, também com certa superioridade _Mas Herr... Recebemos a informação de que o senhor estava desaparecido_ Sim, eu e Victor nos desencontramos. Tentaram nos pegar, por conta de alguns conflitos que ele casou na América e acabamos nos separando. Eu consegui pegar o jatinho e voar até aqui. Outro servo se manifestou _Foi o quarteto fantástico?!_ Arqueei a sobrancelha. Meu pai e o quarteto tinham uma rixa secular. Eu nem tinha pensado em envolver seus inimigos, mas acho que isso faria a situação mais real. Sim... Foi o quarteto. _Mas como assim, não fomos avisados!_ Disse outro. E Eles começaram a se agitar achando que meu pai estava em perigo _O Doutor precisa de mais soldados!_ Pensando bem, talvez eu não devesse ter envolvido o quarteto nisso...  Ei, vassalagem! Acalmem-se... Meu pai está bem. Ele se comunicou comigo... Em breve estará vindo, provavelmente pela manhã. _Mas Herr, não temos certeza..._ Certo, então tentem se comunicar com ele Disse já sem paciência. Eles correram para tentar falar com meu pai e eu me dirigi ao castelo Veremos se conseguirão... Disse com expressão e sorriso malignos, a segunda parte do plano seria posta em ação agora. Quando meu pai, a autoridade máxima da Latvéria, não está “em casa” os servos devem obedecer ao posto mais abaixo que o dele, que seriam seus filhos. Geralmente, eu sou essa “segunda pessoa do comando”, porém, como estávamos no feriado, os outros filhos, ou melhor, meus irmãos deveriam estar aqui e possuem provavelmente muita mais moral que eu por eu ter chegado “atrasado” nas comemorações. Então, ainda que eu desse a ordem para aquietá-los, teríamos de fazer um conselho, com as opiniões dos meus irmãos e a minha e aquela que se sobressaísse, seria o comando que os servos obedeceriam. Do jeito que meus dois irmãos são panacões e lerdos, eles iriam discordar de mim, fazendo de tudo isso uma grande perda de tempo. Eu já havia pensado em tudo. Então entrei na sala de operações do meu pai e fui até o resistor. Victor manipulava o país de tal forma, que todos os meios de comunicação do país possíveis, se iniciavam e terminavam no Castelo, fazendo-o ter controle, inclusive, das notícias fornecidas por jornais internacionais. Com a televisão e internet eu nem precisava fazer nada, meu pai já restringia o conteúdo das mesmas apenas para programações nacionais. Agora o rádio e o telefone... Aí sim, eu precisava mexer... Se bem que se eu não cortar a internet, eles conseguirão acesso ao meu pai de uma forma outra... Quer saber, cortarei é tudo. Disse a mim mesmo. Abri a caixa registora e queimei um dos fusíveis de cada meio para que eles parassem de funcionar. Pensando bem, é melhor deixar a televisão intacta... Afinal os otários precisam de alguma distração... Peguei meu celular e disquei o primeiro número que apareceu, sem consegui completar a ligação, ou seja, na mesma hora, assim, as linhas foram cortadas e o país passou a ficar incomunicável. Seria questão de tempo, até as pessoas perceberem isso, então eu precisava ser rápido. Fechei o celular com um sorriso e depois a caixa, e saí, indo ao meu quarto apenas para tomar um banho. Voltei-me aos guardas e lhe perguntei E então... Conseguiram contactar meu pai? _Herr... Temos um problema muito maior do parece, acreditamos que o Quarteto tenha sabotado o país..._ Fiz uma falsa expressão de estranhamento Por que acha isto? _As linhas telefônicas não funcionam..._ Tentaram a internet? Sinal de rádio? _Estamos fazendo isso agora._ Então sejam rápidos! Meu pai pode estar em perigo há uma hora dessas... _Mas senhor, achei que tivesse dito que ele estava bem..._ Sim, mas isso foi há horas atrás. Não falo com ele já faz horas, algo pode ter acontecido. O que eu mais gostava em tudo isso, eram as expressões de terror dos servos, acreditando na minha belíssima atuação e na possibilidade de Victor realmente estar em perigo. _Estamos trabalhando o mais rápido possível, Herr_ Diga isso a Reed Richards quando ele estiver naquele trono e não o meu pai. [color=gray]Disse sério por fora, mas por dentro, eu estava gargalhando. O servo apavorou-se e correu para dentro para saber como andava o acesso à internet e o rádio. _Senhor... Não estamos conseguindo sinal. Há alguma coisa errada..._ ENTÃO CONSERTEM! MEU PAI PRECISA DISTO! É ASSIM QUE TRABALHAM EM SUA AUSÊNCIA?! _Não senhor, é só que..._ É SÓ QUE NADA! RESOLVAM, SE VIREM! Fingi-me de bravo e autoritário. Dessa forma, ficariam muito nervosos para pensar que o problema está nos fusíveis e tentariam consertar por eles mesmos. _Sim, Senhor!_  Disse apressado, sem saber o que fazer, na verdade, em profundo desespero. Saí dali indo em direção da prisão do castelo, mas fui interrompido por minha irmã

Fritz! Soubeste do papai? Como ele está?! Agora não, Maddie , estou ocupado! Mas com o que acabaste de chegar... Ora, com o que... Logo de início não tinha em mente o que dizer Buscar pelo pai, ué... Se formos confiar nesses servos palermas, tudo o  que encontraremos serão restos de Victor. Ela ficou assustada e então digo frio e sério Acalme-se ,ficará tudo bem... Ela faz alguns gestos meio melodramáticos e eu penso por um instante que ela vai me abraçar ou algo do tipo, chego a me encolher um pouco, mas por sorte, ela só sai. Fico a olhando discretamente e quando vejo que ela desaparece do corredor, continuo meu caminho até o calabouço. Chego numa porta de madeira, de aparência bem medieval, de se podia ouvir sons de chicote e gritos, dentre outros tipo de tortura. A abro e desço algumas escadas. Eram onde ficavam os prisioneiros, pessoas que eram contra meu pai. E essa seriam a terceira fase do plano... Basta... Disse sério aos carrascos que os torturavam Deixe-os comigo. Cuidarei deles agora. Eles pararam e então me obececeram. Com certeza acharam que eu iria maltratar ainda mais aquelas pessoas. Não os julgo, elas tiveram esse mesmo pensamento. Quando os guardas saíram, começaram as apelações para ficar vivo, os recados para familiares, dejavus... Me mantive sarcástico, me entretendo um pouco com a confusão deles Acalmem-se! O que pensam que vou fazer? Não estou aqui para torturá-los... E nem matá-los! Estou aqui para propor uma aliança... Todos nós queremos nos ver livre de Victor... É algo justo, correto?! Eles começaram a recuar. Não acreditavam que logo eu, estaria contra meu pai.  Eu falo sério... A Latvéria será minha... Para me tornar o governante da Latvéria, preciso tirar o outro do poder. Vocês não querem isso? _Porque não pede ajuda aos seus guardas?_  Perguntou um deles. Me virei para mesmo, ainda com o sorriso sarcástico. Esses guardas não irão contra meu pai... Por isso preciso de vocês. São quem vão fazê-los, ou melhor, coagi-los para que se curvem diante de mim. Uma vez com o apoio e serviços do servos para mim...  resto é facilidade. _E como sabemos se é legítimo?_ Eles ainda tinham aquela pulga atrás da orelha em relação a mim, precisava garanti-los, mas como... Olhei o ambiente, observei a podridão e então tive uma ideia A partir de agora, nenhum carrasco entrará aqui a não ser para limpar este chiqueiro. Isso é uma relação de confiança, terão de confiar em mim, assim como confiarei em vocês. Após estes feitos, estamos associados? Se realmente cumprir com o que disseste... Sim... E ainda terá nossa lealdade. Disse Zorba, que provavelmente era uma espécie de líder para eles, já que os outros, facilmente concordaram. Sorri discreto e sarcástico Não se preocupem. Fritz Pryde Von Doom cumpre com a sua palavra. O reinado de Victor Von Doom está com os dias contados.  Disse e os mesmos pareceram vibrar com aquilo. Tudo corria bem até agora. Isso me deixava bastante otimista. Subi e fui para a sala de controle preparar algumas coisas. Precisava fazer uma boa campanha para mim. E também algumas notícias falsas para assustar os guardas e a população. Conectei meu laptop no computador central e enviei as propagandas enganosas. Elas diziam que meu pai havia sido capturado. Não se sabia ao certo onde, mas parecia ser na Sibéria, Rússia. Sorri depois de tudo montado, parecia uma notícia autêntica. Isto está muito bom... Mas também se ficasse ruim, não seria eu fazendo. [color=gray]30 minutos depois os servos e os guardas estavam desesperados. Saí da sala de controle e pedi para que limpassem o calabouço como havia prometido. Eles estranham, mas vão. Me junto aos servos para observar suas operações e aproveitar para fraudar os resultados. Precisei me segurar para não rir. Meu irmão Kristoff me interrompe quando me chama para conversar. O que quer... Pergunto sério e sarcástico.

Fritz, os carrascos me disseram que você os ordenou a limpar o calabouço. Pode me explicar o que é isso? Eu conhecia aquele olhar... Kristoff estava desconfiado. É um novo tipo de tortura que pensei... Você não entenderia... Ele suspirou  Fritz... Meu intelecto é igual o seu, senão superior. Entenderei qualquer coisa que disser. Sorri sarcástico o olhando, já imaginava resposta parecida Não é nada demais, só aquela tática do dar para depois tomar. Ou parecer que deu. Então está limpando a cela deles para terem um pouco de esperança?Perguntou desconfiado Claro... Essas pessoas não sabem sobre o desaparecimento de pai, mas podem ficar sabendo através dos carrascos... Não podemos arriscar um ataque, correto? Então os deixemos bem ocupados... [color=gray]Ele tombou a cabeça para os dois lados pensativo[color=undefined] É um bom plano... Mas da próxima vez que pensar em algo, nos avise primeiro antes de dar as ordens. Suspirei e me segurei para não dizer algo inapropriado Tens razão, me desculpe... É que com todo este drama, eu não consegui pensar direito... Eu me desculpando... Tirando minhas desculpas com Julieta, há milênios isso não acontecia. Eu precisava me livrar de Kristoff... E logo  Na verdade, muito pelo contrário... Eu estou pensando e pensando muito, e essa confusão me fez me passar. Kristoff, não sei se viu as últimas notícias... Mas disseram que estão mantendo Victor... Na Sibéria? Sim eu soube...  Estive pensando... E se mandássemos uma missão para lá? Não sei... Acho muito arriscado...   Também acho....Mas não se fosse com um comandante experiente... Um comandante feito você.... Ah, pare, pare, pare Fritz! Já sei onde quer chegar.  Kristoff... É pelo nosso pai... Tudo bem que você foi adotado, mas ainda é o seu pai... E você ainda é o mais velho... E... E... Nem acredito que vou dizer isso... E...  ...Melhor que eu como comandante. Ahaha não, não, não acredito no que estou ouvindo. Fritz Pryde Von Doom admitindo que sou melhor que ele? Revirei os olhos. O que não fazemos por poder... Pois é.... As vezes temos de reconhecer... Sabe como isso é difícil para mim, mas estou aqui admitindo.... Porque você é o único que pode fazer isso agora Kristoff, é o único que pode salvar Victor! Victor, não, seu pai.  Sim... Falamos da mesma pessoa. Kristoff me repreende toda a vez que chamo Victor pelo nome. Porque não vens comigo? Pode ser inferior à mim, mas ainda é forte e uma boa ajuda.  Eu? Nossa... É uma honra mas... Alguém precisa ficar para ordenar toda essa bagunça, não é mesmo? E a não ser que deixe Maddie... Não tem outro que eu... Deixar Maddie? É impossível... Ela está muito abalada...  E depois de você, eu ainda sou o mais velho... Não sei, preciso pensar Fritz!  Tudo bem, não precisamos ter pressa. Só tenha em consciência que, enquanto se decide, nosso pai está em DESVANTAGEM! Disse irritado e saí, voltando a "ajudar" os servos a localizar meu pai. Eles trabalhavam duro para tentar encontrar alguma resposta e eu os atrapalhava, colocando complexos firewalls nos sistemas que queriam entrar, enviando alguns vírus ao sistemas,  e fazendo-os achar pistas falsas que pareciam levar a algum lugar, mas depois de algum tempo descobria-se que eram desconexas. Fiz aparecer gatos em uma delas e me segurei novamente para não rir. Não havia um sequer rasto do meu pai, isso porque a Latvéria estava conectada com ela mesma. Um dos vírus era tão poderoso que explodiu uma parte dos computadores e pipocou algumas luzes. Passou mais ou menos uma hora para que Kristoff voltasse Fritz! Estava sentado em frente à um computador, teclando, quando ele vinha por trás Kristoff, se não vai ajudar, não me... Você está certo... Não tem outro jeito, precisamos mandar uma missão à Sibéria... Mas precisa me ajudar a recrutar mais pessoas... Sorri maligno, porém, bem discretamente. Não se preocupe, irmão... Te ajudarei na convocação... Disse, já digitando e fazendo alguns cartazes digitais. Ele foi se arrumar para aparecer na televisão. Fomos até a sala de controle gravar.


Última edição por @Parisse em Ter Maio 16, 2017 12:38 am, editado 1 vez(es)

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Fritz- pt II

Mensagem  @Parisse em Ter Maio 16, 2017 12:35 am

Doomstadt, Latvéria. 3:30 am

Fiz questão de eu mesmo mexer na parte elétrica para não descobrirem sobre os fusíveis e então gravamos. Povo da Latvéria! Venham comigo... Em busca de seu monarca, em busca de Destino! Sem Destino...Quem irá nos proteger? Ele pedia ao povo da Latvéria que se alistassem ao exército. Não demorou muito para ouvirmos uma multidão lá fora. Pessoas batiam na porta do castelo querendo se alistar. Antes disso, tivemos de ir até nossa "irmãzinha" para conversarmos... Como assim para Sibéria? Você nem sabe se essa informação é verdadeira! Eu estou desconfiando muito de tudo isso... Eu acho... Sinceramente acho que estão armando contra papai. E algo me diz que é alguém de dentro. Apertei os olhos a olhando. Maddie era muito inteligente, apesar de um pouco bestinha. Um passo infalso poderia deixá-la desconfiada. Às vezes para fincar uma mentira, a arma mais poderosa que você tem é a verdade Então acha que pode ter sido alguém de dentro? Alguém tipo quem? Kristoff? Ou melhor, eu?!! Não, Fritz... Eu não quis dizer isso Victor controla todas as pessoas desse país Maddie, até nós mesmos! Como alguém poderia tramar algo contra ele? Alguém suficientemente inteligente como ele, que conhecesse as coisas daqui...Porque eu já liguei para ele, mas não tem linha. Como do nada em menos de 24 horas toda a nossa comunicação é cortada? É verdade... Confirmou o outro, pensativo, com a mão no queixo. Ela se aproxima de mim, tocando em meu ombro Sei que é difícil de acreditar, maninho... Mas até mesmo papai pode ser passado para trás... Suspirei Não importa! Me virei de costas, derrubando abruptamente sua mão de meu ombro Estamos perdendo tempo! A informação da Sibéria pode não ser verdadeira mas é a única que temos! E se for verdadeira ele pode estar em perigo exatamente neste momento! Será que não vale apenas checar?! Sim, mas mandar tropas para fazer uma checagem? Fritz, nós temos tanta tecnologia, podemos mandar um satélite ou um drone para fiscalizar Ela era linha dura. Suspirei um pouco mais forte, pondo as duas mãos no queixo e depois as levei até seus ombros Maddie... Você é muito inteligente... Mas não entende de táticas de guerra... A ideia dela dos satélites e drones não é tão ruim Fritz. Pelo amor de Deus, como não?! Se descobrirem nossos drones ou satélites, eles terão um motivo para nos atacar: es-pio-na-gem! Quer uma briga com a Rússia??!! Porque até provarmos que o drone havia ido espionar o Quarteto fantástico, ou sabe-se lá quem está por trás disso, e não o país, já estaremos em guerra. Certo, e mandar tropas também não gera a guerra? Quantos homens vamos perder?! Gera, claro que gera, mas vocês terão um conflito direto. Numa Blitz você acaba com os terroristas ali mesmo, num conflito que não tome proporções mundiais, entende... É isso que estou tentando evitar... Krist pensa novamente e então concorda Ele tem razão... Precisamos conter enquanto ainda é pequeno. Uma tropa rápida e incisiva... Exatamente. Você poderia ajudar bastante no combate, Maddie O que, eu?! Se vira de costas Eu não estou pronta para um combate... Só em pensar que no que podem estar fazendo com ele... Não podíamos ver seu rosto, mas sua voz começa a soar chorosa, evidenciando a emoção. Olho para Krist e suspendo as sobrancelhas, logo o mesmo vai até a mesma Não se preocupe, ficará aqui com Fritz... Prometo que volto logo... E com nosso pai vivo. Ele disse a abraçando. Revirei os olhos. Quando descemos, os alistados estavam dispostos a lutar por meu pai. Descemos nós três para um pequeno discurso, naquela noite fria.
Vocês precisarão ser fortes, rápidos e espertos, já que não temos tempo para um preparatório. A Sibéria é a parte mais fria da Rússia, portanto, NUNCA RETIREM A ROUPA DE FRIO. Matem todos os suspeitos, mas tenham cuidado com os civis. Só o meu pai tem o poder de fazer gols erra com outros países e ele não está aqui. Partiremos ao amanhecer. Ele disse finalizando, então cutuquei Esqueceu de um detalhe Kristoff... Ele arqueia a sobrancelha duvidoso As decisões... Em sua ausência as decisões serão tomadas por... Não quero cometer outro delito como aquele... Ah sim... Verdade, desculpe. Disse baixo para mim e então se virou para falar mais alto para com o público Como herdeiros oficiais do trono de Victor Von Doom que nós somos, as decisões devem ser tomadas apenas e estritamente por nós três. Porém, em minha ausência... Eu, Kristoff Vernard Von Doom, Doctor Doom II, legalmente abdico do meu poder de decisão para partir nesta batalha. Deixando o poder nas mãos de meus irmãos Fritz Pryde Von Doom e Maddie Doom Le Fay. Sendo que, no caso de invalidez de um destes, o poder cairá totalmente na mão de um deles até que o enfermo se recupere. Eu, Fritz Pryde Von Doom, Herr DarkMaster, aceito os termos e concedo a Doctor Doom II o poder das decisões do exército. E eu Maddie Doom Le Fay, Morgan, aceito os termos e concedo também o poder ao Doctor Doom II. Então assinamos o contrato e nele estava escrito a cláusula que eu havia dito anteriormente no caso de um de nós ficarmos inválidos. Depois daquilo, Kristoff liberou os homens e foi repousar, para sair cedo no outro dia. Para o meu plano só faltava agora um obstáculo: Maddie. Eu precisava me apressar, pois como a Latvéria estava "presa em si mesma" eu não sabia o quão perto Victor está. Minha única vantagem era o celular, que por ser americano e não Latveriano, podia acessar a rede mundial, o que me permitia ver as notícias e meu pai, não que eu já não imaginasse, estava à minha procura e doido. Destruiu um hospital... O hospital que Brad trabalha... Mas porque? Me perguntei duvidoso. Caminhei para a sala de operações para dispensar os servos Já fizemos muito! Podem descansar, voltem amanhã. Mas não sem meu consentimento. Amanhã, depois do despacho da tropa, esperem por mim. _Entendido, Senhor._ Responderam e saíram. fui ao meu quarto. Quando todos estavam dormindo, fui para o andar mais baixo do castelo e entrei numa sala onde Victor fazia bruxaria. Lá eu faria a poção que eliminaria meu último obstáculo. Feito isso, fui até o calabouço, fazer uma visitinha aos presos, que também dormiam. Ei! Acordem, panacas! Temos muito o que fazer... Falei enquanto eles acordavam ainda zonzos. Eles subiram comigo até a cozinha Existe todo o tipo de comida aí... Sirvam-se... Então começaram a comer como brutamontes e Zorba desconfiado se aproximou

Então é isso... Vai nos usar para roubar o trono do seu pai... Do que está reclamando? Vocês são prisioneiros. Serão elevados à guarda real, é mais que justo. O que mais queria?  Ser o rei? Perguntou exaltado. Zorba era filho do rei que meu pai derrubou para se tornar o líder da Latvéria Ah não, Zorba... Por favor... Já superamos esta história. O trono é meu por direito! Você não terá o trono, e acabou! Posso te elevar a mais alta posição dos guardas, do exército e até a um cargo de confiança próximo à mim, mas NUNCA... Será acima ou igual a mim... Estamos entendidos... Fortunov? Disse bem perto de sua face, nos entreolhando. Ele responde então num suspiro Sim, Herr DarkMaster... Ótimo... Bom saber que posso confiar em você. Amanhã preciso de vocês prontos depois que Kristoff partir. Como a maioria dos servos partiu com o exército, apenas poucos ficaram aqui. Você e sua laia precisam intimidar estes que ficaram e alguém do povo que vá contra mim. Tarefa fácil, não é mesmo. Acho que podemos nos dar muito bem Fortunov... Só depende de você... E eles, claro. Vou te contar onde deixam as armas... Saindo dali, subi até o quarto de Maddie. Entrei devagar e nas pontas dos pés fui andando até sua cama. Defronte a esta iria me agachar para aplicar-lhe o feitiço. Era o feitiço do sono, que faria Maddie dormir até quando eu desejasse acordá-la. Só que quando estava pegando o lenço com o líquido, ela acordou Fritz?! O que faz aqui? Perguntou se sentando na cama e coçando os olhos. Rapidamente pus meus braços atrás das costas. Nada, eu só... Precisava vir te dizer algo muito importante... Ela se senta pondo os pés no chão, se aproximando de mim. Continuei de pé e disse Você precisa ter mais cuidado Por que? Olhou para cima para mirar meu rosto Por causa disso...[/color] Falei lei e puxei o pano, pressionando-o diretamente contra seu nariz Hhppmmm!! Hhppmmm!! Ela começou a tentar emitir falas, mas só conseguiu sons estranhos. A segurei com a outra mão por trás e profanei: Propter hoc facio lucerna somno, tantus noctis absconditus o domina luna, somnis guide operimentum me pulchrum eius sententia cum flamma de lucerna moriatur quaeso meos oculos! Daí, ela adormece e eu digo Boa noite, Maddie... Sonhe com os anjinhos... Sorrio maligno e caminho para sair de seu quarto, fechando a porta. Desço à caminho da parte externa em que Krist e os "novos soldados" e a maior parte do nosso exército estavam de preparando para a decolagem. Mas antes, passei rapidamente no calabouço e abri a porta, falando de lá Estão prontos?! Será daqui há uma hora. Zorba, pegue as armas no lugar onde falei. Estaremos prontos. Fechei a porta e andei apressado para a decolagem Fritz! Nossa, achei que não viesse para o despacho. Coloco minha mão em seu ombro e ele põe na minha
Eu não faltaria. Faço isso por Victor, não você. Ah bem... Esse é o Fritz que conheço. Onde está Maddie? Maddie? Não sei... Acho que ainda está dormindo. Sabe como ela é... E também por conta disso tudo... Está um pouco abalada, deve ter perdido a hora. É, ela precisa de um tempo. Enfim... Boa sorte lá! Aperto sua mão e ele aperta a minha e então diz Olha Fritz... Sei que não nos damos muito bem, mas... Obrigado por estar me ajudando... Seu suporte é muito importante para salvarmos nosso pai... Eu desconfiei de você... Mas agora percebo que podia estar enganado. Então... Obrigado. Não tem problema. Não sou flor que se cheire não é mesmo. Sorrimos e então ele foi. Esperei ele e toda tropa entrarem nos jatos e subirem aos ares. Quando se forem, sorri: É a hora de atacar. Entrei no castelo, e fui dar o arremate final no caso da "Princesa". Ela gostava que a chamassem assim. Liguei para um médico e ele veio examiná-la _Te afirmo, Herr... Que já fiz tudo o que era possível para a sua irmã acordar, mas ela parece estar num sono profundo..._ Diz ele com o estetoscópio na mesma Não, Doutor! Eu não consigo aceitar que minha irmã de uma hora para outra, simplesmente, parou de funcionar! Faça alguma coisa! _Herr DarkMaster, com todo o respeito, de todos os meus casos, nunca vi um desses. Claro que, existem doenças do sono, mas trabaalho com sua família há anos e sua irmã nunca apresentou tais sintomas. Ela parece estar morta, mas nós podemos ver que seu coração bate, que tem pulso, que respira... É como se estivesse dormindo...[/color] Certo, isso eu já sei, diga-me algo que desconheço! Diga-me o que supõe! O Doutor Crocker era um bom rapaz. Uma pena eu ter de ser tão duro com ele naquela hora. Bem, os fins justificam os meios, correto? _Para ser sincero, Herr... Acredito que isso esteja além do meu alcance..._  Seja mais específico, por favor... _Acho que enfeitiçaram sua irmã_ Mas isso é impossível! Ela é uma bruxa nata! _Podem existir bruxos mais fortes... O senhor mesmo, domina das artes negras, não é mesmo, Herr?_ O que está insinuando? Que eu enfeiticei minha própria irmã?! Só nos faltava essa agora... _Não, não, não, senhor... De maneira alguma..._ É melhor se retirar Doutor... Se não pode fazer nada, perdes tempo aqui... Entretanto aceitarei teu conselho sobre a feitiçaria... O senhor é a prova de que alguém poderoso está jogando contra nós... Disse sério o olhando _Sim senhor... Não sabia que era uma situação tão grave. Qualquer coisa, pode me chamar.[/color] Sem problemas... Disse e ele se foi. Me aproximei dela Huahaha... Podes se achar a melhor o quanto quiser, "Princesa"... Mas tua astúcia não é palho para a minha... A olhei maligno e desci para a sala de controle. Victor sempre amou mais a mãe de Maddie que a minha. E ela se esnobava por isso. Ora ora, parece que o filho da mais simples, ganhou... Chegando na sala, acabei tendo uma surpresa: os servos estavam acessando as redes sem mim O que estão fazendo?!! O que eu disse ontem?! _Herr, nos desculpe. Sabíamos que tínhamos de esperá-lo, mas precisamos entrar urgentemente._ E eu posso saber que motivo foi esse?! Perguntei irritado _Depois de muito tempo, começamos a pensar que talvez... Talvez as informações estão tão limitadas por conta de uma falha técnica... O que quer dizer com isso... _Descobrimos que os fios podem estar trocados, ou temos alguma falha elétrica_ Congelei, mas não transpareci Mas que absurdo! _Verdade, mas não precisa se preocupar. Chamamos o eletricista._ Me enfureci Não! Não! Não! Não deviam ter feito isso sem mim! _Mas Herr..._ Nada! Deviam seguir as minhas ordens! Onde está o eletricista? Aquele eletricista era o eletricista do castelo, o cara mais capacitado da cidade, e não só isso... Ele era um grande amigo meu, meu parceiro, pois fazia parte do grupo com quem eu andava. Mas eu não podia deixar que descobrisse meu plano. Penso, porém, que já era um pouco tarde... Cheguei na parte elétrica Hans...

Fritz! Quanto tempo... Ele vem até mim e me abraça com um sorriso; retribuo Verdade... Para quem não queria ir... Ficou um tempão hein Pois é... Disse sem graça Ocorreram alguns contratempos... Eu imagino... Falar nisso, sinto muito em te ver nessa ocasião tão ruim com o seu pai. Espero que ele esteja bem... Victor é como um tio para mim... Ainda que meio doido... Passei a língua entre os lábios. Eu sei... E é por isso que estou preocupado... Eu encontrei uma falha no sistema... Alguém trocou os fusíveis... Alguém com muita habilidade e acesso para isso... Disse ele já um pouco desconfiado. Engoli a seco e então disse frio E tem alguma ideia de quem pode ter sido? Eu tenho umas ideias... Disse olhando-me e cruzou os braços. Aproximei-me e sussurrei Hans... Está acontecendo algo grande aqui... É melhor você ir embora... Você era apenas um dos suspeitos... Mas agora acabou de me dar certeza. Fritz, não faça isso... Se der errado, eu não duvido que ele te jure de morte Não, Hans, você não entende! Meu trono está ameaçado por uma garota... Eu preciso fazer isso! E você é melhor não me atrapalhar... Não ouse contar aos servos Tarde demais... Os servos vieram rapidamente e pararam em frente à porta, aglomerando-se, formando uma espécie de portão _Herr... Porque o senhor trocou os fusíveis? E aqueles vírus... Eu os rastreei... Eles vinham de um computador da nossa sala... O seu computador..._ Disse um deles, e os outros, ficaram me olhando esperando por explicações. Olhei para Hans que disse "me desculpe" E vocês vão acreditar numa simples suposição de um eletricista e por conta do meu IP? Já pararam para pensar que o verdadeiro culpado pode estar armando para mim? Sou o único herdeiro de Victor que está no comando, é claro que querem me atacar! Isso os fez pensar a respeito do assunto, mas para Hans, tudo já estava esclarecido Mas que ridículo, Pryde! Não adianta tentar nos enganar. Sabemos que foi você e eu sei o que quer fazer. Estou tentando te impedir! Disse-me olhando muito sério _É verdade, Herr... Que quer tomar o lugar do altíssimo Doom? _  Foi aí que me encontrei  uma situação onde eu podia continuar mentindo psra os panacas ou dizer logo a verdade. Eles eram muitos, mas eu ainda era o Herr, eles não me agrediriam... Correto? É verdade sim... Eu irei tomar o que é meu e NENHUM de vocês vai me impedir!
Zorba narrando: O sinal do Herr estava demorando, isso já começava a me inquietar _O senhor acha que vai demorar muito para ele nos chamar?_ Não sei... Mas isto está estranho... Acho que devemos ir agora. _Mas senhor, se nos pegarem, nos castigarão!_ Aquele que chamam de Herr está do nosso lado. Achará uma solução. _O senhor confia mesmo nele?_ Ouvi sua pergunta e pensei um pouco antes de responder Não... Não confio, mas ele é a única única chance que temos. Chame o pessoal. Diga que iremos mesmo sem chamar. Mas iremos devagar.... À passos pequenos.
Fritz narrando:
Disse aquilo autoritariamente e então eles se mexeram _Que Doom nos perdoe! Mas iremos te impedir!_ É mesmo? _Chamem a Princesa!_ Boa sorte em tentar acordá-la. Morgan ou "a princesa" somente acordará sob meu comando. _Liguem para Doctor Doom!_ Vocês não conseguirão falar com Kristoff. Ele está muito longe daqui. E as linhas foram cortadas. Vocês estão presos na Latvéria. Presos com seu novo governante! _ Negativo!_ Começaram a vir para cima e eu me preparei para atacar, mas Hans pôs-se entre nós. Não! Parem com isso! Não iremos resolver nada assim! _Não se trata mais de você..._ Disse um dos serveos. Foi então quando minha cavalaria chegou. Afastem-se do Herr ou então se verão conosco. [coloor=gray]Olhei para Zorba e sorri[/color] Na hora certa! Sei fazer meu trabalho, Von Doom. Resmungou. Então os outros guardas levantaram as mãos com medo das armas Zorba Fortunov? Está se unindo com Zorba Fortunov?? Eu não acredito... Silêncio! Vocês ficarão em silêncio e irão me adorar como novo governante! Olhei para a direção de Hans,  mandando-os prendê-lo mas ele havia sumido. Os prisioneiros se dividiram, uma parte fazendo minha guarda e os outros juntaram os servos e os levaram ao calabouço. Fomos ao palanque fazer o anúncio ao povo. Povo da Latvéria... Até agora não se tem notícias de Doutor Destino... Os veteranos mais antigos muito provavelmente reconheceria alguns dos prisioneiros, por isso,fiz questão de que esses fossem com Kristoff para bem longe, deixando aqui os mais jovens que desconheciam ou os velhos caquéticos que nada podiam fazer. Para prevenir, pedi à Zorba que se disfarçasse ...O país não pode ficar parado por isso... Se ele estivesse aqui, diria-nos para lutarmos! Continuarmos! O meu irmão está na guerra e minha irmã está indisposta... Pela lei o escolhido deve reinar no lugar de Victor Von Doom. E eu peço a vocês, ó povo da Latvéria, que me permitam ser este escolhido... Ajudem vossa nação... E só assim derrotaremos os inimigos!
Hans narrando Eu não acredito Fritz... Você não está fazendo isso... _Está vendo?! O Herr foi o único que ficou! Eu sabia que ele era o melhor, sempre o preferi. Mesmo quando ele sumiu e todos desacreditaram nele, eu continuei!_ Isso mesmo, eu também, sempre achei ele o melhor... E mais bonito..._ _DarkMaster é o melhor com certeza!_ Fritz conseguiu contagiar as pessoas com seu discurso. Elas começaram a fazer comentários positivos sobre eles, o que não era nada bom. Fritz era um grande amigo e uma das pessoas mais inteligentes que conheço. Mas ele não está pronto para governar um país inteiro sozinho! Mas pior que isso, enfrentar os inimigos de Victor. Parem com isso! Vocês percebm que fazendo isso, estarão pondo muito poder nas mãos de um garoto de 17 anos?!!  _E o que podemos fazer? O garoto é da realeza, o trono é dele_ _Isso mesmo, os outros NUNCA tiveram chance contra o Herr!_ Se conseguissem falar com Kristoff, veriam que estão errados! _Doctor Doom não está aqui agora. Herr DarkMaster sim. Nós dizemos SIM ao Herr!_  _JA! JA! JA! DARKMASTER REGIEREN!_ Não...  Disse negando com a cabeça
Fritz narrando Então, depois de um certo burburinho começaram a gritar por meu nome. Eles ficaram muito pensativos, cheguei a suar frio, não era possível que eu pudesse nadar tanto para morrer na praia. Quando eles começaram a gritar "SIM", meus olhos quase se encheram de lágrimas. O povo queria eu... Acalmem-se! Latverianos... O povo é soberano. Um velho ditado já diz... A voz do povo é... E terminaram falando comigo A VOZ DE DEUS! Exatamente...Eu agradeço... Abaixei a cabeça para eles e ao subir disse Prometo fazer o melhor por vocês, meu povo. Está na hora de um novo reinado. Uma nova era. Contemplem, reverenciem... O mais novo governante da Latvéria... Curvem-se diante de mim... Abri os braços e eles, na mesma hora, curvaram-se, com exceção de um Hans... Sussurrei para mim. Nos olhamos sérios e então, o mesmo se curvou.

@Parisse

Feminino
Número de Mensagens : 14
Idade : 27
Localização : Nowhere
Pontos : 23
Reputação : 0
Data de inscrição : 28/06/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Nova: School for Superpowerful Kids

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum